FE

Di Grassi toma ponta na largada e vence movimentado eP de Paris para abrir vantagem na liderança da F-E

Lucas Di Grassi ganhou na loteria com a largada perdida de Sam Bird. O líder do campeonato pulou facilmente para a frente e deixou Bird brigando com Jean-Éric Vergne - uma disputa que durou a corrida inteira. Enquanto isso, sem se importar com o que fazia Sébastien Buemi atrás, abriu e sumiu para vencer a terceira da temporada
Warm Up / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
 Di Grassi anda com carro da Audi ABT em Paris (Foto: Getty Images)

Pela quarta vez na temporada - terceira que vale -, Lucas Di Grassi cruzou a bandeira quadriculada para vencer uma corrida da F-E. Neste sábado (23), porém, Di Grassi teve provavelmente sua corrida mais tranquila na categoria. Um mergulho na largada e dois companheiros de equipe brigando atrás foram a ponte para desaparecer do combate e jamais ser incomodado de novo. Lucas vence a primeira prova no cartão postal que é o circuito de rua de Paris e abre na liderança da F-E.

Ele não teve muito o que se preocupar com energia a ponto de ficar ameaçado - embora tenha diminuído o ritmo no fim -, nem com brigas ou nenhum tipo de ameaça. Ainda bem para Lucas, porque foi uma corrida cheia delas. Atrás dele, as Virgin se digladiaram por quase toda a corrida - primeiro só os dois, depois com as e.dams. Jean-Éric Vergne foi mais lento que Sam Bird sempre, mas se defendeu como o piloto de ponta que é e não tinha mostrado ainda. Por isso, terminou com a segunda colocação e desafogou um pouco o ano.
 
Já Bird, teve outro fim. Quando se preocupava, na volta 38, muito mais com Buemi atrás que com Vergne, errou. Dessa vez, um desesperado Buemi chamou o FanBoost na hora errada, mas não fez bobagem. Bird escapou numa curva e deu o pódio de bandeja ao suíço. Mesmo com o terceiro lugar, Buemi se vê 11 pontos atrás de Di Grassi na classificação.
Di Grassi anda com carro da Audi ABT em Paris (Foto: Getty Images)
E é difícil saber como foi que os dois pilotos da Virgin não se tocaram em algum momento depois da largada. A briga entre os dois foi absolutamente para guardar na memória da segunda temporada da categoria, mas a qualquer momento poderia ter custado todos os pontos da equipe inglesa parceira da Citroën.

Sobrou a Nicolas Prost o quarto lugar, seguido por Stéphane Sarrazin. Bird, com o erro, foi apenas o sexto. Robin Frijns, António Félix da Costa, Bruno Senna e Daniel Abt também foram aos pontos. Nelsinho abandonou a seis voltas do final. A volta mais rápida da corrida ficou com o 12º colocado Nick Heidfeld, que leva os dois pontos designados - até que o saldo foi positivo para o alemão, que quase nem largou.
O campeonato da F-E para agora por quase um mês e volta em 21 de maio com o segundo eP de Berlim, mas agora em novo circuito de rua.

Confira como foi o eP de Paris:

O frio que assombrou pela manhã continuava preocupando os pilotos. Sam Bird, por exemplo, disse momentos antes da prova que se preocupava com as primeiras voltas porque seria difícil conseguir atingir o nível necessário de energia pela falta de calor.
 
E foi exatamente o que se viu na largada. Lucas Di Grassi, aquecido, saltou para a ponta e Bird, desesperado para atacar de volta, deu o lado de dentro da curva 1 para Jean-Éric Vergne. O francês mergulhou, e os dois bateram roda com roda. Melhor para JEV.
Ainda na primeira parte do grid, Nicolas Prost passou Stéphane Sarrazin. Quem também largou mal foi Robin Frijns, que caiu para nono. As brigas começavam a se formar quando, na sexta volta, a Dragon de Loïc Duval morreu. Fim de proava para ele, que seria agraciado com o FanBoost instantes depois. Aliás, ele, Vergne e Sébastien Buemi.
 
