F1
21/06/2018 16:52

Vettel minimiza introdução de novo motor da Mercedes na França e aposta: “Estarão fortes independente de qualquer coisa”

Sebastian Vettel fez suas apostas para o GP da França deste final de semana. O alemão afirmou que não acredita que a Mercedes pode apresentar uma mudança enorme em sua unidade de potência que vá influenciar na briga pela ponta, mas reconheceu que a adversária alemã vai estar forte independente de qualquer coisa
Warm Up / Redação GP,  de São Paulo
 Lewis Hamilton (Foto: AFP)
Com o GP da França já virando a esquina, Sebastian Vettel aproveitou para fazer suas apostas para a prova do final de semana. Olhando para a Mercedes, o tetracampeão admitiu que ficaria surpreso caso a adversária tivesse um grande progresso com a atualização do motor.
 
A equipe alemã havia programado introduzir os novos propulsores para a prova no Canadá. No entanto, por questões problemas de qualidade, decidiu adiar a decisão. Então, a expectativa é que apareçam agora, em Paul Ricard.
 
Mas o #5 desacredita que a nova unidade de potência do time terá tanto impacto na briga na ponta do pelotão. “Caso você olhe para as unidades de potência, claro que não temos tantas chances de apresentar novos motores, e mesmo que tivéssemos, não é fácil fazer um grande progresso. Então eu ficaria surpreso se tivesse um impacto tão profundo”, falou.
Sebastian Vettel (Foto: Ferrari)
“Eu não posso falar por eles e não sei quão grande foi o passo dado, ou quão grande será. Caso seja muita potência, então pode fazer diferença, caso não, então não acho que fará diferença”, completou.
 
Vettel, no entanto, apontou que a dupla Lewis Hamilton e Valtteri Bottas estará forte independente da introdução do novo motor, ressaltando o fato de que existem corridas em que algumas equipes se saem melhores que outras. “Acredito que eles estarão fortes independente de qualquer coisa, e como disse antes, algumas corridas e alguns traçados se encaixam melhor por algumas razões e outros não”, disse.
 
“Por exemplo, a vantagem que eles tiveram em Barcelona, se eles mantiverem aquele motor, com a vantagem que apresentaram naquela corrida, nós podemos colocar o máximo de potência, muito downforce e nosso carro ainda teria menos ritmo comparado ao deles”, continuou.
 
“Agora, é tudo no carro? No motor? Eu não acho. Acredito que é uma combinação de coisas. Lá eles tiveram um ótimo final de semana e todos estavam um pouco atrás. Outros finais de semana foram de outra maneira, então teremos que ver como vai ser nesta semana e então nas próximas”, encerrou.