Endurance

Alonso assume que seguir no WEC “está na lista”, mas pondera sobre futuro: “Deixei a F1 para ter mais vida”

Fernando Alonso explicou que queria mais tempo livre da F1 e, por isso, não tomou ainda nenhuma decisão sobre seu futuro e, especialmente, sobre o que fará na maior parte do tempo na nova vida
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Fernando Alonso (Foto: FIA/WEC)

Fernando Alonso disputou no último domingo (18) as 6 Horas de Xangai, sua quinta participação na supertemporada 2018/2019 do Mundial de Endurance pela Toyota - competição que já garante três corridas no 2019 do espanhol (Sebring, Spa e Le Mans), que ainda não revela todos seus planos para o futuro.

E se a Indy, Super GT ou um surpreendente retorno à F1 são possibilidades a partir de 2020, o próprio WEC "está na lista" de Alonso de competições que ele pode disputar.

Com contrato com a Toyota válido apenas para a atual temporada do campeonato de endurance, ele foi questionado se uma renovação com a equipe japonesa para a supertemporada 2019/2010 é possível.

E não descartou a ideia: "A supertemporada (atual) terminará em Le Mans e logo haverá o prólogo em Barcelona, e a temporada seguinte começará em Silverstone. Pode ser uma possibilidade, seguir no WEC e fazer a próxima temporada."
Fernando Alonso (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
O problema, segundo o espanhol, é o tempo livre que deseja ter: "Tenho que montar o calendário e ver o que é mais apropriado em termos de tempo", disse.

"Porque deixei a F1 para ter um pouco mais de vida. Tenho que ver como e onde passo meu tempo em corridas, e tenho que combiná-lo com algum tempo livre", finalizou.

Com a segunda colocação em Xangai, Alonso segue na liderança do WEC ao lado de Sébastien Buemi e Kazuki Nakajima, mas viu a diferença para o trio #7 da Toyota cair. Ele também garantiu a vitória em Le Mans, objetivo principal de sua particiapação no Mundial de Endurance, já que é um dos triunfos válidos pela Tríplice Coroa, junto à Indy 500 e ao GP de Mônaco da F1.