F1
19/06/2017 18:53

Williams estuda deixar parceria com Mercedes e ser nova equipe de fábrica da Honda em 2018

Um novo fato tende a chacoalhar a F1 na próxima temporada. O jornal suíço 'Blick' informou nesta segunda-feira (19) que o divórcio entre McLaren e Honda tem uma terceira parte envolvida: a Williams. É a equipe inglesa quem estuda assumir o papel de time principal da montadora japonesa, revivendo uma aliança que deu a Nelson Piquet seu terceiro título em 1987
Warm Up
Redação GP, de São Paulo

A Honda parece já estar se organizando para superar o provável fim da parceria com a McLaren. Se os britânicos devem voltar a trabalhar com a Mercedes em 2018, a fornecedora japonesa pode ter a Williams como nova equipe de fábrica na próxima temporada. Segundo o jornal suíço 'Blick', o time de Grove estuda retomar a parceria que rendeu a Nelson Piquet seu terceiro título em 1987.

A Honda tem, assim como era no caso da McLaren, uma boa história com a Williams. Os britânicos passaram a usar os motores japoneses no final da temporada 1983 e venceram dois títulos de construtores em 1986 e 1987, quando a parceria chegou ao fim. 
A Williams pode voltar a ter motores Honda em 2018 (Foto: Williams)

Se a Honda busca se reencontrar na F1 e acumula fracassos desde o retorno ao lado da McLaren em 2015, a Williams também procura retomar o caminho das glórias. Depois de boas temporadas impulsionadas pela força do motor Mercedes em 2014 e 2015, o time caiu muito e, neste ano, está atrás até da Toro Rosso no Mundial de Construtores.

É bem verdade, porém, que a situação da Williams era bem pior antes do início da parceria com a Mercedes. Com a Renault, os britânicos não passaram de um oitavo lugar geral em 2012, enquanto com a Cosworth, o melhor resultado foi o sexto no Mundial de Construtores de 2010.

Antes disso, a Williams viveu três anos de muita instabilidade com a Toyota, perdendo força depois de um promissor quarto lugar na temporada de estreia da parceria em 2007. Na década, o único momento em que a Williams foi melhor do que na atual fase foi com a BMW, quando foi vice-campeã em 2002 e 2003 e viu Juan Pablo Montoya brigar por título no Mundial de Pilotos.

Ao lado da McLaren, a Honda vive uma situação muito pior. O time de Woking é o único que ainda não pontuou em 2017 e, repleto de problemas de confiabilidade, já tem quatro tentos de atraso para a Sauber, que parecia fadada ao papel de lanterninha da temporada.

Na semana do GP do Canadá, a fala de Zak Brown, chefe da McLaren, teve tom de ultimato: a equipe chegou a seu limite e não aguenta mais tanta quebra e falta de velocidade no propulsor da montadora japonesa. Fernando Alonso foi categórico: se não vencer até setembro, deixa a McLaren. E já tem quem garanta que o divórcio entre McLaren e Honda esteja consumado.
O CANADÁ É PARA HAMILTON O QUE MÔNACO FOI PARA SENNA?


Últimas Notícias
domingo, 21 de janeiro de 2018
Indy
F1
Rali
Rali
F1
sábado, 20 de janeiro de 2018
Rali
Rali
Rali
Rali
Rali
Rali
Rali
Nascar
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook