Endurance

FIA aprova, e WEC anuncia troca da classe LMP1 por hipercarros a partir da temporada 2020/21

A aprovação do Conselho Mundial da FIA, nesta quarta-feira (5), fez com que o Mundial de Endurance pudesse confirmar que a classe LMP1 está com os dias contados. A partir da temporada 2020/21, a classe principal do WEC será a Hipercarros. A ideia é cortar custos e se tornar mais atraente para grandes fábricas
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 O Toyota #7 (Foto: Toyota)
O Conselho Mundial da FIA confirmou, na tarde desta quarta-feira (5), as novas regras para as cinco temporadas do WEC entre 2020 e 2025. No comando das novidades está o fim da classe LMP1: os hipercarros vão tomar a frente.
 
Desta feita, os LMP1 vão se despedir do Mundial de Endurance. A próxima temporada, que compreende o segundo semestre de 2019 e o primeiro semestre de 2020, será a última com este tipo de protótipos.
 
O comunicado oficial do WEC classifica os novos carros como "espetaculares para se olhar, com alta tecnologia e performance, além de acessível para métodos de controle de custos" e diz que as novas regras foram desenhadas "após consulta com várias montadores ao redor do mundo".
 
Como tem o objetivo de diminuir o custos dos carros da classe principal - que hoje conta com apenas uma grande fábrica, a Toyota -, o WEC adicionou às novas regras um esquema de lastro: 500g de peso extra vão ser adicionados por cada ponto marcado por aquele carro na temporada. O máximo alcançado pelo lastro será 50 kg.
Toyota é a única montadora da LMP1 na temporada 2018/2019 do WEC (Foto: FIAWEC)
De acordo com a categoria, trata-se de uma novidade para "garantir competitividade, diminuir possíveis distâncias e evitar orçamentos de desenvolvimento emergencial.
 
As equipes poderão ser formadas por até 40 membros para uma equipe de dois carros, não mais do que isso. Os testes vão ser limitados a seis dias de sessões coletivas e mais quatro dias livres.
 
Já para a próxima temporada, a 2019/20 - última do LMP1 -, as equipes não poderão trocar pneus e reabastecer os carros na mesma parada. É um retorno ao esquema anterior ao campeonato atual, quando a mudança foi realizada com a intenção de dramatizar os pit-stops. 
 
A classe GTE Am já passa a receber lastros, que vão ser determinados pelos resultados nas duas corridas anteriores e a posição atual no campeonato: uma vitória acarreta um lastro de 15 kg, uma segunda colocação acarreta em 10 kg e um terceiro posto, por fim, em 5 kg. O mesmo vale para a classificação do campeonato. O peso máximo que pode ser aplicado a um carro é de 45 kg. Não haverá lastro para as 24 Horas de Le Mans.
 
A atual temporada ainda segue a partir de março e tem mais três etapas: 1.000 Milhas de Sebring, 6 Horas de Spa e Le Mans.