Fora do WEC em 2017, Di Grassi revela que Audi barrou proposta da Toyota para guiar terceiro carro em Le Mans

Lucas Di Grassi vai correr as 24 Horas de Le Mans em 2017 na classe GT do Mundial de Endurance, mas não é por falta de convites da LMP1. Di Grassi recebeu proposta para guiar pela Toyota, mas a Audi, com quem tem contrato, negou

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Lucas Di Grassi até queria participar das 24 Horas de Le Mans na classe LMP1 em 2017, após a saída da Audi do Mundial de Endurance. Mas foi barrado. O piloto, que tem contrato com a marca alemã, afirmou que recebeu uma proposta para disputar Le Mans pela P1 – e não foi da Porsche, que terá apenas dois carros na pista na prova francesa. Sendo assim, é fácil cravar que Di Grassi rejeitou uma oferta da Toyota, que terá um carro extra em Sarthe.

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Di Grassi falou, em entrevista ao site inglês 'Autosport', que a Audi não permitiu que ele corresse na classe LMP1 no WEC, mas que deixou que o piloto fechasse com equipes de qualquer outra das três classes. Acabou fechando com a AF Corse Ferrari na classe GT.

 
"Tive uma temporada muito boa na LMP1 ano passado e fui chamado para conversar por times do LMP2, alguns do IMSA nos Estados Unidos e um LMP1", disse. "Eu não tinha autorização para correr de LMP1 em Le Mans, mas estava OK correr em qualquer outra classe", contou.
 
"A Audi se comporta muito bem com os pilotos guiando em outros lugares, são bem justos. Tive algumas ofertas, mas eles foram bem diretos comigo dizendo que eu não podia correr LMP1", reafirmou.
Di Grassi não tem mais a Audi para correr Le Mans na P1 (Foto: Audi Sport)
Lucas afirmou que decidiu não fazer LMP2 porque não gosta do formato que obriga as equipes a ter ao menos um piloto de avaliação amadora nos trios, os chamados pilotos silver.
 
"Não gosto da LMP2 por causa da questão do piloto silver, que é muito mais importante que os outros dois. Então olhei para a GTE. O cenário ideal era a Porsche, mas o alinhamento estava completo. Conheço a Ferrari porque guiei uma em Macau, 2012", falou.
 
No entanto, o piloto disse que não se decepcionou com o fato de não disputar a temporada completa do WEC. Segundo ele, a saída da Audi e o calendário com datas conflituosas entre WEC e F-E – sua prioridade e a da Audi -, havia deixado bem clara toda a situação.
 
"Quando a Audi decidiu parar e o conflito de datas foi anunciado, era evidente que eu não faria a temporada toda do WEC. É só em Le Mans. Vai ser bom ganhar experiência no GT – quanto mais eu andar, melhor", encerrou.
 
A edição 2017 das 24 Horas de Le Mans acontece nos dias 17 e 18 de junho.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube