MotoGP
18/06/2018 11:35

Diretor-executivo da Ducati diz que Lorenzo demorou para se explicar a engenheiros e admite: “Faltou paciência”

Diretor-executivo da Ducati, Claudio Domenicali afirmou que Jorge Lorenzo precisou de muito tempo para explicar aos engenheiros do time suas necessidades. Dirigente reconheceu que falou paciência de ambas as partes
Warm Up / Redação GP,  de São Paulo
 Jorge Lorenzo (Foto: Michelin)

Diretor-executivo da Ducati, Claudio Domenicali avaliou que “faltou paciência” na relação com Jorge Lorenzo. E de ambas as partes.
 
O dirigente é apontado como o principal responsável pela saída de Lorenzo do time, já que fez inúmeras criticas ao #99 nos dias e semanas que antecederam o acerto do piloto com a Honda.
 
No domingo (17), após Lorenzo conquistar sua segunda vitória consecutiva na temporada 2018 da MotoGP, Domenicali reconheceu que a situação poderia ser diferente se os triunfos tivessem acontecido antes e lembrou até mesmo da passagem de Valentino Rossi pelo time.
Claudio Domenicali (dir.) acredita que faltou paciência na relação com Lorenzo (Foto: Ducati)
“A situação seria diferente da que temos agora, mas o tempo, às vezes, é tudo na vida. Seja quando você compra ou vende ações ou quando toma decisões”, disse Domenicali. “Com Valentino, embora já tenha passado muito tempo, não conseguimos fechar o circulo. Isso sempre ficou faltando, que um grande campeão tenha deixado sua marca, então, para nós, tem muito valor que tenhamos entendido hoje como ajudar a Jorge. Um pouquinho também foi feito por ele”, reconheceu.
 
Com Lorenzo agora a 49 pontos de Marc Márquez na classificação da MotoGP, Domenicali segue sonhando com o título.
 
“No comunicado de imprensa em que dissemos adeus a Jorge, que foi escrito há algum tempo, escrevi que com ele lutávamos pelo Mundial. Agora penso isso ainda mais”, contou. “Estamos a 49 pontos, muitos, mas ainda restam 12 corridas. Digamos que, certamente, nos divertiremos”, garantiu.
 
Depois das muitas críticas, a relação entre Domenicali e Lorenzo não é das melhores. No domingo, Lorenzo brincou com quase todos os integrantes da Ducati ao chegar no parque fechado, mas não cumprimentou o chefe do time.
 
Domenicali fez uma espécie de mea-culpa, mas considerou que faltou paciência dos dois lados.
 
“Em Mugello, quando me entrevistaram depois da corrida, eu disse que nada estava decidido. Dez minutos depois, ele disse que já tinha decidido. Acho que faltou paciência. É uma pena”, lamentou Domenicali. “Mas não estou irritado, estou feliz porque ele venceu hoje com a nossa moto”, seguiu.
 
“As peças que demos a Jorge são o resultado de muito trabalho. As que o ajudaram foram as últimas de muitas que vieram antes. Ele precisou de muito tempo para explicar bem as engenheiros qual era o elemento mais claro”, avaliou. “Desde o primeiro dia, Gigi Dall’Igna quis muito ajudar Jorge. Gigi, mais do que ninguém, quis ter Jorge na equipe, mas as soluções nem sempre o ajudaram. Era preciso um pouco mais de paciência”, ponderou. 
 
Por fim, Claudio assegurou que Lorenzo terá o apoio total da escuderia de Borgo Panigale até a corrida de Valência, a última da temporada.
 
“Nós vamos trabalhar ao máximo. Dei a ele minha palavra de honra de que ele terá a melhor moto possível até 2 horas da tarde da corrida de Valência”, assegurou. 

CHOQUE DE REALIDADE

F1 TEM CAMPEONATO BOM DE CORRIDAS MONÓTONAS EM 2018