Endurance
12/06/2018 06:00

Alonso chega a Le Mans com missão de vencer. Mas tem de driblar retrospecto sombrio da Toyota

Fernando Alonso tem uma missão neste fim de semana. O espanhol vai ter a primeira chance de ganhar as 24 Horas de Le Mans, prova que faz parte de sua busca pessoal pela Tríplice Coroa. Mas, apesar do favoritismo, Sarthe é caprichosa, e a Toyota também precisa sair da sombra negra que a acompanha e que parece impedir qualquer sucesso dos japoneses em terras francesas
Warm Up
RODRIGO MATTAR, do Rio de Janeiro

Eram sessenta e três mil pessoas nas arquibancadas e demais dependências do circuito belga de Spa-Francorchamps e milhões no mundo inteiro – Brasil, inclusive – atentos ao que aconteceria na primeira prova da Super Season do Campeonato Mundial de Endurance, o WEC. Todos querendo saber como se sairia Fernando Alonso em sua estreia na competição e como piloto da Toyota.
 
E o asturiano não decepcionou. Venceu a corrida e quebrou um jejum de cinco anos sem subir ao topo do pódio, o que não acontecia há quase cinco anos. Em 12 de maio de 2013, quando ainda era piloto da Ferrari, Don Fernando conquistou até agora sua 31ª e última vitória na Fórmula 1. Desde então, o espanhol tem convivido com resultados muito abaixo do esperado para alguém que, como ele, foi bicampeão mundial.
 
Culpa do piloto? Talvez. Foi ele quem decidiu trocar a Ferrari pela McLaren, se reaproximando da equipe pela qual correu – e perdeu – o campeonato de 2007 para Kimi Räikkönen e Lewis Hamilton. Mas a McLaren, primeiro com Ron Dennis e depois sob a tutela de Zak Brown e Eric Boullier, também se perdeu por conta do acordo com a Honda, que foi péssimo para a imagem do piloto e da própria equipe, que não vence uma corrida sequer desde 2012. 
Trio do Toyota #8 venceu as 6h de Spa-Francorchamps (Foto: FIA WEC)
O acordo entre Honda e McLaren lhe impediu de realizar um sonho acalentado há algum tempo. A Porsche fez um sedutor convite ao piloto, mas os japoneses disseram “não”.  E assim o espanhol assistiu às 24h de Le Mans de 2015 no sofá de casa e viu Nico Hülkenberg não só correr no lugar que era seu como também levar o troféu de campeão para casa, na primeira vitória de um piloto em atividade na categoria máxima desde Yannick Dalmas nos anos 1990. “Me arrependi por muito tempo”, confessou.
 
Alonso hoje é um homem com uma missão. Igualar Graham Hill e se tornar o primeiro tríplice coroado da história do automobilismo em mais de 40 anos. Em comum com o “Mister Mônaco”, somente as vitórias no Principado. Fernando tentou a glória na última edição das 500 Milhas de Indianápolis, andou bem, liderou, mas foi traído pelo motor. Contudo, deixou uma impressão das mais positivas nos EUA, normalmente refratários à presença de pilotos de Fórmula 1.
 
Talvez por estar mais à vontade e com um bom carro nas mãos, Alonso estava de bem com a vida em maio do ano passado. Gil de Ferran, que trabalhou com o piloto como “coach”, dando dicas valiosas – afinal, o brasileiro tem o anel de vencedor da Indy 500 em 2003 e uma efígie no Troféu Borg-Warner – ficou simplesmente impressionado com o que viu. Como todos nós.
Fernando Alonso disputou as 500 Milhas de Indianápolis em 2017 (Foto: McLaren Indy)

Para Alonso, o WEC é até menos desafiante que ganhar as 500 Milhas de Indianápolis, por estar na única equipe de fábrica da classe LMP1 e competindo contra o outro carro da Toyota. Mas a montadora japonesa tem uma asa negra no seu recente currículo de 17 vitórias no Mundial, no qual está presente desde a recriação do campeonato em 2012.
 
Pois é: a marca nunca venceu as 24 Horas de Le Mans. Bateu na trave várias vezes e alguns vice-campeonatos na clássica prova francesa tiveram requintes de crueldade – em especial o de 2016, em que Kazuki Nakajima ficou parado em plena pista a menos de duas voltas para o final. Lembrou muito a clássica cena do pneu furado da Ferrari da personagem Lugo Abratte no filme “Le Mans”, estrelado por Steve McQueen. Só que muito pior.
 
É esse tabu que Alonso terá a obrigação de quebrar. E por duas vezes, já que a Super Season 2018/19, ajustando o calendário para um certame bienal do WEC, terá duas edições das 24h de Le Mans. Um desafio em dobro.
 
Voltando à prova de estreia, Fernando provou que, além de ter estrela e ser também a estrela da companhia, a sorte lhe acompanhou. Seu carro, partilhado com Sébastien Buemi e Kazuki Nakajima, partiu da pole position com a desclassificação do #7 de Kamui Kobayashi, Pechito López e Mike Conway por irregularidades no fluxo de combustível. 
 
A estratégia traçada pela equipe deixou claro que os holofotes estariam todos voltados para o espanhol. Buemi fez um único stint e permaneceu no cockpit por 34 voltas. Alonso assumiu e manteve a liderança, num ritmo de prova muito confortável, sempre virando abaixo de 2 minutos quando o tráfego lhe permitia. Fez um stint duplo e entregou a condução a Nakajima, que animou a corrida com um pit extra por cintos de segurança soltos e por rodar em La Source. Depois, Fernando reassumiu o cockpit e por lá ficou até o final.
 
Os números mostram que Alonso foi o piloto que mais voltas percorreu – 71 do total de 163 do carro vencedor. Mas que o espanhol também não foi o mais rápido de seu trio em sua melhor volta. Ele demorou onze passagens para marcar 1min58s507, apenas 0s021 pior que Kazuki Nakajima, que tem a seu favor o fato de ser integrante da equipe desde o início. Assim como Buemi, que em sete voltas apenas, ainda no início da disputa, marcou 1min57s805, a três décimos da melhor volta, obtida por Mike Conway.
Fernando Alonso foi o protagonista deste domingo de testes coletivos em Le Mans (Foto: Toyota)

Portanto, seria leviano achar que a Toyota venceu apenas porque tinha Alonso. Aliás, no WEC é costume apontarmos primeiro a equipe ou o construtor vitorioso em detrimento dos pilotos. Mas acabamos nos traindo e dando, nós mesmos da imprensa, um destaque muito maior ao espanhol do que ao trio como um todo. 
 
Nos traímos ao ‘esquecer’ que em provas de longa duração ganha um trio e não somente um único piloto. Portanto, se o espanhol ganhou no último sábado e quebrou uma incômoda escrita, ele tem muito que agradecer a Sébastien Buemi e Kazuki Nakajima. E para poder fazer parte de uma equipe assim, Alonso terá que aceitar que nem sempre será mais rápido que seus colegas.
 
Mas que, como estrela da companhia, não pode vacilar.

Últimas Notícias
terça-feira, 12 de junho de 2018
Endurance
Indy
Stock Car
Endurance
segunda-feira, 11 de junho de 2018
F1
Indy
Mitsubishi
Porsche GT3 Cup
F1
Copa Truck
F1
Indy
Copa Truck
F-E
F1
Galerias de Imagens
Facebook