F1
13/05/2018 09:16

Pilotos criticam “mudança desnecessária” de regulamento para 2019 na F1. E Vettel resume: “É cômico”

Sem entender a velocidade de aprovação das mudanças, os pilotos se mostram pouco favoráveis às medidas tomadas a respeito da aerodinâmica dos carros de 2019. Para pilotos como Sebastian Vettel e Lewis Hamilton, não há necessidade de mudanças antes do regulamento de 2021
Warm Up / Redação GP, de São José dos Campos
 Kevin Magnussen (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

Os pilotos da F1 têm demonstrado, durante todo o fim de semana, insatisfação com as mudanças aerodinâmicas previstas para 2019. As medidas visam aumento de ultrapassagens e diminuição na sensibilidade em relação à turbulência, demandas observadas logo após o GP da Austrália, e já foram estabelecidas pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo) após votações encerradas no dia 30 de abril.
 
Sebastian Vettel, durante a entrevista coletiva depois da classificação para o GP da Espanha, disse que as medidas chegam a ser cômicas, e que não fazem sentido. Não pela finalidade, mas pelo histórico recente de modificações e pela mudança de regulamento para 2021 que também se aproxima. 
 
"Eu acho isso um pouco cômico. Em 2009, fomos: 'vamos com menos aerodinâmica e melhores corridas', e assim por diante. Acho que isso não mudou muito. Então nós dissemos: 'Os carros são muito lentos, vamos colocar mais aerodinâmica e torná-los mais largos, mais espetaculares'. E agora queremos torná-los mais lentos novamente. É um pouco como cruzar para a América e mudar de direção 100 vezes”, afirmou o tetracampeão. 
Lewis Hamilton e Sebastian Vettel criticaram as mudanças para 2019 (Foto: Beto Issa)

Outros pilotos também demonstraram não entender exatamente porque as mudanças foram discutidas em caráter emergencial. "Queremos ultrapassar as fronteiras e os limites. Uma das coisas mais empolgantes deste ano é que estamos quebrando recordes. É incrível a tecnologia que temos e o que estamos fazendo com isso. Deveríamos ser, pelo menos, tão rápidos quanto este ano, apenas melhorando as corridas", afirmou Lewis Hamilton, se referindo à redução de velocidade dos bólidos, que se dará na casa de 1s5.
 
Kevin Magnussen chegou a afirmar que não estava ciente das modificações até este fim de semana e cita a disputa que a temporada ganhou nas primeiras etapas como exemplo de que é possível esperar.
 
“É desnecessário mudar as regras para o próximo ano. Parece algo que pode não ter o efeito que você esperava. Estão tomando um novo conceito de asa dianteira com apenas dois anos para mudar para um carro novo. As últimas três corridas foram fantásticas, então por que não deixar assim [até as regras de 2021 serem redefinidas] e usar os três anos para fazer isso corretamente?", pontuou o dinamarquês. 
 
O senso comum entre o grid está na necessidade de alteração das regras, mas no fato de não serem necessárias para o ano que vem, já que 2021 contará com um novo regulamento de qualquer forma. Os pilotos concordam também que deveriam ter mais parte sobre as decisões na discussão do aumento de ultrapassagens, porque são eles quem, de fato, sentem o carro na pista.
 
"Eu acho que deveriam nos perguntar o que precisamos para ultrapassar. Não quer dizer que sabemos tudo, não fazemos nada sobre a engenharia do carro, mas sabemos como os carros se sentem, como dirigir os carros e suas limitações para ultrapassar, mas não somos realmente perguntados”, encerrou Vettel.
 
CAMINHO PARA VIRAR LENDA

TRÍPLICE COROA É O QUE SOBROU PARA CARREIRA DE ALONSO