Copa GP

Pilotos da Scuderia GP nas 500 Milhas dividem experiências e convidam para temporada 2019

No aquecimento para a terceira edição da Copa GP de Kart que começa em fevereiro, os pilotos da Scuderia GP em 2018 contaram um pouco de como foi participar da maior maratona da categoria no Brasil.
Warm Up / GUILHERME BLOISI, de São Paulo
 Rogério e Righi nas 500 Milhas de Kart (Foto: Gabriel Pedreschi/Grande Prêmio)
➱ Inscreva-se já! Primeira etapa da Copa GP de Kart acontece em fevereiro 

A Copa GP de Kart 2019 parte para sua terceira jornada consecutiva daqui exatos 13 dias. Pontualmente, às 15h (horário de Brasília) do dia 02 de fevereiro, os pilotos largam no Kartódromo da Granja Viana e terão dez provas para buscar a realização de um sonho: participar das 500 Milhas de Kart no final da temporada.
 
Para quem já fez parte da Scuderia GP nas duas edições que o GRANDE PRÊMIO participou como equipe, a sensação de todos é unânime: a experiência vivida por eles é difícil de colocar em palavras, como bem disse Alex Campo, um dos dez pilotos que estiveram na Granja Viana em dezembro. “O ambiente tem uma energia completamente diferente de todas as corridas que já fiz, parece que até o cheiro da borracha queimada muda. Andar nos boxes como piloto pela primeira vez foi algo surreal”, disse ele. Já Elisson Gandolfo era só sorrisos naquele dia. Ele não se conteve e, ao sair do kart, começou a chorar e abraçar seu pai que acompanhava a corrida nos boxes. "Fazer parte do evento, pilotando lado a lado com pilotos profissionais e ídolos é algo que você guarda pra sempre na memória. Conquistar essa vaga foi difícil, mas valeu todo o esforço", falou.
 
Sensação semelhante também vivida pelos dois pilotos que fizeram a primeira perna da maratona em dezembro, André Mansano e Márcio Simão. Mansano fazia uma grande escalada do grid com o kart #44 até sofrer um acidente por uma falha mecânica no carro, mas, ainda assim, o piloto falou em realização de um sonho. “O mais legal é que, durante as doze horas de prova, eu fiz parte de um mundo que sempre admirei, acompanhei e fui fã, nunca imaginei que pudesse ser possível estar na pista com caras espetaculares”. Simão foi o campeão da temporada 2018 da Copa GP e resumiu a participação na prova em uma palavra: única. “A gente fica três, quatro dias treinando com profissionais do automobilismo que a gente cresce sendo fã e constrói um elo de amizade com os companheiros de equipe durante esse período da prova”.
 
Dois pilotos da Scuderia GP estiveram nas 500 Milhas de Kart pela segunda vez consecutiva: Alfredo Salvaia e Gustavo Ariel, a dupla fez parte da equipe que conquistou o pódio na categoria Thunder Light em 2017. Ou seja, eles têm know-how suficiente para comparações de sentimentos nas duas edições. Salvaia fez uma perna na prova mais curta neste ano, apenas vinte voltas, mas não se conteve ao sair do kart. “Chorei de emoção, foi muito legal, passamos o ano inteiro disputando o campeonato, a Copa GP além de dar essa chance de disputar as 500 Milhas profissional, um baita prêmio, você acaba fazendo novas amizades no kart amador”, afirmou. Ariel é um dos maiores vencedores da Copa nas duas edições e diz, tranquilamente, que fazer parte desta prova é a melhor experiência possível como piloto. “Cada uma teve um jeito diferente, mas ambas experiências foram positivas. Em 2017, fomos consistentes e, assim, conquistamos aquele pódio especial; neste ano, mesmo a gente não tendo completado a prova no ano passado, estávamos competitivos”, comparou.
A foto oficial da Scuderia GP em 2018 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
A Copa GP de Kart permite a construção de novas amizades e mostra dois pilotos que, sabidamente, se esforçaram demais para fazer parte das 500 Milhas e eles são Saulo Righi e Marcelo Hayasaka. Righi falou em evolução nas duas edições da Copa e, para 2018, acredita que estava maduro e rápido o suficiente para estar na equipe. “Me apliquei muito para melhorar e me tornar o piloto que achava que tinha de ser para ajudar a equipe, assim eu consegui a vaga”, disse o piloto. Hayasaka se viu pressionado por estar diante de uma experiência diferente, mas encarou o desafio de maneira positiva. “Foi gostoso, te motiva a ser melhor, porque você vê pilotos profissionais que já participaram de grandes campeonatos de níveis nacionais e mundiais ao seu lado, mas, na hora que entra na pista, tem de fazer o seu melhor, mostrar tudo o que você sabe”.
 
