F1
28/02/2017 08:50

Hamilton ignora rivais e lidera com folga manhã do dia 2 em Barcelona. McLaren volta a ter problema de motor

Lewis Hamilton não deu muita atenção à concorrência e desfilou a força do W08 – que apareceu com uma ‘dupla asa-T’ – na manhã desta terça-feira (28) em Barcelona. Rodando perto da marca registrada no primeiro dia de atividades em Montmeló, o britânico fechou a primeira parte da sessão com 1min20s983, muito à frente de Kimi Räikkönen, o segundo colocado. Esteban Ocon, da Force India, completou o top-3. E a McLaren teve nova dor de cabeça com o motor Honda
Warm Up, de Barcelona / JULIANA TESSER,  de São Paulo
 Lewis Hamilton (Foto: Twitter/Autosport)
 
As regras do jogo mudaram, mas a Mercedes permanece como a dona da bola na F1. Na manhã desta terça-feira (28), Lewis Hamilton não deu chances à concorrência e manteve o W08 no topo da tabela de tempos com uma vantagem considerável.
 
Depois de passar a maior parte da sessão no comando da folha de tempos, o #44 aproveitou os 20 minutos finais para calçar a Mercedes com os pneus supermacios, cravar 1min20s963 e fechar a manhã de testes em Montmeló com 1s868 de margem para Kimi Räikkönen, o segundo colocado. 
Lewis Hamilton foi o mais rápido nesta manhã em Barcelona (Foto: Twitter/Soy Motor)
Por conta de um problema com o sistema de escape que também afetou o trabalho de Sergio Pérez na segunda-feira, Esteban Ocon tardou a entrar na pista, mas nem por isso deixou de mostrar ritmo e assegurar o terceiro posto na tabela, já 2s082 mais lento que o líder.

Com cerca de 15 minutos para o fim da sessão, Ocon parou na curva 9 de Montmeló, forçando a paralisação em bandeira vermelha. A Force India aguarda o retorno do carro aos boxes para investigar o problema.
 
Enquanto os ponteiros aproveitaram um dia razoavelmente tranquilo, nos boxes da McLaren o clima era outro. Depois de um primeiro dia atrapalhado por problemas de motor, o time de Woking voltou a sofrer com o Honda, que teve perda de potência. 
 
A escuderia inglesa decidiu trocar o motor, enquanto a fábrica nipônica segue em busca das causas da falha.
 

O V6 turbo, aliás, não deu problema só na McLaren. A Sauber também teve dificuldades com seu propulsor Ferrari e Antonio Giovinazzi, que substitui o lesionado Pascal Wehrlein, sequer conseguiu marcar tempo nesta manhã.

Por conta da interrupção do treino nos instantes finais em bandeira vermelha, a F1 deu mais cinco minutos aos pilotos, e Kevin Magnussen não perdeu a oportunidade. O dinamarquês cravou 1min23s200 e tomou de Max Verstappen o quarto lugar. A Renault perdeu um pouco de tempo de pista para instalar no carro algumas peças que chegaram ao longo da noite.
 
Na Toro Rosso, Daniil Kvyat registrou 1min25s459 na melhor de suas 44 voltas e ficou em sexto, com Lance Stroll aparecendo na sequência. 
 
Apesar dos problemas que atrapalharam a McLaren, Stoffel Vandoorne conseguiu completar 29 voltas — mais do Fernando Alonso fez no primeiro dia com o MCL32 —, mas ficou na oitava colocação, o último entre os pilotos de cravaram tempo.
 
Saiba como foi a manhã do segundo dia de testes de pré-temporada da F1 2017:
 

A terça-feira (28) amanheceu com temperaturas baixas e céu encoberto. No início dos testes, os termômetros apontavam 11°C, com o asfalto chegando a 12°C. A umidade relativa do ar estava em 66%.
 
Como tradicionalmente acontece, o ‘elenco’ do teste sofreu uma grande modificação para este segundo dia. Na Red Bull, sai Daniel Ricciardo e entra Max Verstappen. Na Ferrari, Kimi Räikkönen assume o volante do SF70H. Stoffel Vandoorne pega as rédeas na McLaren, com Jolyon Palmer representando a Renault e Daniil Kvyat a Toro Rosso. Substituindo o lesionado Pascal Wehrlein, Antonio Giovinazzi guia a Sauber, enquanto Lance Stroll testa pela Williams. Na Haas, Kevin Magnussen segue no carro, com a Mercedes mantendo a divisão entre Lewis Hamilton e Valtteri Bottas.
 
Às 9h (5h de Brasília), a bandeira verde foi acionada em Montmeló dando início aos trabalhos. Sem muita demora, Räikkönen foi o primeiro a entrar na pista, seguido por Stroll, Giovinazzi, Magnussen e Vandoorne. Aos poucos, mais e mais pilotos foram se juntando à atividade.
 
Tal qual aconteceu na segunda-feira, a McLaren voltou a ter problemas. Apenas sete minutos depois do início da sessão, Vandoorne parou na ponta do pit-lane e teve de ser empurrado de volta para os boxes. Pouco mais de 20 minutos depois, o companheiro de Fernando Alonso voltou à pista.
Com Vandoorne, a Honda conseguiu rodar bem mais do que no primeiro dia (Foto: Reprodução)
Líder do primeiro dia, Hamilton começou a terça-feira cravando 1min36s079, mas logo foi baixando sua marca sequencialmente. Neste segundo dia da primeira bateria de testes, a Mercedes foi para a pista com uma versão modificada da nova asa em ‘T’.
 

Com pouco mais de meia hora de sessão, Hamilton, de pneus macios, era o único a ter marcado tempo — 1min26s834. Instantes mais tarde, Stroll, de médios, registrou 1min28s946.

Na sequência, Stroll anotou 1min26s450 e assumiu a liderança, melhorando sua marca nas duas voltas seguintes e se afastando 0s794 de Hamilton.
 
Lance, porém, não conseguiu manter a boa série. Depois de 11 voltas, o estreante rodou na curva 9 e motivou uma breve bandeira vermelha, mas a sessão logo foi retomada. O jovem canadense fez um intenso programa de preparação, mas ainda está se adaptando à F1.
 
Em seguida foi a vez de Verstappen cravar sua marca. Com pneus macios, o piloto da Red Bull anotou 1min25s626 e assumiu o comando da sessão.
 
Passada a primeira hora de testes, Verstappen liderava a sessão, 1s246 à frente de Stroll. Hamilton e Kvyat completavam a lista de pilotos com tempos registrados nesta manhã.
 
De pneus médios, Räikkönen passou em 1min23s718 e colocou a Ferrari no topo da tabela, com Hamilton, de macios, virando 0s308 mais lento para ser segundo.
 
Minutos mais tarde, Hamilton cravou 1min21s766 e saltou para a liderança, já exibindo uma marca 0s001 mais lenta do que aquela que lhe rendeu a liderança na segunda. Vandoorne marcou tempo na sequência e deixou apenas Ocon, Magnussen, Palmer e Giovinazzi sem registros neste início de manhã. Quase 2h após o início deste segundo dia de testes, a Force India liberou Ocon para entrar na pista, mas o piloto fez apenas uma volta de instalação antes de voltar aos boxes.


Ao fim das duas primeiras horas da sessão, Hamilton tinha o topo da tabela, 1s593 à frente de Räikkönen, o segundo colocado. Verstappen vinha em terceiro, com Stroll, Kvyat e Vandoorne completando a lista de seis pilotos que tinham marcado tempo.
 

De volta à pista, Ocon cravou 1min23s488 e saltou para a quarta colocação. O jovem piloto da Force India usava pneus macios.
 
Ainda rodando com pneus médios, Räikkönen melhorou sua marca e conseguiu reduzir para 1s065 a vantagem de Hamilton, que já tinha ultrapassado as 40 voltas nesta manhã.
 
Na contramão de Mercedes e Ferrari, a Sauber sofria com problemas de motor. O time suíço teve de trocar a unidade, deixando Giovinazzi com apenas duas voltas e sem tempo no placar.

Após três horas de sessão, Hamilton seguia confortável no topo da tabela, à frente de Räiikönen. Agora era Ocon quem aparecia em terceiro, escoltado por Verstappen, Magnussen, Kvyat, Stroll e Vandoorne.
Kimi Räikkönen deixou a Ferrari no segundo posto da tabela (Foto: Twitter/F1)
Depois de uma certa calmaria, Hamilton voltou para a pista com o W08 calçado com pneus macios e começou a flertar com uma melhora em suas marcas. Verstappen também tinha os compostos amarelos e foi mais rápido, mas não o bastante para sair da quarta colocação. Seguindo a tendência de pneus, Magnussen apertou o passo.
 
Insistente, Lewis continuou apertando o passo até cravar 1min20s963, superando em mais de 1s o tempo da pole do ano passado. Neste momento, o #44 calçava pneus supermacios.

Logo em seguida, a sessão foi paralisada em bandeira vermelha. Era Ocon que estava parado na curva dez de Montmeló.

Por conta da interrupção, a F1 decidiu dar mais cinco minutos aos pilotos. A bandeira verde foi acionada às 9h02 (de Brasília) e Jolyon Palmer não perdeu tempo, deixando os boxes logo de cara. Giovinazzi também aproveitou o tempo extra, assim como Hamilton e Verstappen.

Magnussen, no entanto, foi o único a fazer uso do treino prolongado. O dinamarquês anotou 1min23s200 e roubou de Verstappen a quarta colocação.
 
O GRANDE PRÊMIO acompanha ‘in loco’ a primeira sessão de pré-temporada em Barcelona com os repórteres Thiago Arantes e Evelyn Guimarães e o fotógrafo Arnau Puig. Acompanhe AO VIVO e em TEMPO REAL.
 
F1, Barcelona, testes coletivos, dia 2, manhã:

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 1:20.963   66
2 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI 1:22.831 +1.868 47
3 31 ESTABAN OCON FRA FORCE INDIA MERCEDES 1:23.045 +2.082 27
4 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN HAAS FERRARI 1:23.200 +2.237 35
5 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER 1:23.212 +2.249 30
6 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO RENAULT 1:25.459 +4.496 44
7 18 LANCE STROLL CAN WILLIAMS MERCEDES 1:26.040 +5.077 12
8 2 STOFFEL VANDOORNE BEL McLAREN HONDA 1:26.201 +5.238 29
9 36 ANTONIO GIOVINAZZI ITA SAUBER FERRARI     2

Os pneus são...
ultramacios | supermacios | macios | médios | duros

PADDOCK GP #66 RECEBE LUCAS DI GRASSI, DEBATE F-E E NOVOS CARROS DA F1