Endurance

Anônimos, pilotos da Audi curtem fama e são cercados por dezenas de crianças no Museu do Futebol

Sem ter noção de quem eram os seis pilotos da Audi no Mundial de Endurance, crianças os cercaram no Museu do Futebol para pedir fotos e autógrafos. Também se interessaram pelos carros da marca alemã — mas teve quem achou que na verdade fosse uma Ferrari

Warm Up / RENAN DO COUTO, de São Paulo
É possível ser famoso mesmo sendo anônimo. Pelo menos era assim que dezenas de crianças de escolas públicas que faziam excursão ao Museu do Futebol nesta quarta-feira (26) viam os seis pilotos da Audi no Mundial de Endurance: ninguém conhecia o sexteto, mas todos queriam se aproximar para tirar fotos ou pedir autógrafos.

Ao redor de Tom Kristensen, maior vencedor da história das 24 Horas de Le Mans, um grupo de crianças pediu a ajuda do repórter do GRANDE PRÊMIO para conversar com o dinamarquês.

“Qual o seu nome?”, perguntou uma delas. Tom se virou e mostrou a parte de trás da camisa da seleção brasileira que ganhara dentro do museu: “Kristensen”. E todas repetiram.

Sabem o que ele faz? “Não”, a resposta veio em uníssono. Ao ouvirem que se tratava de um piloto de corridas, a resposta foi imediata: “De F1?”
Não faltaram selfies com a garotada (Foto: Maurício Machado)
Kristensen, os franceses Marcel Fässler e Loïc Duval, o suíço Marcel Fässler, o alemão André Lotterer e o brasileiro Lucas Di Grassi foram todos assediados pela garotada — que, acreditando que todos eram gringos, não tinha pudor ao fazer comentários em voz alta em português.

Perto de Lotterer, um garoto contava uma história pouco verossímil sobre a fábrica de carros que há perto do Pacaembu. O alemão, que fala um português pobre, escutou tudo e questionou: “Ah, é? Onde?” E o garoto travou.

Até mesmo Di Grassi, que correu na F1 em 2010, passou despercebido por alguns. Abraçado com o piloto para tirar uma foto, um menino virou-se e perguntou: “Você é brasileiro?” E então ficou encabulado.

Com o professor convocando o grupo para rumar ao ônibus e ir embora, uma menina do 9º ano lamentou-se: “Estou com a camiseta de ‘Formando 2014’ e você nem vai deixar eu ter uma foto com esse famoso!” O professor, então, foi até Di Grassi, que também ia deixar o museu, e pediu para o piloto posar as últimas fotos do passeio — foi atendido.

Entre as garotas, Duval foi quem fez mais sucesso. E elas gritaram até mesmo quando o sexteto se virou de costas para tirar uma foto mostrando seus nomes nas camisas da seleção brasileira.
Duval chamou a atenção das garotas (Foto: Maurício Machado)
Os carros da montadora alemã também foram atração — antes mesmo dos pilotos. Foi o primeiro Audi, um S3 vermelho, estacionar que uma multidão o cercou. Não faltaram fotos com as crianças — e até alguns marmanjos — segurando a maçaneta como se fossem os donos.

“É uma Ferrari!”, vibrou um, rapidamente repreendido por um colega: “Deixa de ser burro, esse é um Audi!”

Excursões já costumam ser marcante para as crianças. E o que era para ser um simples passeio ao Museu do Futebol virou o dia em que eles, na realidade, se aproximaram do mundo do automobilismo. Mais do que isso, guardaram recordações de gente famosa — ainda que, para eles, fossem completos anônimos. Sem estrelismos, os pilotos não se importaram por não serem reconhecidos e perceberam a importância do momento para aquela garotada.