Turismo
09/02/2015 13:27

McLaren anuncia contratação de Senna como piloto oficial de fábrica para corridas de GT em 2015

Sobrinho do tricampeão da F1 Ayrton Senna, Bruno Senna foi anunciado pela divisão de carros de rua da McLaren como piloto de fábrica para a temporada 2015. Corridas das quais ele vai participar serão anunciadas nas próximas semanas
Warm Up / Redação GP,  de São Paulo
 Bruno Senna na McLaren (Foto: Divulgação/McLaren)
Senna e McLaren juntos outra vez. É o que vai acontecer em 2015. A marca inglesa anunciou nesta segunda-feira (9) que contratou Bruno Senna para integrar seu time oficial nas corridas de GT e também para colaborar com o desenvolvimento de modelos de rua.
 
Dedicando-se a provas de endurance desde que deixou a F1 no fim de 2012, o sobrinho do tricampeão de F1 Ayrton Senna competiu no Mundial de Endurance com a Aston Martin em 2013 e em 2014, e também vem participando de corridas da F-E desde setembro.
Senna vai se juntar a Rob Bell, Kevin Estre e Álvaro Parente no time de pilotos oficiais da McLaren. Sua função vai envolver o desenvolvimento dos modelos 650S GT3 e 650S Sprint. As corridas nas quais o piloto de 31 anos vai competir ainda serão anunciadas.
Bruno Senna na McLaren (Foto: Divulgação/McLaren)
“É uma grande honra para mim me juntar à McLaren, um time pelo qual meu tio teve tanto sucesso e um dos nomes mais famosos no automobilismo. 2015 é um grande ano para toda a McLaren e é um momento animador para ser parte de tudo o que está acontecendo”, comentou Senna.

“Estou ansioso por trabalhar com a McLaren GT, que tive a chance de conhecer quando corri nas 24 Horas de Spa há dois anos, e estou realmente ansioso por sentar ao volante do 650S. Muito esforço foi colocado no desenvolvimento do carro desde o 12C GT3, com o qual corri, e a primeira impressão foi muito boa em sua estreia no fim do ano passado. Tem tudo para ser um grande ano”, continuou.
 
Diretor da McLaren GT, Andrew Kirkaldy destacou a reunião entre a McLaren e um Senna e elogiou a experiência do piloto brasileiro.
 
“Estamos extremamente satisfeitos por ter Bruno no nosso line-up, e é ótimo ter o nome Senna de volta em uma McLaren. Nossos pilotos de fábrica são alguns dos mais renomados e capazes no grid, e Bruno fortalece o nosso time. Com só 31 anos, ele tem muita experiência por ter corrido com sucesso em todos os grandes campeonatos internacionais, como a F1, a ELMS, o WEC e o Blancpain”, afirmou.
Bruno Senna com a Lotus no GP da Bélgica de 2011 (Foto: Lotus)
No rastro do tio
 
As comparações entre Bruno e Ayrton sempre foram inevitáveis. Primeiro, é claro, pelo nome e o parentesco. Depois, pela incrível semelhança física entre ele e o tio. Mas a carreira do sobrinho nas pistas também remete bastante à do tricampeão.
 
Na F1, Senna defendeu a Lotus em 2011 — time que foi o de Ayrton entre 1985 e 1987 — e depois a Williams, escuderia que deu a Ayrton o primeiro contato com um F1, em 1983, e a última por ele representada na categoria, em 1994.
OS 10+ DA PRIMEIRA SEMANA

Por quatro dias, oito equipes marcaram presença no circuito de Jerez, na Espanha, para os primeiros testes da pré-temporada. Naturalmente, a curiosidade para se acompanhar as atividades na pista andaluz era grande, e também há diversos pontos a se destacar após essa primeira bateria de treinos coletivos. A liderança da Ferrari, o dia em que o brasileiro Felipe Nasr foi o mais rápido, os problemas da McLaren e a pintura da Red Bull foram alguns dos aspectos que chamaram a atenção. 

Leia a matéria completa no GRANDE PRÊMIO.
O SOM AO REDOR

Tempos mais baixos, menos problemas e mais barulho. Dá para resumir assim, do ponto de vista dos motores V6 turbo, a semana de testes da F1 em Jerez de la Frontera, abrindo a pré-temporada de 2015. Introduzidas em 2014, essas unidades de força que atrelam sistemas híbridos ao motor de combustão interna vêm recebendo muitas críticas desde o princípio desta nova era.
 
Há cabos eleitorais fortes que pedem a mudança do regulamento — a alternativa mais defendida neste momento é a adoção de propulsores com 1000 cavalos de potência. Mas é incontestável como, com o passar do tempo, nota-se uma evolução.

Leia a matéria especial do CONTA-GIRO desta semana no GRANDE PRÊMIO. 
FORA DE NOVO

O momento da Force India não é bom. Após perder a primeira bateria de testes em Jerez, o time indiano está fora da segunda sessão de treinos coletivos, que acontece em Barcelona e corre o risco de perder a terceira também. A confirmação veio nesta sexta-feira (6) por meio do chefe-adjunto do time Bob Fernley à BBC, que citou a falência de Marussia e Caterham e a demora para assinar contrato para ter o túnel de vento da Toyota como principais fatores para o atraso na produção do VJM08.
 
Fernley garantiu que não há a menor possibilidade do VJM08 estar pronto para a segunda bateria de testes, agora em Barcelona, mas explicou que a intenção do time é ter o novo carro pronto para a última sessão de testes. 

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.