FE

Bird freia recuperação incrível de Buemi e vence eP de Buenos Aires em defesa marcante. Di Grassi é terceiro

Sébastien Buemi superou quase da melhor forma o erro cometido no treino classificatório em Puerto Madero. Com uma pilotagem impecável, o suíço levou o carro da e.dams de 18º para segundo, mantendo a liderança do campeonato. Mas na frente dele tinha um Sam Bird que não se rendeu e venceu bravamente. Lucas Di Grassi terminou a etapa em terceiro
Warm Up / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
 Lucas Di Grassi (Foto: F-E)

Uma corrida para guardar na memória. Não é hipérbole dizer que qualquer fã de verdade de automobilismo vai lembrar do que estava fazendo no sábado de Carnaval de 2016. O dia, este sábado (6), em que Sébastien Buemi saiu da última colocação do eP de Buenos Aires após errar na classificação, passou todo mundo e ficou no cangote de Sam Bird por cinco longas voltas. O inglês da Virgin foi bravo, segurou o líder do campeonato e sai da Argentina com 25 pontos mais.

Se a corrida de Buenos Aires em 2015 havia sido o mais apoteótico desfile da F-E até hoje, talvez a corrida deste ano tenha deixado a do ano passado para trás. É difícil imaginar um cenário em que alguém largue no último lugar e vença a prova - e foi precisamente o que o mundo inteiro pensou que Buemi fosse fazer. Era difícil até acompanhar as ultrapassagens do suíço - a maioria nem foi vista. Mas quando chegou a Stéphane Sarrazin pelo terceiro posto, era evidente que tinha a vitória logo ali.

E Bird liderava, mas nunca recebeu muita atenção, na verdade. O inglês não tinha um grande ritmo, pelo contrário, não havia feito alguma grande ultrapassagem e claramente seu carro não era o mais rápido. Ainda que subconscientemente, pairava uma certa convicção de que ele não aguentaria até o final. Só que Lucas Di Grassi veio e não passou. Buemi passou pelo brasileiro e atacou nas voltas finais. E dentre os 17 carros na pista, apenas um conseguiu segurar Buemi. Uma vitória de respeito.
Sam Bird em Buenos Aires (Foto: DS Virgin Racing/Facebook)
Com todos esses elogios a Buemi e Bird, parece até que Di Grassi fez uma prova abaixo da crítica - não é verdade. O piloto da Audi ABT escapou de uma encrenca na largada, foi ganhando posições e chegou a ser o mais rápido da pista. A terceira colocação acaba sendo ruim porque ele teve chances reais de passar Bird e vencer. Da forma que foi, porém, fica na briga do título apenas quatro pontos atrás de Buemi.

 Por fim, Sarrazin manteve a quarta colocação onde largou. Para António Félix da Costa, certamente será uma noite amarga. O português vinha no segundo posto quando sua Aguri simplesmente morreu e o abandonou. Nicolas Prost foi quinto numa atuação horrorosa, com Loïc Duval, Nick Heidfeld, Robin Frijns, Oliver Turvey e Bruno Senna encerrando o top-10. Nelsinho Piquet foi o 12º colocado.
 
A F-E agora volta em 12 de março, direto da Cidade do México onde fará sua primeira corrida em um autódromo.

Confira como foi o eP de Buenos Aires:

Coisas diferentes para a largada em Buenos Aires. A pista colocada no traçado de rua do Puerto Madero é aberta e implora por tentativas de ultrapassagens. Com Sébastien Buemi saindo do fim do mundo, certamente esse é um atributo que torna tudo ainda mais divertido.
 
Permissão dada, Sam Bird escapou na frente na primeira das 35 voltas. Lucas Di Grassi tentou forçar para cima de Robin Frijns, quase tocou o muro e esfriou. Nelsinho Piquet, largando bem e passando Daniel Abt e Jérôme D'Ambrosio, chegou a se insinuar para cima do rival brasileiro.
 
Mike Conway cedeu a Frijns na terceira volta, enquanto Di Grassi, já estabelecido, foi junto. Não demorou duas voltas até que Lucas estivesse na frente também do holandês.
 
Mesmo sem chamar a atenção, Buemi já foi passando. Primeiro, passou D'Ambrosio que tocou na confusão inicial e ficou com o pneu traseiro direito fumando por causa do contato com o suporte. E logo foi deixando Nick Heidfeld, Simona de Silvestro, Salvador Durán e Bruno Senna. Piquet foi o próximo, caindo no pelotão sem muitas explicações. Em sete voltas, já levara também Daniel Abt e Jean-Éric Vergne e era o décimo.
 
No mesmo ponto da prova, sete voltas completadas, Di Grassi perseguia Stéphane Sarrazin pelo quarto lugar. Recebeu, então, a confirmação de que teria o FanBoost para usar na segunda metade da prova - e segundos depois deixou o rival da Venturi para trás.
 
