Carros

Ex-projetista da F1 cria supercarro T.50 com conceito do 'ventilador' da Brabham BT46B

Gordon Murray apresentou oficialmente o modelo que comemora seus 50 anos como desenhista de carros e remete ao 'fan car' que assombrou a Fórmula 1 no fim da década de 1970. E com motor V12

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Um dos mais respeitados e conhecidos projetistas da F1 e hoje dedicado à criação de supercarros, Gordon Murray apresentou ao mundo nesta quarta-feira (5) sua mais nova obra – e com leve inspiração no passado.

O T.50 promete ser o carro de passeio mais potente já concebido na história, mas tem sua base feita a partir da Brabham de quatro décadas atrás e que causou controvérsia no mundo da Fórmula 1 por seu esquema de ‘ventilador’.
T50, a mais nova obra de Gordon Murray, criador do MP4/4 na F1 (Foto: Divulgação)
Naquela época, Bernie Ecclestone era o chefe da Brabham e tinha uma parceria com a Alfa Romeo. Sem grandes resultados desde o início da parceria, em 1975, e com uma série de abandonos no currículo, Murray desenhou um sistema que foi batizado de ‘fan car', aplicado ao BT46B de 1978, como resposta ao extremamente pesado propulsor da fábrica italiana.

Havia um sistema de refrigeração com um ventilador na traseira do modelo – onde hoje estão os difusores e a saída do escapamento. O sistema acabava sugando o carro na direção do solo – gerando, então, um fortíssimo downforce. As rivais reclamaram muito. O agora saudoso Niki Lauda venceu logo na estreia daquela engenhoca, o GP da Suécia, mas mesmo aprovado pela FIA, o conceito foi abandonado.

No T.50, o ventilador tem 40 cm e vai gerar este downforce sobretudo para ter mais aderência nas curvas. Por conta disso, o supercarro dispensa aerofólios ou asas grandes.
BT46B, a Brabham de 1978 que carregava um ventilador na traseira (Foto: Brabham)
O T.50 leva este nome para celebrar os 50 anos de Murray na concepção de carros. O hipercarro é todo feito em fibra de carbono – exceto em peças da suspensão e das rodas –, tem 4,38m x 1,85m, pesa 980 kg e vai contar com motores V12 3.9 aspirado feito em parceria com a Cosworth. Estima-se que o carro vai alcançar 12.100 rpm – a maior rotação de um carro de produção em toda a história – com potência de 650 cv. 
 
O carro é, nas palavras de Murray, uma evolução do McLaren F1. “O T.50 vai ser muito mais rápido”, comentou. Apenas 100 modelos do T.50 serão produzidos por ano pela própria montadora de Murray, a GMA, e ficarão prontos a partir de 2022. O preço é salgado: £ 2,5 milhões, algo em torno de R$ 12,3 milhões na conversão atual.

Murray foi o responsável por construir os modelos da Brabham que deram os títulos de Nelson Piquet em 1981 e 1983 e foi um dos idealizadores do MP4/4, a McLaren 1988 que quase foi imbatível nas mãos de Ayrton Senna e Alain Prost.
 

Paddockast #20
Punições tardias, circuitos chatos... O que tem de acabar no esporte a motor?



Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.