Endurance
16/02/2018 05:15

WEC inova e promete punição para equipes privadas da classe LMP1 que tiverem rendimento melhor que Toyota

A nova temporada do WEC terá uma novidade e tanto: carros privados da classe LMP1, não híbridos, serão punidos se tiverem rendimento superior aos híbridos da Toyota. O sistema de penalização será anunciado em breve
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 A largada das 6 Horas de Fuji (Foto: Audi Sport)

A 'Super Temporada' do WEC terá uma novidade um tanto quanto incomum com relação àquilo que normalmente se vê num ambiente de competição: o impedimento de que uns vençam os outros. De acordo com o diretor-esportivo da ACO, promotora do Mundial de Endurance, o campeonato irá punir os carros de equipes privadas da classe LMP1 que andarem mais rápido que as máquinas híbridas da Toyota.
 
Em entrevista concedida à revista inglesa 'Autosport', Vincent Beaumesnil falou que a consideração da ACO é simples: a Tecnologia de Equivalência formulada pelo WEC prevê que carros não híbridos são incapazes de se equipararem ao rendimento de carros híbridos, agora utilizados apenas pela Toyota. Portanto, se uma anomalia como essa for percebida, uma punição será dada.
 
"Haverá um sistema de penalização, do qual revelaremos detalhes em breve, para o caso de um carro não híbrido ser mais veloz que um híbrido", apontou o diretor.
 
"A razão para um carro não híbrido andar mais rápido [que um híbrido] pode ser apenas o fato de que não recebemos as informações corretas. O que estamos dizendo é que demos a chance [das equipes] terem um certo nível de desempenho - se você está acima disso, nos enganou", afirmou.
A novidade do WEC (Foto: Audi Sport)

O regulamento da temporada 2018/19 realmente mostra que o sistema punitivo é legal. "Todos os competidores e fábricas que nos derem informações erradas deliberadamente ou que apresentem um nível de performance maior que o esperado podem ser penalizados antes, durante ou depois das corridas", encerrou.
 
O sistema de punição ainda não foi divulgado, está apenas prometido para ser apresentado em breve. A única coisa que Beaumesnil afirmou é que se trata de um mecanismo "esperto e que não irá atrapalhar as corridas".
 
A nova temporada do WEC terá dez carros na classe LMP1, um aumento de 50% em relação ao ano passado. Destes dez carros, oito são de equipes privadas e dois da Toyota - um deles, claro, com a presença de Fernando Alonso.