Endurance
19/06/2016 13:00

Em desfecho cruel, Toyota quebra a seis minutos do final e entrega vitória para Porsche nas 24 Horas de Le Mans

A vitória da Toyota era certa. Na quinta tentativa desde o retorno a Le Mans, os japoneses finalmente iam conquistar a primeira vitória. Mas a sequência de derrotas doídas ficou ainda mais cruel quando o carro de Sébastien Buemi, Anthony Davidson e Kazuki Nakajima quebrou a seis minutos do fim. A vitória ficou para a Porsche com Neel Jani, Romain Dumas e Marc Lieb, e o brasileiro Lucas Di Grassi acabou com o último lugar no pódio
Warm Up
RENAN DO COUTO, de São Paulo


  

Le Mans é cruel. É a prova mais difícil do mundo. Ela exige do equipamento e do piloto como poucas outras competições esportivas no planeta fazem. Mentalmente, o desgaste é quase desumano.
 
Agora imagine só como é uma equipe que sonha há décadas com a primeira vitória nas 24 Horas de Le Mans liderar até seu carro quebrar a seis minutos do final — em uma corrida que dura exatamente um dia.
 
Foi exatamente o que aconteceu neste domingo (19). Kazuki Nakajima levava o TS050 para casa tranquilamente após um pit-stop extra da Porsche com o carro #2. Faltavam duas voltas. Nem isso. Uma volta e meia. E o #5 quebrou.
 
A Porsche mal podia acreditar. Neel Jani, que dividiu um 919 com Romain Dumas e Marc Lieb, passou por ele e foi receber a bandeirada em primeiro lugar para dar à montadora alemã a 18ª vitória em Sarthe, a segunda consecutiva.
Nakajima é amparado após descer do carro. A frustração foi maior do que ele conseguia suportar (Foto: Getty Images)

Depois de parar na reta dos boxes, Nakajima ainda conseguiu fazer o carro funcionar outra vez e contornou os últimos 13,6 km para chegar em segundo lugar. Certo? Não. A princípio, a direção de prova deu o #5 como 'não classificado'. O regulamento diz que os carros precisam terminar a prova até seis minutos após o vencedor, e 11 se passaram até o TS050 voltar. O segundo posto ficou para Stéphane Sarrazin, Kamui Kobayashi e Mike Conway, e o brasileiro Lucas Di Grassi subiu para o último lugar do pódio com Loïc Duval e Oliver Jarvis.
A Porsche é a maior vencedora das 24 Horas de Le Mans: esta foi a 18ª vitória na classificação geral, e a segunda desde que a marca voltou à LMP1 em 2013 (Foto: Porsche)
A história do automobilismo tem diversas passagens que foram cruéis com os envolvidos em situações semelhantes. Não é a primeira, tampouco a última, que alguém vai perder uma vitória certa nos últimos metros. Para citar um caso recente, JR Hildebrand nas 500 Milhas de Indianápolis. A dor que toda a Toyota sente neste momento, que sentem Nakajima, Anthony Davidson e Sébastien Buemi, é impossível de se descrever. Literalmente impossível, como disse o britânico. Kazuki, coitado, sentou no chão entre os carros se lamentando e tendo de ouvir, ao fundo, a festa alemã.

Essa é uma corrida cruel. O pior de tudo? Será preciso esperar um ano para enfrentar novamente o tamanho trauma.

A 84ª edição das 24 Horas de Le Mans seria um dos 'clássicos' da prova pelo modo que se deu a disputa pela vitória. Mas o mais famoso clichê do automobilismo faz com que ela se torne simplesmente inesquecível: corridas são corridas, e só acabam na bandeirada.



A primeira parte da prova

A chuva fez com que, pela primeira vez na história, as 24 Horas de Le Mans começassem com o safety-car na pista. Foram 52 minutos andando atrás do carro de segurança até que a bandeira verde enfim baixasse e “liberasse os monstros”.
A largada em Le Mans foi dada debaixo de chuva e com o safety-car (Foto: Audi)

           

Com a pista secando, a prova começou a se desenhar de maneira bem interessante. A Porsche não tinha um bom ritmo e rapidamente foi alcançada tanto pela Toyota, quanto pela Audi. Mike Conway assumiu a liderança e Loïc Duval partiu para ser terceiro. As três montadoras nas três primeiras posições. Podia ter coisa melhor?
 
O desenrolar da disputa foi mostrando, contudo, que o ritmo dos quatrargólicos não era bom o bastante. A Porsche era a mais rápida, enquanto a Toyota era a única a conseguir fazer 14 voltas por stint. Aos poucos, elas foram abrindo.

Na sexta hora, a Toyota tomou as rédeas da corrida depois de enfim fazer valer as voltas extras a cada stint e também de contar com uma dose de sorte. Kamui Kobayashi foi para o box logo depois de uma zona de desaceleração surgir atrás dele. Na saída, o veteraníssimo Stéphane Sarrazin, que acabara de assumir o #6, via o protótipo do trio campeão mundial de 2015 (Brendon Hartley, Mark Webber e Timo Bernhard) apenas pelo retrovisor.
O Toyota #6 liderou boa parte da corrida (Foto: Toyota)

  

Foi este trio que seguiu na perseguição ao #6 até o início da nona hora da corrida. O golpe veio na forma de um problema na bateria, e foram mais de 20 minutos nos boxes. Por sorte, um safety-car colaborou. A segunda intervenção da corrida, para que pedaços de carro fossem retirados da pista, diminuiu o ritmo do pelotão enquanto o 919 #1 era consertado. Tudo para Hartley sair dos boxes e ver o motor praticamente apagar em plena Mulsanne. Foi uma longa volta de retorno aos boxes. E dolorosa: era o fim das esperanças. A propósito, a Porsche foi a Le Mans com as baterias de 2015 após problemas nas 6 Horas de Spa com a versão de 2016.