Com nove voltas passadas, os carros estavam quase que todos com cerca de 50% de energia disponível. Gasto alto, apesar de controlável. Bird liderava com 0s5 de vantagem para Nicolas Prost. António Félix da Costa estava 1s1 na frente de Di Grassi, mas as distâncias entre os quatro primeiros ainda eram relativamente próximas.
 
Na 14ª volta, Félix da Costa foi para cima de Prost. Com Bird num ritmo medíocre, alguém precisava ataca-lo - algo que Nico não havia sequer tentado até então. E Di Grassi era o próximo a chegar no #9.
António Félix da Costa (Foto: F-E)
E o alerta Buemi? Com 15 voltas, Oliver Turvey, Loïc Duval e Mike Conway já haviam ficado para trás. O líder do campeonato já era o sétimo colocado. Uma volta depois, acelerou a e.dams e não teve como Frijns apelar na reta.

Não deu para Félix da Costa repetir o resultado do ano passado. Enquanto o primeiro time de pilotos ia aos boxes, a Aguri do luso parou na pista. Fim das chances de pódio numa corrida que começara muito forte para ele. 
 
Com isso, Prost e Di Grassi pararam juntinhos nos boxes como segundo e terceiro colocados. A demora de Nicolas se estendeu ao pit, e não apenas Lucas saiu antes, mas Buemi entrou e saiu antes. Aparentemente, um esquema da e.dams para dar uma posição ao seu principal piloto.
 
Eis que, na saída dos boxes, Prost escapou e rodou sozinho, bateu e obrigou a entrada do safety-car por conta da sujeira na pista. Buemi passava Sarrazin e teve que abortar a manobra. O suíço ficou nervoso toda vida com a demora do francês em entender que ele tinha de acelerar e se juntar a Di Grassi e Bird.
 
Três giros depois, safety-car de volta aos boxes. E Buemi não demorou mais que dez segundos para deixar Sarrazin para trás. Apenas 1s3 de diferença de Lucas para Sébastien, mas no meio disso tudo Bird se segurava na ponta. O inglês, assim como Di Grassi e Vergne, tinha o FanBoost. Enquanto isso, Duval e Frijns tinham uma boa briga pelo sexto lugar. E Conway, bem atrás do quinto lugar onde largou, rodou sozinho na volta 25. Por sorte saiu sem bater.

Já que não passava Bird, Di Grassi teve de se preocupar em defender de Buemi. No 28º giro, Di Grassi abriu na reta para segurar o rival, mas quando saiu, saiu demais. O espaço aberto foi irreversível. Buemi passou, e o piloto da Audi ABT reclamou com a equipe que o FanBoost não funcionou. Hora de partir para cima de Sam.
 
Sabe quem vinha fazendo boa prova de recuperação? Senna e Heidfeld. Aliás, as duas Mahindra estiveram nos dois últimos lugares em algum momento da corrida. A três giros do fim, eram P8 e P9.
 
Duas voltas para o final, apenas. E Buemi atacava, agora com muita força. Bird e seu FanBoost entraram em cena mais que nunca. Sam esteve ali o tempo inteiro, sem grande manobra ou ritmo, mas na hora da defesa, cresceu. Uma volta passada, outra volta passada. Nada feito. Nem Buemi de e.dams conseguiu deixar Sam Bird para trás. É a primeira vitória dele na temporada 2015/16.

F-E, eP de Buenos Aires:

1 SAM BIRD ING VIRGIN 35 voltas  
2 SÉBASTIEN BUEMI SUI E.DAMS +0.716  
3 LUCAS DI GRASSI BRA AUDI ABT +7.525  
4 STÉPHANE SARRAZIN FRA VENTURI +9.415  
5 NICOLAS PROST FRA E.DAMS +11.316  
6 LOÏC DUVAL FRA DRAGON +15.660  
7 NICK HEIDFELD ALE MAHINDRA +16.444  
8 ROBIN FRIJNS HOL ANDRETTI +18.685  
9 OLIVER TURVEY ING CHINA +22.007  
10 BRUNO SENNA BRA MAHINDRA +22.456  
11 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA VIRGIN +24.482  
12 NELSINHO PIQUET BRA CHINA +24.641  
13 DANIEL ABT ALE AUDI ABT +27.998  
14 SIMONA DE SILVESTRO SUI ANDRETTI +36.171  
15 MIKE CONWAY ING VENTURI +39.581  
16 JÉRÔME D'AMBROSIO BEL DRAGON +1 volta  
17 ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA POR AGURI +18 voltas NC
18 SALVADOR DURÁN MEX AGURI +21 voltas NC
 
VEJA A EDIÇÃO #15 DO PADDOCK GP, COM LUCAS DI GRASSI