F1
14/12/2017 10:50

Diretor da Williams já fala com saudade de “cara fantástico” Massa e lamenta por “negar a ele a vitória em Baku”

Paddy Lowe teve a chance de trabalhar com Felipe Massa mesmo nesta temporada, quando chegou à Williams para assumir o posto de diretor-técnico. O britânico exaltou o caráter do agora ex-piloto de F1, bem como sua atitude para lidar com o jovem Lance Stroll. O engenheiro só lamentou mesmo a falha na suspensão do carro de Massa no GP do Azerbaijão, que acabou o levando a abandonar a prova: “Venceríamos aquela corrida, absolutamente”
Warm Up
Redação GP, de Sumaré

Felipe Massa deixou a Williams e se foi definitivamente da F1 como piloto, mas parece ter deixado saudades. Antes de confirmar sua aposentadoria da categoria, o brasileiro afirmou que “quem entende de corridas” apoiava sua permanência no time de Grove. O fato é que Paddy Lowe, que chegou nesta temporada para assumir como diretor-técnico, destacou o caráter e a atitude de Felipe tanto como piloto como membro da equipe, sendo elemento importante na adaptação de Lance Stroll à F1. Lowe só lamentou a falha que resultou no abandono de Massa do GP do Azerbaijão, onde o veterano tinha clara chance de vencer.
 
O engenheiro nascido em Nairóbi, mas de nacionalidade britânica, ainda tem as lembranças daquela insana corrida na memória. 
 
“Depois de Baku, que foi uma corrida bem fora da curva, muitas pessoas vieram até mim e disseram que poderíamos ter vencido essa corrida. Analisei e realmente não concordei com a maioria, mas definitivamente concordei sobre o cenário do Felipe”, disse.
Felipe Massa perdeu a grande chance de vencer no seu ano de despedida da F1 em Baku (Foto: AFP)
“Se não tivéssemos abandonado a prova com uma falha no carro, venceríamos aquela corrida, absolutamente. É uma pena que, no seu último ano, nós negamos a ele essa vitória. Todo mundo ficou chateado com isso, mas essa às vezes essa é a história do automobilismo”, lastimou. A vitória naquela prova acabou, de forma igualmente inesperada, com Daniel Ricciardo. E Lance Stroll teve seu melhor resultado do ano ao terminar em terceiro — após ter sido superado na linha de chegada por Valtteri Bottas.
 
Favoritos, Sebastian Vettel e Lewis Hamilton se envolveram em uma ‘briga de trânsito’. E mesmo Sergio Pérez, que estava em terceiro, foi tocado por Esteban Ocon em uma das relargadas, sendo outro a perder a chance de subir no topo do pódio.
 
Embora as lembranças da frustração pela perda de uma vitória certa em Baku ainda estejam vivas na memória, o que fica no coração de Lowe é a maneira como passou a encarar Massa. Se de longe o engenheiro via o brasileiro como um grande caráter, a sua impressão depois de ter trabalhado por um ano inteiro junto a Felipe é ainda melhor.
 

“Obviamente eu o vi por alguma distância por muitos anos e admirei sua pilotagem, particularmente em 2008, quando ele foi um grande rival para Lewis. Eu estava na McLaren naquele tempo e, como sabemos, ele foi por um breve momento campeão do mundo. Ele é um piloto da classe dos campeões mundiais e foi ótimo trabalhar com ele neste ano e também conhecê-lo como pessoa. Ele é um cara fantástico”, destacou.
 
“Não existe ninguém no paddock que não seja amigo de Felipe. Ele é muito divertido para trabalhar porque está sempre feliz, e não é esse o caso com todos os pilotos. Ele é um piloto sólido e confiável, exatamente o que precisávamos, em particular, com um novato do outro lado da garagem. Ele deu um apoio enorme para Lance, dando-lhe muita orientação ao longo do caminho, o que o faz ser admirado e respeitado”, complementou Paddy Lowe.
EM BUSCA DO SONHO DA F1

PIETRO FITTIPALDI REVELA QUE NEGOCIOU COM A SAUBER PARA 2018


Últimas Notícias
sexta-feira, 19 de janeiro de 2018
Rali
Rali
Copa Grande Prêmio
MotoGP
Rali
Outras
MotoGP
F1
F1
F1
F-E
F1
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook