F1
15/01/2015 11:13

Ecclestone confirma que GP da Alemanha será disputado em Hockenheim na temporada 2015 da F1

Bernie Ecclestone confirmou nesta quinta-feira (15) que o GP da Alemanha de 2015 será realizado mesmo em Hockenheim e não mais em Nürburgring. A prova acontece em 29 de julho
Warm Up / Redação GP, de Curitiba
 Rosberg e Bottas puxam a fila após o acidente da primeira volta (Foto: Getty Images)
A pista de Hockenheim vai sediar o GP da Alemanha desta temporada no lugar de Nürburgring, confirmou Bernie Ecclestone, nesta quinta-feira (15). A decisão altera o sistema de revezamento entre as duas pistas que ocorre no caso da etapa alemã da F1.

"Vai ser em Hockenheim. Nós estamos no meio das negociações com eles. Não há como fazer a prova em Nürburgring, porque não há ninguém lá", afirmou Ecclestone em declaração à agência de notícias 'Reuters'.

Um dos mais antigos circuitos da Alemanha recebeu a corrida no ano passado, dentro desse acordo de alternar com o autódromo de Nürburgring, que está agora sob nova administração. Nesta semana, inclusive, um porta-voz do circuito próximo a Colônia revelou que não havia ainda um contrato com a F1 para a corrida de 19 de julho.
O GP da Alemanha será em Hockenheim neste ano (Foto: Beto Issa)
“Ainda estamos esperando por um feedback e um contrato, então, no momento, não posso dizer se teremos uma corrida de F1 em Nürburgring neste ano”, informou o assessor do circuito.

Já o homem forte do Mundial descartou mesmo um acordo com a pista. "Nós temos um contrato em vigor com Hockenheim,só temos de mudar os anos do acordo. Estava sendo alternado com Nürburgring, então agora apenas temos de ajustar isso", acrescentou o inglês.

O GP da Alemanha acontece com um revezamento entre Hockenheim e Nürburgring desde 2008, com ambas as pistas sem condições de bancar corridas anualmente — até 2006, cada uma recebia uma prova por ano.

A pista de Nürburgring foi colocada à venda pelo governo do estado alemão de Renânia-Palatinado em 2013, e o novo dono do autódromo, o grupo de investimentos Capricorn, foi atrás da F1 para reestruturar o contrato, mas não houve sucesso.
NADA DE CONSERVADORISMO 

Diretor de competições da Pirelli, Paul Hembery entende que as estratégias de pneus nesta temporada podem se mostrar muito mais agressivas do que em 2014. A fabricante italiana não está fazendo nenhuma mudança drástica em seus compostos, apenas o pneu traseiro foi aperfeiçoado, especialmente no que diz respeito à distribuição da temperatura, que será maior agora. A ideia é melhorar o desempenho em corrida e tornar a borracha mais consistente.
 
Além disso, o composto supermacio também sofreu pequenas alterações para aumentar a "escala de trabalho", na tentativa de aumentar a possibilidade de outras táticas. Por isso, Hembery crê que 2015 será uma "evolução e não mais uma revolução" no que diz respeito à performance dos compostos.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO. 
UM ANO MAIS

Bicampeão da MotoGP e longe da categoria desde 2012, quando anunciou a precoce aposentadoria, Casey Storner renovou seu vínculo com a Honda para continuar o trabalho de desenvolvimento das motos da marca japonesa no Mundial em 2015.
 
Como piloto de testes, o australiano vai realizar ainda mais dois treinos com a fabricante nesta temporada. A primeira bateria de treinos vai acontecer em Sepang, na Malásia, entre os dias 29 e 31 de janeiro, enquanto a segunda sessão está marcada para o decorrer do campeonato, mas sem data estabelecida ainda.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
EXPECTATIVA SEMPRE ALTA

Perto de estrear na F1, Felipe Nasr admitiu que a expectativa já é bastante elevada para a primeira temporada no Mundial, especialmente por ser um piloto brasileiro. O brasiliense de 22 anos justifica a cobrança devido ao histórico vitorioso do país na principal categoria do automobilismo mundial, que teve dois tricampeões, Ayrton Senna e Nelson Piquet, além de Emerson Fittipaldi, que obteve dois títulos no início dos anos 70. Nasr também citou o sucesso do ex-colega da Williams, Felipe Massa, que chegou a disputa a taça com Lewis Hamilton em 2008.
 
Depois de terminar a GP2 em terceiro no ano passado e atuar como reserva na equipe de Grove, Nasr assinou contrato com a Sauber e já reconhece que o fato de apenas estar na F1 não significa sucesso garantido.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.