Hélio Jr e Sidney Rogério bateram roda com grandes nomes do automobilismo nacional, como Barrichello, Fittipaldi, entre outros e, kartistas experientes que são, tiveram o dia mais especial de suas vidas. “Foi uma das melhores experiências que já passei pelo Kart, foi incrível estar ao lado de vários amigos e, de quebra, ainda poder correr com grandes nomes do esporte a motor”, disse Jr. Rogério teve a responsabilidade de fechar o dia de prova e teve a chance de “escoltar” o vencedor das 500 Milhas de Kart, André Nicastro. “Tive a oportunidade de ultrapassá-lo, mas não o fiz, e éramos os mais rápidos na pista. A repercussão que teve foi muito legal, minha família, meus amigos, que me acompanharam na trajetória até as 500 Milhas, gostaram demais”, afirmou.
 
São experiências como essas que fazem com que a Copa GP de Kart seja o maior torneio amador da categoria. Ter como premiação uma vaga nas 500 Milhas de Kart é coisa para poucos privilegiados, como estes dez pilotos foram. Quer ter história para contar como eles? Então, não perca mais tempo se inscreva já, clicando aqui. Ainda em dúvida se vai participar do campeonato? Os próprios pilotos fazem um convite, confira:

ELISSON GANDOLFO: "Vale muito a pena pois, além de oferecer uma das maiores premiações entre todos os torneios existentes no rental, é um ótimo treino, com o nível elevado, sem falar no clima fora da pista que é ótimo, mas dentro dela, o bicho pega!"
 
MARCELO HAYASAKA: “Uma vaga nas 500 Milhas vale muito a pena, ganhar um macacão com seu nome nas costas e ter um suporte de uma equipe como tivemos na edição do ano passado é sensacional”.
 
ALFREDO SALVAIA: “Além de concorrer à vaga, pelo menos, você já está treinando. São dez etapas para se preparar, a relação custo-benefício é sensacional, é um baita prêmio ter a chance de dividir pista com seus ídolos”.
 
HÉLIO JR: “O ambiente é o melhor possível, sempre com disputas limpas e a premiação é única dentre todos os campeonatos que já participei”.
 
GUSTAVO ARIEL: “Para quem é do rental kart, poder participar das 500 Milhas é um privilégio, participei duas vezes pela Scuderia GP e adorei. Todo o suporte que é dado, de estratégia, atenção, é muito bacana”.
 
MÁRCIO SIMÃO: “É um campeonato inovador, bem organizado e eu, por ter sido o campeão do ano passado, recomendo a participação de todos. Eu vivi isso na pele e, seja o piloto experiente ou novo, todos têm chance”.
 
SAULO RIGHI: “É um campeonato que existe muito respeito dentro da pista, mas com disputas muito duras. O nível subiu demais, então, quem se aplicar para conquistar a vaga vai encontrar adversários muito bons, que vão elevar seu nível de pilotagem”.
 
ANDRÉ MANSANO: “Muito mais do que um evento, uma corrida, é a realização de um sonho, a possibilidade de fazer parte de um dia único, especial e que poucos têm a chance de estar lá. É um campeonato espetacular e que premia, com chave de ouro, a regularidade do piloto”.
 
SIDNEY ROGÉRIO: “O nível técnico dos pilotos do campeonato é muito forte, que é o que todo kartista busca. Não há um campeonato amador com uma premiação tão grande, esse é o diferencial da Copa GP”.