F1
03/12/2017 07:16

Presidente nega blefe e diz que ameaça da Ferrari de deixar F1 é séria, mas avisa: “Temos tempo para encontrar solução”

Presidente da Ferrari, Sergio Marchionne negou que a escuderia de Maranello esteja blefando quando diz que pode abandonar a F1. Dirigente não gostou do regulamento de motores proposto para 2021
Warm Up
Redação GP, de São Paulo

Presidente da Ferrari, Sergio Marchionne assegurou que a ameaça de abandonar a F1 não é um blefe. O dirigente não esconde sua insatisfação com o regulamento de motores proposto para 2021.
 
No sábado (2), durante um evento de lançamento da parceria entre Sauber e Alfa Romeo, Marchionne afirmou que a ameaça da Ferrari é “séria”, mas destacou que os mandatários do esporte já estão conversando em busca de um acordo.
Presidente da Ferrari reforçou ameaça de deixar F1 (Foto: Getty Images)

“O diálogo já começou e vai continuar a evoluir”, disse Marchionne. “Nós temos tempo até 2020 para encontrar uma solução que beneficie a Ferrari. A ameaça da Ferrari de deixar a F1 é séria. O acordo com a Sauber expira em 2020-2021, junto quando a Ferrari poderia sair”, seguiu.
 
“Nós temos de encontrar uma solução que seja boa para o esporte, mas também temos de ser claros em relação as coisas em que não podemos recuar”, frisou.
 
Única equipe a ter disputado todas as temporadas da F1 desde a criação do certame em 1950, a Ferrari é também a escuderia mais bem sucedida, com 16 títulos de Construtores e 15 do Mundial de Pilotos.
 
Vivendo uma seca de títulos desde a conquista de Kimi Räikkönen em 2007, a Ferrari foi a primeira a manifestar seu descontentamento com a proposta para o futuro dos motores, mas ganhou a companhia da Mercedes e Renault, que tampouco gostaram do rumo proposto por Ross Brawn, diretor-esportivo da F1.
 
Com o objetivo de tornar as unidades motrizes mais baratas e acessíveis, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) apresentou no fim de outubro a nova era de motores da F1. Depois de muito debate, a opção foi seguir com o V6 turbo, com a remoção do MGU-H e o aumento de rotações em 3000 mil rpm ― saltando dos cerca de 15000 atuais para 18000 rpm.
FIM DE UMA GERAÇÃO

GIAFFONE: “BRASIL TEVE SORTE POR TER PILOTOS POR TANTO TEMPO NA F1”


Últimas Notícias
domingo, 22 de abril de 2018
Mitsubishi
MotoGP
MotoGP
MotoGP
Indy
MotoGP
MotoGP
Indy
MotoGP
Indy
Stock Car
MotoGP
Indy
Stock Car
Superbike
Galerias de Imagens
Facebook