F1
17/10/2017 05:00

GP Recomenda: cinco bons motivos para não se perder o GP dos EUA 2017

Depois da rodada asiática da temporada, a F1 agora voa para a América do Norte. E a primeira parada é nos EUA, para a etapa no Circuito das Américas, em Austin, no Texas. Lá, Lewis Hamilton terá a primeira chance de fechar o campeonato. Por isso, o GRANDE PRÊMIO lista agora os cinco motivos para não perder a corrida norte-americana
Warm Up
EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
1. A PRIMEIRA CHANCE
 
Com 59 pontos de vantagem para Sebastian Vettel na liderança do Mundial, Lewis Hamilton tem, em Austin, a primeira chance de fechar o campeonato. O inglês de 32 anos alcançou tamanha diferença tirando proveito também de uma fase errática vivida pelo tetracampeão, que abandonou duas das últimas três etapas da temporada. Agora, o ferrarista de um milagre para voltar a brigar pelo título.
 
Isso porque a Hamilton basta a vitória no Circuito das Américas e um sexo lugar ou algo pior de Vettel. É essa a combinação vencedora para o britânico, que, inclusive, já celebrou um título no traçado norte-americano. Em 2015, quando brigou pelo Mundial como o então companheiro de equipe, Nico Rosberg, Lewis precisava de pouco para assegurar o tricampeonato e, com o triunfo, levou a taça no Texas.
 
2. MERCEDES PERTO DO TETRA
 
Se Lewis Hamilton já está bem perto de se tornar tetracampeão, a Mercedes está ainda mais. Novamente, a equipe alemã se mostrou mais eficiente do que as rivais e, mesmo com um início de campeonato irregular, conseguiu somar mais pontos que a Ferrari. Na segunda parte da temporada, a esquadra que tem como chefe Toto Wolff foi ainda melhor, vencendo quatro das cinco últimas corridas. Também contando com os azares dos adversários italianos, o time de Brackley chega a Austin com uma enorme vantagem.
 
Na tabela da classificação, a diferença é de 145 pontos entre a líder Mercedes e a vice-líder Ferrari. Isso quer dizer que se Hamilton e Valtteri Bottas conseguirem somar 27 pontos a mais que os dois pilotos ferraristas, a marca da estrela de três pontos vai sair campeã – ou melhor tetracampeã dos EUA. O título viria com três provas de antecedência.
Só dá Mercedes em Austin (Foto: Mercedes)
3. AS ESTREIAS
 

O grid da F1 terá novidades. A primeira delas é a mudança de equipe de Carlos Sainz. O espanhol, que vinha defendendo a Toro Rosso desde sua estreia na F1, em 2015, foi contratado pela Renault para a temporada que vem, mas a montadora francesa decidiu antecipar sua chegada e o chamou para substituir Jolyon Palmer a partir do GP dos EUA. Essa já é uma grande chance para o piloto de 23 anos conhecer a nova equipe e conduzir a adaptação ao carro preto e amarelo. E será interessante também acompanhar a convivência com Nico Hülkenberg, que está no time desde o início do ano.
 
A outra estreia é a de Brendon Hartley. A excêntrica escolha da Toro Rosso deu o que falar, porque o jovem neozelandês sequer estava nos planos para uma eventual substituição. Mas, mesmo assim, a Red Bull chamou o vencedor das 24h de Le Mans para o lugar de Pierre Gasly, que optou por disputar a final da Super Formula no Japão. O piloto terá a seu lado na garagem o russo Danill Kvyat, que volta ao cockpit do carro de Faenza neste fim de semana, depois de ter perdido lugar para Gasly em Suzuka.
Brendon Hartley vai disputar o GP dos EUA pela Toro Rosso (Foto: Red Bull Content Pool)
4. O GP DE CASA DA F1
 

Em janeiro deste ano, a F1 foi totalmente adquirida pelo Liberty Media. O grupo norte-americano, liderado por Chase Carey, vem desde então promovendo sensíveis mudanças na maior das categorias, tendo como prioridade a aproximação dos fãs com o Mundial, além de atrair mais jovens para as arquibancadas, iniciativa improvável nos tempos de Bernie Ecclestone.
 
E essa é a primeira vez que a F1 vai correr nos EUA sob a batuta de Carey e cia. Já são muitos os exemplos das alterações promovidas pelo grupo, como o super evento em Londres, em julho, a maior liberdade para vídeos e diversas iniciativas junto aos torcedores. E, em Austin, o Mundial também vai se colocar na campanha do Outubro Rosa. A ação faz parte de uma campanha liderada pela F1, que vai colaborar com a ONG mundial Susan G. Komen, referência global em prevenção e combate ao câncer de mama, para arrecadar fundos e impulsionar a conscientização a respeito da doença.
 
5. TEMPO, TEMPO, TEMPO
 
A chuva vem sendo um dos elementos de destaque nesta segunda fase da temporada. E a intempérie pode novamente se fazer presente e determinar o rumo da disputa em Austin. Isso porque diversas agências de meteorologia apontam para uma grande probabilidade de chuva para o fim de semana da F1.
 
Na sexta-feira, dia dos primeiros treinos livres, há uma chance de 50% de precipitação para a tarde na capital do Texas. A previsão, na verdade, fala em tempestade. No sábado de classificação, chuva também deve aparecer à tarde. E em pancadas fortes. Já no domingo da corrida, há uma possibilidade de 80% de tempestade para a manhã. 
’EXTRAORDINÁRIO’

DI GRASSI VÊ HAMILTON COMO UM DOS TRÊS MAIORES DA HISTÓRIA
 

Últimas Notícias
domingo, 18 de fevereiro de 2018
Nascar
F1
MotoGP
MotoGP
Nascar
MotoGP
Endurance
Rali
F1
MotoGP
MotoGP
sábado, 17 de fevereiro de 2018
Rali
MotoGP
MotoGP
F1
Galerias de Imagens
Facebook