Endurance

“Triste e feliz ao mesmo tempo”, Christian Fittipaldi se prepara para despedida: “Estou em paz comigo”

Christian Fittipaldi iniciou neste fim de semana a preparação de pista para aquela que vai ser sua última corrida na carreira: as 24 Horas de Daytona em 2019. O brasileiro diz que uma quarta vitória “seria um desfecho de conto de fadas” e destaca a satisfação com o momento: “Agora é hora de fechar este capítulo e abrir outro”
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Vitória do Cadillac #5, de Christian Fittipaldi, João Barbosa e Filipe Albuquerque em Daytona (Foto: José Mário Dias)
Um dos pilotos mais vencedores da história recente do automobilismo brasileiro está muito perto de se despedir das pistas. Christian Fittipaldi, hoje com 47 anos, tem uma trajetória marcada por três vitórias nas 24 Horas de Daytona (2004, 2014 e 2018), é bicampeão do SportsCar, além de ter no currículo o título da F3000 em 1991, passagem pela F1, trajetória de vitórias com a Newman/Haas na CART/Champ Car e presença em categorias consagradas como o DTM e a Nascar. Agora, o piloto se prepara para encerrar a carreira neste mês, com o desfecho sendo justamente nas 24 Horas de Daytona, entre os dias 26 e 27. Depois, Christian vai seguir no automobilismo ligado à equipe Action Express, mas como diretor esportivo.
 
O sentimento de Christian neste momento é misto. “Estou triste e, ao mesmo tempo, estou feliz, não vou mentir”, comentou o brasileiro, nascido em São Paulo, em entrevista à revista norte-americana ‘Racer’. Fittipaldi iniciou a preparação na pista para sua última edição das 24 Horas de Daytona neste fim de semana com o chamado ‘Roar Before 24’, acelerando o Cadillac DPi #5 da Action Express ao lado do companheiro de várias conquistas, João Barbosa, Filipe Albuquerque e do britânico Mike Conway.
 
“Estou em paz comigo mesmo e isso é o mais importante. Sem dúvida, vou sentir falta disso, mas toda vez que você fecha um capítulo na sua vida, outro se abre. Agora é a hora de fechar este capítulo e abrir outro”, acrescentou.
Christian Fittipaldi está muito perto de se despedir das pistas (Foto: José Mário Dias)
Fittipaldi aborda os trabalhos por enquanto de uma maneira natural, sem tentar pensar muito na despedida, mas sabe que vai se deparar com fortes emoções até o último fim de semana de janeiro. “No momento, estou trabalhando no Roar da mesma forma que normalmente abordaria qualquer fim de semana de corrida nas minhas funções profissionais. Mas percebo que haverá períodos que vão ser bem emocionantes”.
 
Christian recordou uma das passagens mais marcantes da sua carreira. Ao fim de 2010, Fittipaldi havia encerrado um ciclo como piloto depois de terminar a temporada daquele ano na Stock Car. Sua ideia era descansar. Mas foi então que Christian recebeu uma ligação de Iain Watt, engenheiro da Action Express. E isso mudou definitivamente sua carreira.
 
“Não estava procurando [voltar às corridas]. Mas, no fim de 2010, Iain me ligou e perguntou o que eu faria no início do ano seguinte. Disse a ele: provavelmente estarei na praia. Então Iain disse: ‘Que tal trocar a praia por Daytona?’. E foi assim que começou toda a minha história na Action Express”, salientou.
 
Quanto ao futuro, Christian prefere não fazer planos, mas sim viver cada dia na sua nova função pela equipe nas pistas. “Vamos ver como as coisas vão progredir a partir daí. O bom disso é que você gera suas próprias oportunidades fechando um capítulo. Se você não fechar um capítulo, não poderá abrir outro”.
 
Por fim, quando questionado sobre a expectativa de fechar sua carreira com chave de ouro, no topo do pódio pela quarta vez em Daytona, Fittipaldi prefere esperar. “Nem vamos mencionar isso, seria um desfecho de conto de fadas. Obviamente, é isso o que estamos buscando, mas essa corrida em particular é muito longa e tem muitas variáveis. Definitivamente, é sobre o desempenho, mas há muitas outras variáveis que dificultam o alinhamento de todas as estrelas”.
 
“Mas João e eu estamos trabalhando duro para conseguir a quarta vitória geral. É incrível estar ligado à Action Express e espero continuar envolvido com eles por muitos, muitos anos, mas cumprindo outros papéis”, concluiu Christian Fittipaldi.