Rali
02/11/2016 10:07

Dominante desde 2013, Volkswagen oficializa saída do Mundial de Rali ao fim da temporada

A Volkswagen confirmou a saída do Mundial de Rali ao fim da temporada 2016. Seguindo os passos da montadora irmã Audi, a marca de Wolfsburgo vai deixar o WRC depois de vencer 42 vitórias desde que 2013 e dominou este período com quatro títulos do Mundial de Pilotos, com Sébastien Ogier, e outros quatro do Mundial de Construtores
Warm Up / Redação GP,  de Sumaré
 Sébastien Ogier venceu mais uma etapa no Mundial de Rali (Foto: Volkswagen)
Está decidido. A Volkswagen vai mesmo deixar o grid do Mundial de Rali de forma oficia ao fim da temporada 2016. A despedida da marca mais vitoriosa da década no WRC vai acontecer no Rali da Austrália, entre 17 e 20 de novembro, e a partir de então seus três pilotos terão de procurar espaço para permanecer na categoria no ano que vem. Pelas mãos de Sébastien Ogier e do seu navegador, Julien Ingrassia, a equipe baseada em  Hannover conquistou nada menos que quatro títulos mundiais. Desde 2013, a marca faturou 42 vitórias e o tetracampeonato mundial de rali de pilotos e dos construtores.
 
A saída da Volkswagen deixa o futuro de seus pilotos e também dos navegadores em aberto. Em 2017, a grande novidade do WRC é o retorno da Toyota, enquanto a Citroën também volta ao grid de forma oficial. A Hyundai permanece como time de fábrica, enquanto a Ford segue no Mundial de Rali como fornecedora de carros para equipes clientes, as independentes.
 
Além de Ogier, Jari-Matti Latvala e Andreas Mikkesen, que são pilotos da Volkswagen até o fim da temporada, terão de buscar novos rumos para suas respectivas carreiras. A marca alemã justificou sua decisão, já adiantada pela revista britânica ‘Autosport’, para focar seus esforços no desenvolvimento de carros para clientes. A Volkswagen deve voltar ao rali em 2018, mas não de forma oficial, desenvolvendo a nova versão do Polo com base na especificação R5, que se destina aos carros do WRC2.
É o fim: a Volkswagen encerra em 2016 seu ciclo no Mundial de Rali (Foto: Reprodução)
Contudo, o Polo R WRC construído e desenvolvido para a próxima temporada do WRC não será usado. Assim, a Volkswagen segue os passos da montadora irmã Audi e deixa uma competição em que brilhou. As duas marcas fazem parte do grupo VAG, que enfrenta o escândalo do ‘Dieselgate’ e terá de desembolsar multa bilionária em razão da adulteração de emissões de poluentes de motor a diesel para atender à rígida regulamentação da lei ambiental dos Estados Unidos.
 
Frank Welsch, responsável da Volkswagen pelo desenvolvimento técnico da marca, justificou a decisão. “A marca Volkswagen enfrenta enormes desafios. Com a expansão futura na eletrificação da nossa linha de veículos, nós devemos focar todos os nossos esforços em importantes tecnologias futuras.”
 
“Ao mesmo tempo, a Volkswagen está focando mais como fornecedora de carros de corridas. Assim como o Golf GTI TCR nas pistas e o Beetle GRC no rallycross, nós também queremos oferecer aos nossos clientes produtos de ponta e vamos desenvolver um novo Polo de acordo com as regras do R5”, comentou o engenheiro.
 
Sven Smeets, que assumiu recentemente o comando esportivo da Volkswagen no Mundial de Rali depois da ida em definitivo de Jost Capito para a McLaren na F1, lamentou a saída da marca mais vitoriosa da década, passando a dominar o WRC depois da aposentadoria do ícone Sébastien Loeb.
 
“Naturalmente, lamentamos muito a saída da Volkswagen do WRC, já que foi o capítulo mais bem sucedido da divisão de esportes a motor da marca Volkswagen. A equipe fez grandes coisas. Ao mesmo tempo, nossa visão está firmemente à frente porque nós estamos consciente dos grandes desafios que a empresa tem adiante. Todos nós queremos que o nosso realinhamento contribua para o êxito da marca Volkswagen”, acrescentou Smeets.
 
“A partir de agora, nosso foco está nas próximas tecnologias do esporte a motor e em nossa gama de carros para clientes, onde nós vamos nos posicionar de forma mais ampla e atraente”, acrescentou o dirigente, que ficará por pouco tempo no cargo de chefe da Volkswagen.
 
Welsch, por sua vez, agradeceu à equipe como um todo e a Sven Smeets por liderar o time nesta fase final do ciclo no WRC. “Gostaria de agradecer de forma sincera aos nossos pilotos e navegadores pelas suas conquistas notáveis. Eles não são apenas inacreditavelmente rápidos, mas também embaixadores extremamente eficientes da marca Volkswagen. A equipe como um todo construída em torno do diretor esportivo Sven Smeets criou a base para este sucesso com enorme comprometimento de cada um.”
 
“Queremos continuar trabalhando com esta equipe excelente e realizar o realinhamento. Da mesma forma, vamos expandir a cooperação próxima entre os departamentos de produção, desenvolvimento e esportes a motor, que sempre mostrou as benesses de todos os lados nos últimos anos”, finalizou.