Endurance

López revela que chorou na volta aos boxes após erro da Toyota: “Muito doloroso”

José María López foi às lágrimas enquanto voltava para os boxes uma segunda vez na tentativa de resolver um problema de furo de pneu. Apesar da larga vantagem que guardava antes, uma longa volta realizada a apenas 50 km/h foi muito para quem queria vencer a prova. Derrota doída demais para suportar sem chorar, segundo ele

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Derrotas quase sempre não são saborosas, mas algumas vezes as coisas são realmente decepcionantes. As 24 Horas de Le Mans, que terminaram neste domingo (16), tiveram um final desses. Tanto que José María López foi às lágrimas, ainda dentro do cockpit e durante a corrida, ao ver a vitória quase certa escorrer por entre os dedos de maneira dramática. 
 
Quem contou foi o próprio López. A derrota veio quase que de maneira inacreditável: ele entrou na hora final com o seu carro #7 em importante vantagem para o Toyota #8. Um furo de pneu fez com que adiantasse uma parada nos boxes, mas a equipe errou, mandou o argentino de volta para a pista ainda com o problema após trocar o pneu errado. A vitória caiu nas mãos do #8 de Fernando Alonso, Sébastien Buemi e Kazuki Nakajima.
José María López, Mike Conway e Kamui Kobayashi (Foto: Toyota Gazoo Racing)
'Pechito' López desmoronou na volta de retorno ao pit-lane para uma nova troca de pneu. 
 
"Não dá para descrever. Chorei em todo o caminho até os pits - é tão doloroso, tão doloroso, mas é como funciona", admitiu ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
 
O piloto explicou um pouco mais profundamente como as coisas aconteceram. Segundo ele, inicialmente o carro ainda podia ser controlado com tranquilidade sem perder tanto tempo, mas depois de sair do pit-lane com o furo ainda lá, a pressão do pneu caiu. Andar minimamente rápido custaria um estouro de pneu e o fim da corrida.
 
"Deixamos um novo jogo de pneus para esse stint porque queríamos minimizar as chances de acontecer [um furo]. É realmente estranho, porque no estágio final da corrida você não ataca as zebras e tenta fazer tudo perfeitamente", analisou.
 

"Depois da metade da volta, vi o alarme. Não estava tão ruim, porque [a pressão] não diminuiu tanto, então ainda dava para andar em por volta de 200 km/h, por isso não perdemos muito. O problema foi que, quando eu saí de novo com um furo no pneu, estava baixa. Eu estava arriscando estourar o pneu e perder tudo, então precisei voltar ao pit-lane sem passar dos 50 km/h", finalizou.
 
Com López, também acabaram sendo derrotados Mike Conway e Kamui Kobayashi. O chefe da Toyota, Rob Leupen, afirmou que a equipe chegou a pensar em ordenar uma inversão de posições para que o #7 vencesse assim mesmo, mas desistiu. Alonso, por sua vez, admitiu que o conjunto do #8 não fez o suficiente para vencer, mas deu sorte.


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.