Na sequência, a opção da Toyota por parar o #6 com bandeira verde para fugir do tráfego permitiu a aproximação tanto do Porsche #2 quanto do TS050 #5. Um stint quádruplo de Neel Jani com o mesmo jogo de pneus foi fundamental para recolocar o #2 na briga pela liderança. Assim o palco ficou pronto para o que viria na segunda parte da prova.

Os problemas da Audi

As chances do #7 começaram a ir por água abaixo ainda nos primeiros minutos, quando o turbo precisou ser trocado. Fora isso, nos primeiros três quartos da corrida, houve uma outra questão: a Audi não tinha velocidade. Era como se estivesse no papel da Toyota de 2015, mera coadjuvante. Enquanto as melhores voltas dos rivais chegavam a 31min21s, os R18 viravam apenas 3min23s.

Na fase intermediária da prova, os dois carros ainda tiveram de parar devido a problemas com os painéis laterais e com furos de pneus que vieram bem fora de hora. Resutado: o #8 perdeu duas voltas; o #7 caiu para 12 de desvantagem e virou cobaia, sendo modificado várias vezes para que se ensaiassem possíveis mudanças a serem feitas no protótipo de Di Grassi, Duval e Jarvis.
Quando o sol se pôs, a Audi não estava tão bem. Quando ele nasceu no outro dia, o cenário estava mudando (Foto: Audi)
A reação só foi ser esboçada com sete horas para o final, quando Di Grassi e Duval conseguiram pisar fundo e atingir tempos competitivos em relação aos líderes. Em meio aos safety-car e às slow-zones que se sucederam no amanhecer francês, uma volta foi recuperada. A qualquer momento, havia a chance de o #8 cair novamente na volta do líder, e, aí, o macacão da Audi é daqueles que entorta varal.

Uma prova do WEC

As 24 Horas de Le Mans chegaram às seis horas finais com a disputa completamente aberta entre as três montadoras da LMP1. Como gostam de dizer no futebol hoje em dia, a Toyota tinha 'vantagem numérica na zona da bola', com seus dois carros inteiros na batalha contra apenas um de Porsche e Audi.

Este, inclusive, foi um fator que pesou contra os japoneses nos últimos anos: os alemães sempre iam a Sarthe com três máquinas. Neste ano, as duas reduziram a operação para dois carros por causa do 'dieselgate', o escândalo de fraude em testes de emissão de carbono que estourou dentro do Grupo Volkswagen.

Mesmo assim, com os pit-stops intercalados em termos de trocas de pilotos e de pneus, a Porsche por vezes tomava a dianteira. E se a autonomia da Toyota era melhor, o 919 ocasionalmente fazia 14 voltas em um stint ou, então, partia para quatro stints com o mesmo jogo de pneus.
O Porsche de Dumas, Jani e Lieb (Foto: Porsche)
A Audi pediu água a 4h18min do fim, quando Jarvis de repente ficou devagar no meio da pista e foi calmamente retornando para os boxes. Era o eixo dianteiro, e foram perdidos praticamente 40 minutos.

Para o #6, a necessidade de parar para consertar problemas na carenagem custou quatro voltas. Para os últimos 150 minutos das 24 horas, virou um mano a mano: Buemi/Davidson/Nakajima contra Jani/Dumas/Lieb.

E o #5 tranquilamente tomou conta da corrida. Davidson entregou o carro para o japonês Nakajima levar a montadora que tanto apostou em sua carreira à glória em Le Mans. Até que, a seis minutos do fim, em meio à reta Mulsanne, o carro apareceu lento. Mesmo pisando até o talo no acelerador, Nakajima estava a menos de 200 km/h. A vantagem de um minuto se esvaiu com a parada na reta dos boxes, na abertura da última volta. Jani chegou, passou e contornou a volta final para vencer.


Nessa hora, vale muito lembrar do tuíte publicado pela Toyota a meia hora do fim da corrida, que valeria para a vitória e que vale ainda mais para o desastre que ocorreu.

Neel Jani recebe a bandeirada que deu à Porsche a vitória nas 24 Horas de Le Mans (Foto: Getty Images)
Nelsinho Piquet: com a Rebellion enfrentando problemas de embreagem desde o início, a prova do brasileiro foi bem difícil. Ainda na primeira hora o carro #12 foi aos boxes, e foi preciso fazer paradas longas mais vezes ao longo da disputa. Ainda assim, o trio de Nelsinho com Nicolas Prost e Nick Heidfeld faturou a vitória entre as equipes independentes.

LMP2: com um trio bem acima da média da categoria, a Signatech Alpine simplesmente dominou com o carro #36. Nicolas Lapierre, que já foi da Toyota na LMP1, Stéphane Richelmi e Gustavo Menezes, jovem de 21 anos, assumiram a ponta bem antes de a metade da prova ser alcançada. Nas 12 horas finais, sequer foram ameaçados: apenas viram rivais eliminados por diversos incidentes. Pierre Thiriet, por exemplo, perdeu a segunda posição ao bater sozinho na curva Mulsanne. Depois disso, mais ninguém chegou perto.

Os brasileiros tiveram atuações discretas. Ozz Negri e Bruno Senna terminaram em nono e décimo na LMP2, respectivamente, Pipo Derani foi o 16º colocado.


PADDOCK GP #33 ANALISA GP DO CANADÁ E FAZ PRÉVIA DO GP DA EUROPA



Últimas Notícias
domingo, 24 de junho de 2018
F1
Indy
Indy
F1
Indy
F1
F1
F3
Indy
F1
F1
F1
F1
F1
Indy
Galerias de Imagens
Facebook