Com Orige, Marques e Kray, AJR #88 vence etapa de abertura da temporada do Endurance Brasil em Curitiba

Em meio a um grid formado por 33 carros, a vitória na empolgante etapa de abertura da temporada 2019 do Endurance Brasil ficou com o trio formado por Vicente Orige, Carlos Kray e Tarso Marques a bordo do protótipo AJR #88 na classe P1. Na GT3, a vitória ficou com a dupla formada por Xandy e Xandinho Negrão com um Mercedes-AMG

A temporada 2019 do Endurance Brasil começou neste sábado (30) com as 4h de Curitiba – e foi uma corrida repleta de alternativas, variáveis, bandeiras amarelas, entradas do Safety Car, vários abandonos… e um final absolutamente espetacular. Ao fim de 153 voltas, menos de meio segundo separava os dois primeiros colocados. E numa chegada digna de provas Sprint, o AJR #88 da equipe JLM Racing guiado por Vicente Orige/Tarso Marques/Carlos Kray derrotou o Mercedes-AMG GT3 de Xandy e Xandinho Negrão por escassos três décimos de segundo.
 
Antes da disputa, que contou com a participação de 33 carros, foi respeitado um minuto de silêncio em memória de Cali Crestani, piloto que disputava a categoria com o folclórico protótipo Tornado III com motor de moto (Hayabusa) e era muito querido pela comunidade da categoria. Crestani perdeu a luta contra um câncer no início deste ano.
 
A pole era do AJR #65 de Nílson e Beto Ribeiro, mas no pulo inicial, o carro líder do pelotão foi deixado para trás. David Muffato deu uma largada espetacular com outro AJR – que no treino de aquecimento horas antes deu um enorme susto, com direito a incêndio, rapidamente debelado, mas que causou danos na carenagem e em algumas partes do motor. O filho do lendário Pedro Muffato não se fez de rogado e assumiu a liderança, seguido pelo carro #5 de Júlio Martini, da equipe MC Tubarão.
Vitória do protótipo AJR #88 na etapa de abertura da temporada 2019 do Endurance Brasil (Foto: Bruno Terena)

A primeira hora de prova registrou nada menos que três entradas do safety-car, todas pelos mais variados motivos, desde saídas de pista a problemas técnicos. Aliás, foi uma corrida muito atribulada em todos os níveis. As disputas foram ferrenhas em todas as partes do pelotão e isto potencializou os problemas e muitas outras intervenções do carro de segurança. Muitos carros foram ficando pelo caminho e alguns competidores em potencial perderam chances logo no início.

 
Um dos carros que logo enfrentou problemas foi a Mercedes-AMG GT3 de Guilherme Figueroa/Júlio Campos, fora de combate após um enrosco com a Ferrari 488 GT3 de Chico Longo/Daniel Serra. A dupla da Via Itália Racing, favorita em sua divisão após a categórica conquista da pole nos treinos oficiais, perdeu oito voltas em decorrência do incidente.
 
Muffato e seu parceiro Pedro Queirolo acabariam beneficados pela combinação de múltiplos períodos de neutralização da disputa e também pelas três janelas de pit stop obrigatórias para reabastecimento e troca de pilotos. Chegaram a ter meia pista de frente para o 2º colocado, mas um pneu furado atrasou a dupla e pôs os planos da equipe do #113 por terra.
 
Com alguns percalços, quase todos os AJR foram ficando pelo caminho. Menos, justamente, o bólido de Muffato/Queirolo; o pole da corrida, que sobreviveu a uma penalização e o carro do trio Orige/Kray/Tarso Marques, para brigar contra os GT3 que resistiram no pelotão da frente.
 
Uma aposta em nova entrada de safety-car, fez com que o Porsche 911 GT3-R de Marcel Visconde/Ricardo Maurício alcançasse uma liderança pontual, perdida na última parada de box para a Mercedes dos Negrão. Como a janela de pit tem um tempo mínimo de 3min a ser cumprido, Ricardo Maurício retornou à pista em seu último turno como quarto colocado, sendo ultrapassado logo depois pelo AJR de Nílson e Beto Ribeiro.
Tarso Marques, Vicente Orige e Carlos Kray no topo do pódio em Curitiba (Foto: Bruno Terena)

Não obstante, a Mercedes guiada por Xandinho Negrão na última janela não teria como segurar o ritmo do AJR #88, que na média era de dois a três segundos mais veloz. A diferença baixou com o correr das voltas e, a quinze minutos do fim, as 4h de Curitiba tinham um novo líder.

 
Mas a corrida nos reservaria ainda uma surpresa de tirar o fôlego. Talvez por um erro de cálculo – ou de consumo de combustível ou nas contas para a última volta, Orige tirou o pé e Xandinho Negrão veio comendo a diferença entre os dois primeiros nos últimos metros. Acabou que por um triz o piloto do Mercedes não conseguiu a ultrapassagem que mudaria o resultado final. A vantagem dos vencedores foi de apenas 0s379 na quadriculada – muito pouco para uma corrida com quatro horas de duração.
 
Os quatro primeiros fecharam na mesma volta dos dois que duelaram pela vitória, pois Queirolo e Muffato ficaram com a terceira posição apesar de todos os problemas e a dupla Marcel Visconde/Ricardo Maurício foi alçada ao quarto posto por conta de uma parada não programada do AJR de Nílson e Beto Ribeiro, para reabastecimento.
 
Daniel Serra e Chico Longo ainda conseguiram recuperação suficiente para fechar a disputa em 6º na geral, seguidos pela estreante Mercedes-AMG GT4 de Leandro Romera/Alexandre Auler, que fizeram ótima corrida para vencer entre os carros de sua categoria.
 
O Ginetta G57 dos irmãos Fábio e Wagner Ebrahim, mais Pedrinho Aguiar, acabou em oitavo – quarto entre os protótipos da classe P1 – por conta de uma colisão que danificou um braço da suspensão traseira esquerda e atrasou a corrida do Team Ginetta Brasil. Não fosse por isso, e o protótipo construído em Leeds, que chegou a ocupar a segunda colocação, poderia ter sido um terceiro elemento na luta pela vitória.
 
Fechando os 10 primeiros colocados, terminaram o Aston Martin V12 Vantage de Guilherme e Sérgio Ribas, seguidos por outro carro estreante que mostrou bom desempenho – o Ginetta G55 GT4 de Renan Guerra/Ésio Vichiese/Kreis Jr.
 
Nas demais categorias com carros fora do top 10, vitória de Rafael Simon e Gustavo Simon na P3 com um protótipo MRX de motor oito válvulas – muito bem preparado pela Motorcar; que emplacou ainda a vitória na P4, para carros com pneus nacionais, com Mário Marcondes e Ricardo Haag. 
 
Na GT4 Light, criada para abrigar alguns carros sem chance de brigar com as Mercedes-AMG, Ginetta e o Audi TCR, venceu a CLA 45 AMG de Arthur Caleffi e Ian Ely. A divisão P2 sequer teve pódio, já que nenhum dos carros inscritos recebeu a quadriculada final.
 
A próxima etapa do campeonato será em 25 de maio: a data marca a estreia de Goiânia como sede de uma das etapas do Endurance Brasil.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar