Copa Grande Prêmio
15/01/2018 21:50

'Ideia maluca' que deu certo, Copa GP cria experiência inesquecível para pilotos nas 500 Milhas: “No coração para sempre”

A segunda edição da Copa Grande Prêmio de Kart vem aí em fevereiro. Para começar a aquecer o evento, de tanto sucesso em 2017, o GP relembra trechos dos seis meses inesquecíveis e marcantes que mudaram a vida de toda a equipe, de todos do site aos pilotos amadores
Warm Up
FELIPE NORONHA, de São Paulo

Logo abaixo deste parágrafo, você verá uma galeria com as melhores fotos das 500 Milhas da Granja Viana, prova mais tradicional do kartismo brasileiro. A imagem que abre o álbum está cheia de sorrisos - e não de pessoas conhecidas do público. Ou, ao menos, desconhecidas para quem optou por não acompanhar a saga dos participantes da primeira Copa Grande Prêmio de Kart, que em dezembro se tornaram membros da Scuderia GP, conduzindo o carro #44 ao terceiro lugar na categoria Thunder Light das 500 Milhas. Porque quem escolheu ler as notícias dessa aventura, ou mesmo participar, se não como piloto, como apoiador, como torcedor, como 'palpiteiro', reconhece cada sorriso dessa foto. E sabe que eles significam que participar da Copa GP vale muito a pena. Que a recompensa no final é gigante. E que, assim que forem abertas as inscrições para a segunda edição, que começa no próximo mês de fevereiro, se abrem também as chances de que esses sorrisos sejam de quem hoje apenas lê esta matéria. 



Nesta retomada de matérias da Copa GP, que começou como uma 'ideia maluca' e se provou uma aposta correta em apenas seis meses de muito trabalho, correria, dramas e, no fim, um troféu que ninguém esperava, o GP convidou três dos seis membros da Scuderia GP nas 500 Milhas - o mais novo e os dois mais experientes. Um 'mix' que se provou correto, como diria o clichê esportivo: à ousadia de Gustavo Ariel, 16 anos, se juntou a experiência de Miguel Cappuccio, 47 anos, e Ricardo Talarico, 64 anos, mas humor e pique de alguém da idade de Gustavo - além deles, formaram a Scuderia GP Allyson Nazário, campeão da Copa GP, Alicio Del Nero e Alfredo Salvaia - que contarão suas histórias também aqui no GP.

Eles serão os primeiros a contar partes da saga que foi abrir um campeonato de kart para pilotos amadores no último mês de agosto, em uma ideia surgida de conversas informais, de 'brincadeiras' entre amigos que sonham em manter o maior site de automobilismo do Brasil como definidor, como um produtor reconhecido por sua credibilidade e correção. E isso a Copa GP teve da primeira à última etapa: quando problemas surgiram, foram contornados às claras; quando elogios eram recebidos, repassados aos merecedores: os pilotos que tornaram a Copa possível.

A segunda edição da Copa GP começa em fevereiro e as inscrições serão abertas nos próximos dias. Fique de olho! E se prepare: pois o nível é alto, com pilotos que brigam na mesma pista que Rubens Barrichello, Felipe Massa e Lucas di Grassi, por exemplo. E saem dessa mesma pista com troféu
Gustavo Ariel  no #44 da Scuderia GP (Foto: Emerson Santos/One Media)
'Ideia maluca'

Ricardo Talarico: "Jamais cansarei de agradecer a todo o pessoal do GRANDE PRÊMIO, que teve a idéia que parecia totalmente maluca, e realmente era, mas com dedicação e extremo profissionalismo tornou realidade, possibilitou a mim e a meus companheiros de Scuderia GP nas 500 Milhas, a realização desse sonho. Nos fez nos sentirmos importantes, quase famosos."

