F1
29/04/2018 14:00

Confira declarações dos pilotos após GP do Azerbaijão, quarta etapa da temporada 2018 da F1

Em uma corrida cheia de reviravoltas, Lewis Hamilton foi agraciado pela sorte e venceu o GP do Azerbaijão deste domingo (29). 2s460 atrás, Kimi Räikkönen ficou com o segundo lugar, com Sergio Pérez aparecendo para completar o pódio
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Lewis Hamilton (Foto: Wolfgang Wilhelm/Mercedes)

Lewis Hamilton saiu vencedor de uma prova cheia de reviravoltas no Azerbaijão. Neste domingo (29), Sebastian Vettel e Valtteri Bottas chegaram a ‘estar com um pé no topo do pódio’, mas um acidente entre a dupla da Red Bull, um erro de Romain Grosjean e, por um último um furo de pneu para o #77, acabaram jogando o triunfo no colo do britânico.
 
Brindado pela sorte, Hamilton cruzou a linha de chegada em Baku com 2s460 de vantagem para Kimi Räikkönen, o segundo colocado, com Sergio Pérez ocupando o terceiro posto.
Lewis Hamilton é o novo líder da F1 (Foto: AFP)
Líder do campeonato após o GP da China, Vettel ainda tentou uma última cartada com uma ultrapassagem na curva um, mas errou e acabou apenas em quarto, à frente de Carlos Sainz Jr.
 

Eleito ‘piloto do dia’ em uma votação no site da F1, Charles Leclerc foi o sexto, seguido por Fernando Alonso, Lance Stroll, Stoffel Vandoorne e Brendon Hartley.
 
Marcus Ericsson, Pierre Gasly e Kevin Magnussen foram os últimos que receberam a bandeirada. Bottas, Grosjean, Max Verstappen, Daniel Ricciardo, Nico Hülkenberg, Esteban Ocon e Sergey Sirotkin não completaram a disputa.
 
Confira as declarações dos pilotos:
 
 
 
 
Carlos Sainz ficou bem feliz com a atuação em Baku (Foto: Renault)
Carlos Sainz Jr., quinto: “Se vocês desfrutaram, imagina eu, que me via ali lutando por pódio. Nós aproveitamos todas as oportunidades e a Force India nos venceu, pois tem um carro melhor aqui, um mapa de motor e uma potência... só ver como Checo passou Vettel... esse motor Mercedes empurra muito. Eu larguei bem, fizemos o que tínhamos de fazer, atacar com o ultra no início e manter depois. A verdade é que foi um pouco decepcionante depois de rodar quase em terceiro, no pódio, mais tarde se ver em décimo e ter de remontar outra vez, mas era uma problema de estratégia, tinha de ser muito agressivo no início, e foi isso que fizemos. A verdade é que merecemos esse lugar e o bom é que, se podemos fazer um quinto lugar com o carro com o qual ainda não estou de tudo contente, isso quer dizer que pode chegar algo ainda muito melhor”.
 

 
 
Lance Stroll, oitavo: “Foi uma corrida louca. Muita coisa aconteceu. Eu estou bem feliz com a corrida. Talvez tivesse mais uma ou duas posições se tivéssemos feito tudo perfeitamente, mas ninguém teve uma corrida perfeita hoje. Na batalha com Fernando no fim, acho que eu podia ter segurado-o, mas ele me surpreendeu na curva três. Eu realmente não o vi indo por dento e ele conseguiu passar, mas foi, provavelmente, a única coisinha que perdemos hoje. O vento estava forte. Podia sentir o carro sendo empurrado um pouco, então foi, definitivamente, notável. No todo, estou feliz com a oitava posição para o time. Não podemos assumir que esse ritmo vai continuar em Barcelona, temos de entender nossos problemas e continuar trabalhando, mas é isso que estamos fazendo”.
 
Stoffel Vandoorne, nono: “Que tarde louca. A corrida normalmente é doida, e vimos isso hoje. No meio da prova, acho que eu estava em último e tinha zero chance de fazer trabalho. Mas o safety-car saiu e fiz uma boa aposta em colocar novos pneus enquanto os outros estavam sofrendo para aquecer suas borrachas. Estar atrás, naquele ponto, não era necessariamente uma coisa ruim. Na relargada me senti confiante, consegui ultrapassar alguns carros e me coloquei nos pontos. Ainda não temos velocidade de reta, o que significa que sofri para atacar e defender na corrida, então temos algum trabalho a ser feito. Estou satisfeito que conseguimos alguns pontos neste final de semana".
 
