Endurance

Alonso vai a Daytona em “posição melhor do que em 2018“, mas evita previsões: “24 horas é muito tempo”

Fernando Alonso vai encarar as 24 Horas de Daytona neste final de semana. Animado e otimista para a prova, afirmou chegar em uma posição melhor do que em 2018, mas reconheceu que é difícil fazer previsões em uma disputa tão longa
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Fernando Alonso vai encarar sua primeira corrida de 2019, neste final de semana. O espanhol vai disputar pela segunda vez as 24 Horas de Daytona, prova que está bastante animado para correr, mas que reconheceu que é difícil de fazer qualquer previsão pela longa duração.
 
Para a prova deste ano, o bicampeão da F1 vai defender a equipe Wayne Taylor, comandando um Cadillac, que ele vê com ótimos olhos e como boa oportunidade de ser competitivo. “Estou muito feliz em voltar a Daytona. No ano passado aproveitei muito a corrida”, falou.
 
“O rendimento da equipe Wayne Taylor nos últimos anos, terminando no pódio quase sempre e ganhando a corrida há dois anos nos garante que podemos ser muito competitivos. A equipe tem muita experiência na SportsCar e em Daytona e estou aprendendo muito junto com eles e também com meus companheiros”, continuou.
Fernando Alonso (Foto: Daytona International Speedway)
“Estou contente em poder pilotar o Cadillac em Daytona e espero que terminemos bem. Sinto-me em uma posição muito melhor do que no ano passado. Foi minha primeira vez em uma corrida de endurance nos Estados Unidos e minha primeira experiência com um carro fechado. Este ano estou pronto para aproveitar um pouco mais e usar minha experiência no WEC”, completou.
 
Fernando ainda ressaltou que chega preparado para a prova deste ano, e que junto de Renger Van Der Zande, Jordan Taylor e Kamui Kobayashi pode alcançar grande coisas, apesar de fazer previsões. “Os objetivos são ambiciosos este ano, mas ao mesmo tempo, já sei como funcionam estas corridas de 24 horas e é difícil prever o que vai acontecer”, disse.
 
“Às vezes se sente triste e frustrado com tudo o que passa na pista, com o tráfego, com um monte de coisas. Só temos que estar tranquilos e executar a corrida da melhor maneira possível e ver o que acontece. Inclusive mesmo que as expectativas sejam altas, 24 horas é muito tempo”, encerrou.