Miguel Cappuccio: "Como gestor e presidente da Amika (Associação de Amigos do Kart Amador, parceira da Copa GP), foi um prazer conhecer os responsáveis pelo portal GRANDE PRÊMIO, ter trabalhado com o Renato Ribeiro (chefe da equipe), com o Victor Martins, Rodrigo Berton, Felipe Noronha, toda a equipe. Pessoas de primeira linha, altamente profissionais. E tudo que foi conversado entre Amika e GP foi cumprido ao quadrado, mais do que o combinado. E a nova Copa GP já está saindo do forno e pilotos, se preparem, que esse ano vai ser mais legal ainda."

O começo

Gustavo Ariel: "Acho que o interessante foi a nossa evolução durante os dias. Quinta-feira a gente começou se acostumando com o kart, todo mundo, alguns probleminhas de motor, enfim. Sexta-feira a gente já estava com a galera nos últimos detalhes para se adaptar no kart."

RT: "Se na pista a satisfação é difícil de descrever, o mesmo acontece quando se caminha pela área dos boxes, cruzando e conversando com jornalistas, pilotos, mecânicos que só conhecíamos por revistas, internet, tv." 

'Andar na reta com o Barrichello'

GA: "Fizemos uma corrida de cabeça. Acho que foi uma grande experiência com esses pilotos. Tenho alguns amigos pilotos profissionais, peguei algumas dicas com eles. Mas com certeza é uma coisa muito diferente do kart amador. A corrida mais difícil que já corri. Todas as dificuldades que a gente teve com pneu, peguei meus dois stints com pneu usado, então tive muita dificuldade... Mas acho que no fim deu tudo certo e foi a melhor corrida que já fiz. E dividir a pista com grandes lendas: você está andando na reta e de repente vem o Barrichello na sua frente, o Massa te passa, então é uma sensação muito boa."

MC: "Ser piloto nas 500 Milhas foi uma experiência maravilhosa, uma experiência muito boa. Fiz uma perna de mais ou menos 70 voltas, com pneus novos. Foi um stint muito importante, porque a gente conseguiu colocar o kart rápido na pista, ganhar posições importantes, manter neste stint uma regularidade muito importante para a equipe no final da prova. E meus parceiros, meus colegas de pista, foram fundamentais. Todos guiaram como um ‘reloginho’ e foram extremamente competentes. E a sinergia dentro da equipe foi uma coisa que poucas vezes vi. Os estrategistas, pessoas engajadas, os amigos, foi muito, muito, muito bacana."

RT: "A corrida em si já tem um título imponente, lendário, pois nos traz à mente outras 500 Milhas famosas, como a de Indianápolis e a de Interlagos. Para amantes do esporte a motor, participar dessa corrida, as 500 Milhas da Granja Viana, é mais do que realizar um sonho. É estar no meio de pilotos consagrados, compartilhando curvas e retas, usufruindo do mesmo traçado, escorregando no mesmo asfalto. Como descrever a sensação de ultrapassar ou tomar uma passadão de karts conduzidos por capacetes famosos no mundo todo?"

A glória

MC:
"A experiência dentro e fora da pista foi inesquecível. E conquistar o pódio... Conseguimos um terceiro lugar na nossa categoria, foi muito bom. Troféu está aqui em casa, guardado com muito carinho. É algo que vou levar no coração para sempre."

GA: "Eu tenho certeza que esse ano eu quero estar lá novamente. Foi um grande prazer representar o GRANDE PRÊMIO."

RT: "Esse turbilhão de emoções que se iniciou nas etapas da Copa GP, ainda teve seu auge no final das 500 Milhas quando subimos ao pódio e pudemos erguer um troféu que muitos almejam, mas poucos, muito poucos conquistam. Toda a equipe, composta não apenas pelos pilotos, mas também por um pessoal que ajudou muito, antes e durante a prova, fazendo cálculos, elaborando e ajustando estratégias, controlando volta a volta a performance, acompanhando e torcendo pelo kart #44 , os profissionais do GRANDE PRÊMIO, todos podem exibir com orgulho o lindo troféu conquistado."



Últimas Notícias
sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018
F-E
Indy
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook