F1
15/06/2015 11:55

Lauda segue Räikkönen, pede F1 mais “arriscada” e alerta contra medidas artificiais: “Pior coisa que você pode fazer”

Niki Lauda acompanhou Kimi Räikkönen e avaliou que a F1 precisa de mudanças que a tornem mais arriscada. Presidente não-executivo da Mercedes alertou, entretanto, que medidas artificiais devem ficar longe do esporte
Warm Up
Redação GP, de São Paulo
 Presidente não-executivo da Mercedes, Niki Lauda avaliou que Kimi Räikkönen tem razão ao dizer que a F1 deveria ser “mais perigosa”.

O campeão de 2007 defendeu que o Mundial precisa encontrar um caminho para ser mais interessante. "Quando eu entrei na F1, era mais animado para todo mundo. Era o topo mesmo, faz muito tempo. Nós esperaríamos que os carros fossem mais rápidos e mais animadores, mas entram as mudanças de regras... Eles tentam deixá-la mais lenta", disse Kimi em entrevista à rede de TV Canal+, da França.

"Estou certo de que algo tem de ser feito para tornar tudo mais animador para as pessoas assistirem e também de ver a questão velocidade, além de tornar as coisas mais perigosas. É parte do jogo. Não queremos que alguém se machuque, mas precisamos animar", completou o campeão de 2007.
 
Lauda, tricampeão da categoria, ponderou que hoje a F1 é muito controlada, com regras excessivas, e concordou com o titular da Ferrari, mesmo ressaltando que escolheria a palavra “arriscada” ao invés de “perigosa”.
Niki Lauda avaliou que a F1 deve fugir de medidas artificiais para aumentar competitividade (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
“Não estou dizendo que deveríamos negligenciar a segurança”, disse Lauda ao diário germânico ‘Bild’. “Se os carros fossem mais rápidos, a emoção para os pilotos e espectadores aumentaria automaticamente”, defendeu.
 
Além disso, Niki afirmou que gostaria de ver o grid cheio de “homens de verdade, não jovens brincando com botões no volante”.
 
 Na visão de Lauda, a F1 precisa de “pilotos com as mais altas habilidades de pilotagem e, enfatizo, habilidade de pilotagem”. “Você não pode voltar o relógio, mas o piloto deveria voltar a ter o carro nas mãos, não como temos hoje, onde ele está apenas apertando botões", falou.
 
Por fim, Lauda ressaltou que, em um momento em que a F1 debate mudanças no regulamento de 2017, é preciso levar em conta que o esporte deve resistir aos recursos artificiais.
 
“Qualquer tipo de manipulação é a pior coisa que você pode fazer por um esporte”, avaliou. “Isso não deve acontecer.”
 
Falando ao canal alemão Sky, Gerhard Berger concordou com Lauda e comentou que a F1 de hoje é muito difícil e que o público deveria apenas “ligar a TV e entender”.
 
“Zona de DRS um, zona de DRS dois — isso tudo é muito complicado”, disse Berger. “Nós precisamos ter um esporte a motor no qual o piloto é o principal fator determinante. Não a tecnologia que, na pior das hipóteses ninguém entende”, concluiu.

Últimas Notícias
domingo, 24 de junho de 2018
F1
Indy
Indy
F1
Indy
F1
F1
F3
Indy
F1
F1
F1
F1
F1
Indy
Galerias de Imagens
Facebook