Endurance
03/09/2017 21:40

Bernhard/Hartley/Bamber vence 6 Horas da Cidade do México em 1-2 da Porsche. Protagonista, Senna leva na LMP2

O domínio da Porsche em relação aos rivais da Toyota foi simplesmente tremendo durante as 6 Horas da Cidade do México, na tarde e noite deste domingo (3). Nem pareciam carros da mesma classe, o que fez com que os carros #2 e #1 saíssem um à caça do outro pela vitória. E o #1, não fosse por Neel Jani, não se aproximaria muito no fim. Chegou, mas não ameaçou o trio #2, que é cada vez mais líder
Warm Up / Redação GP,  do Rio de Janeiro
 porsche

Na temporada de despedida do Mundial de Endurance, a Porsche dominou completamente as 6 Horas da Cidade do México, disputadas na tarde e noite deste domingo (3) na capital mexicana. Com total comando da etapa, os trios #1 e #2 conquistaram uma dobradinha sem jamais sofrerem qualquer ameaça da Toyota. No fim, a vitória ficou com o919 Hybrid #2 de Brendon Hartley, Earl Bamber e Timo Bernhard, que largaram na pole.
 
Os dois trios da Porsche travaram uma batalha bem próxima. Os dois carros chegaram separados por apenas 7s, mas em grande parte graças às habilidades de Neel Jani. O membro do trio #1 assumiu a máquina atual campeã mundial após Nick Tandy pagar um drive-through por acelerar no pit-lane — naquele momento, mais de 30s chegaram a separar ambos. 
 
Apenas esta punição e um problema no marcador de combustível foram as pedras no caminho da Porsche. Fora isso, Bernhard teve a oportunidade de guiar o trecho final da prova para ganhar a bandeira quadriculada e confirmara a vitória do #2.
 
Muito frágil no traçado do Hermanos Rodríguez com problemas sobretudo de downforce, a Toyota que teve melhor desempenho foi com o protótipo TS050 Hybrid #8, levado ao terceiro lugar por Sébastien Buemi. O #7, de Kamui Kobayashi, Mike Conway e José María López, se viu fora da volta do líder após pouco mais da metade da etapa.
A vitória da Porsche no México (Foto: Porsche)
Rebellion mostra a que veio, enfim
 
Quando a Rebellion mudou da LMP1 para a P2, existia grande expectativa de que era para ser campeã. Não que a situação deles seja ruim, longe disso, mas a primeira vitória ainda não tinha pintado. Até este domingo. Com o trio formado por Bruno Senna, Nicolas Prost e Julien Canal, a esquadra anglo-suíça chegou à vitória. 
 
E o dono da grande exibição do dia foi exatamente Senna, que assumiu o #31 na terceira colocação, pulou para a ponta logo no começo e aí abriu ampla vantagem de mais de 30s. Prost e Canal precisaram apenas administrar em quase todo o restante da corrida.
A vitória da Rebellion na LMP2 (Foto: Rebellion)

O momento em que o #31 perdeu a ponta foi causado pela imensa velocidade de Ben Hanley, na rápida Manor. O próprio Bruno rodou na tentativa de alcançá-lo. Mas, quando Hanley parou uma última vez no pit-lane, Senna retomou a liderança e não abriu mão dela novamente.
 
A velocidade de Hanley, parte do trio que também tem Jean-Éric Vergne e Matt Rao, atrapalhou-o no fim. Uma rodada o fez perder o segundo posto para a Signatech Alpine guiada por Nicolas Lapierre, Gustavo Menezes e André Negrão. O conjunto #13 da Rebellion, formado por Nelsinho Piquet, Mathias Beche e o dinamarquês David Heinemeier-Hansson, fechou em quinto lugar na categoria, apenas uma volta atrás da tripulação vencedora.
A Rebellion de Bruno Senna e Nico Prost venceu (Foto: Rebellion)
Aston Martin ainda luta
 
Ainda tentando se segurar na disputa pelo título da classe GTE-Pro, a dupla da Aston Martin formada por Marco Sorensen e Nicki Thiim travou uma apertada disputa com a Ferrari de Sam Bird e Davide Rigon durante boa parte da corrida.
 
No fim das contas, a Ferrari fez um pit-stop menos e Rigon completou a prova 8s à frente de Thiim. Com um porém: havia recebido uma punição de 10s de acréscimo ao tempo final da corrida por acelerar acima do limite permitido durante uma bandeira amarela de pista inteira. Assim, portanto, a vitória ficou com Sorensen/Thiim por 9s.
 
A briga entre os dois foi tão fora do prumo com relação ao resto do pelotão que a dupla terceiro colocada, formada por Frederic Makowiecki e Richard Lietz, da Porsche, estava uma volta atrás. Já Daniel Serra, vencedor das 24 Horas de Le Mans ao lado de Jonny Adam e Darren Turner, com Aston Martin, disputou a prova, mas o resultado oficial reporta o trio do Vantage #97 como não-classificado.
 
Na GTE-Am, a disputa apertada pela liderança agora tem ao menos um trio isolado no primeiro lugar: aquele formado por Christian Ried, Marvin Dienst e Matteo Cairoli, da Dempsey-Proton, que terminaram uma volta à frente de Pedro Lamy, Mathias Lauda e Paul Dalla Lana.
ALONSO COLHE O QUE PLANTA E FICA SEM NOVAS ALTERNATIVAS NA F1 PARA 2018