Brendon Hartley, décimo: “Foi uma corrida interessante! Do meu ponto de vista, mantive tudo limpo, mas nós realmente não tínhamos o ritmo hoje para brigar no pelotão intermediário. Nas áreas em que precisávamos ultrapassar, nós simplesmente não conseguíamos chegar perto o bastante. Teve muito drama ao meu redor, mas eu consegui ficar fora disso e levar para casa meus primeiros pontos no Mundial de F1, o que é ótimo! Para mim, foi importante chegar ao fim da corrida, especialmente depois de ontem! Acho que às vezes durante a corrida o ritmo foi ok, mas, com os pneus ultramacios no fim, não senti que podia brigar com os carros à frente. Eu teria amado atacar um pouco mais, mas vamos ficar felizes com o ponto no placar... Vou levar esse momento para a próxima corrida”. 
Romain Grosjean ficou arrasado com a batida no fim do GP (Foto: Haas)
Marcus Ericsson, 11º: "Foi uma corrida difícil para mim. Estive envolvido em um acidente no início da corrida e tive algum dano no carro. Depois disso, tive dificuldade para manter tudo no lugar, e dei tudo para acompanhar meus competidores diretos. No fim, foi bom controlar para terminar em 11º. Como time, nós pontuamos pela segunda vez na temporada, o que é motivador, e nosso potencial está ficando mais claro a cada fim de semana. Agora nós temos de manter o bom trabalho. Estou ansioso pelo próximo fim de semana de corrida em Barcelona”.

Pierre Gasly, 12º: “Tive uma largada realmente boa. De 17º, eu consegui entrar no top-10 na primeira volta, mas, depois disso, foi realmente difícil manter minha posição. Eu não podia fazer muita coisa para manter os carros atrás de mim nas retas e fui ultrapassado por alguns. Então foi difícil! Depois da última relargada, tive um incidente com Magnussen, onde ele me jogou no muro, quebrando metade do meu assoalho, meu retrovisor e dobrando minha direção. Por causa disso, foi uma corrida bem frustrante, porque com todos os abandonos e sem a colisão, eu poderia ter pontuado”.

Kevin Magnussen, 13º: “Obviamente, as coisas não estão acontecendo do nosso jeito no momento. Nós ainda temos um carro que tem uma boa performance, então estou ansioso pelo resto da temporada. Nós temos um carro competitivo com o qual podemos pontuar, e em uma base regular se tivermos fins de semana tranquilos. Tenho certeza de que ficaremos bem. Foi só um início duro de temporada, especialmente quando você vê o potencial do carro. É ainda mais frustrante. Vamos dar a volta por cima. No geral, foi só um fim de semana difícil”.
 

Romain Grosjean, NC: “Isso dói demais e eu quero me desculpar com o time. Nós estávamos no meio de uma corrida incrível, largando em último e rodando na sexta posição. Ver Pérez no pódio, sabendo que eu estava lutando com ele, é muito doloroso para todos nós. Estava correndo muito bem. As condições eram complicadas, tinha muito vento, o carro ia da esquerda para a direita, empurrando e não. Eu estava aquecendo os meus pneus e aí esbarrei em um botão que tinha mudado por duas posições. Quando toquei os freios, o balanço dos freios estava travado atrás ― eu só travei as rodas traseiras e rodei”.
 
 
Charles Leclerc pontuou pela primeira vez na F1 (Foto: Sauber)
Nico Hülkenberg, NC: “Aqui é selvagem e muito louco já que é tão apertado. Nós começamos bem, mas eu perdi a traseira na saída da curva quatro e isso realmente acabou com a minha corrida. A traseira travou na entrada daquela curva, o vento era difícil e não precisou de muita coisa para me tirar. É uma infelicidade, mas é assim que é às vezes. Vamos olhar para a Espanha”.
 
 
Sergey Sirotkin, NC: “As primeiras curvas foram uma bagunça. Eu estava entre dois carros indo para a curva três e fui simplesmente, lenta e progressivamente, espremido entre dois carros, já que estava no meio. Em determinado ponto, vi que não evitaria a batida, então tirei o pé, esperando que fosse me espremer, mas não me atingir tanto assim, mas aí já não tinha mais nada que eu pudesse fazer. Nós nos tocamos, meu carro pulou e, quando pousei, quebrei a suspensão dianteira e minha asa. Eu realmente lamento por isso, já que era uma corrida bem longa, mas eu entendo que todos querem ganhar posições na largada, o que é importante. É uma pena em uma corrida em tais condições. Parar o carro em tais condições não foi a melhor sensação. Esse foi o melhor fim de semana para nós até aqui e tenho certeza que podia ter tirado alguns pontos dele”.
 
O Mundial de F1 volta em duas semanas, no dia 13 de maio, com o GP da Espanha. Lewis Hamilton foi quem venceu a corrida no Circuito da Catalunha no ano passado. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL.
 

MELHOR DA HISTÓRIA?

FORMA INCRÍVEL DE MÁRQUEZ LEVANTA DEBATE NO PADDOCK GP