Antes da bandeira amarela de pista inteira entrar em ação, Frijns fez uma das ultrapassagens mais ousadas da temporada para cima de António Félix da Costa. Mas a bandeira apareceu por uma volta para que os fiscais tirassem o carro vermelho do caminho.
 
Assim que a corrida foi relargada, na volta oito, Buemi pulou para cima de Turvey e conseguiu uma passada limpa. Frijns embarcou e passou também, enquanto Félix da Costa tentou mais de uma vez e não conseguiu. Quem também passava era o estreante Ma Qing Hua, deixando para trás Simona de Silvestro.

Na 15ª volta, Di Grassi mantinha os 2s2 de vantagem, enquanto Vergne conseguia enfim um respiro para o companheiro. Enquanto isso, na luta pelo último lugar dos pontos, Bruno Senna pressionava Nelsinho Piquet. Quando passou, ainda levou junto Daniel Abt. Piquet e Turvey andaram bem na classificação, mas o ritmo de corrida da China era muito, muito ruim.
Bela paisagem (Foto: Reprodução/Twitter)
Buemi, quieto, sabia que precisava somar pontos. Encostou em Sarrazin e passou, novamente com muita habilidade e sem muito barulho. Já era o quinto, agora 0s7 atrás do companheiro Prost. Na 18ª, Félix da Costa encaixava a então volta mais rápida.
 
Após ser ultrapassado, Piquet mudou a estratégia e se tornou o primeiro piloto a ir aos boxes - bem diferente do que acontece normalmente. 21  voltas, aliás, e os carros quase todos entravam nos 10% finais de bateria. 
 
No fim do grid, volta 21, e Simona atacava Qing Hua, mas o que aconteceu foi que ela tomou um encontrou e uma ultrapassagem de Nick Heidfeld. Na frente, um jogo de equipe da e.dams permitiu que Buemi rapidamente passasse Prost.
 
A emoção aconteceu em peso na última volta antes dos pits, a 24. Bird voltou a atacar Vergne, colocou por dentro, mas a defesa do francês prevaleceu. Enquanto isso, as duas e.dams encostaram e, metros atrás, Frijns deslizava para passar Sarrazin. Seis carros seguidos e encostados. 
 
As equipes, diga-se, trabalharam com precisão. Ao menos aparentemente. Só a Andretti se deu mal, porque Sarrazin passou Frijns de volta. Não só isso: foi para cima das Renault e,dams. Com 26 voltas, Di Grassi liderava por mais de 4s1 seguido por Vergne, Bird, Buemi, Prost, Sarrazin, Frijns, Félix da Costa, Senna e Abt.
 
O conto de fadas de Qing Hua acabava com um erro na curva 1 e um pit-stop que durou uma eternidade da Aguri. Um pouco depois, quase se envolveu na luta pela vitória e ficou no caminho de Di Grassi. No fim das contas, acabou no muro - uma pancada de respeito e que obrigou o safety-car a entrar em ação.
Bird voltava a atacar Vergne. É, aliás, muito difícil saber como é possível que os dois não tenham se encontrado de forma mais séria depois do toque da largada. Mas não se encontrara, e Vergne se defendeu como conseguiu. Até que um desesperado Buemi começou a atacar os dois. 
 
A insistência que deu efeito, no fim das contas, foi a de Buemi. Bird errou, passou direto na curva e perdeu o pódio. Prost e Sarrazin também passaram por ele. 
O safety-car causado por Qing Hua, aliás, chegou e se foi e evitou que um pessoal tivesse problemas com a energia. No fim das contas, Lucas se tornou líder por 11 pontos. Vergne e Buemi completam o pódio. Sarrazin, Bird, Frijns, Félix da Costa, Senna e Abt também pontuaram.

F-E, eP de Paris:

1 LUCAS DI GRASSI BRA AUDI ABT 45 voltas  
2 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA VIRGIN +0.853  
3 SÉBASTIEN BUEMI SUI E.DAMS +1.616  
4 NICOLAS PROST FRA E.DAMS +2.142  
5 STÉPHANE SARRAZIN FRA VENTURI +3.044  
6 SAM BIRD ING VIRGIN +3.856  
7 ROBIN FRIJNS HOL ANDRETTI +5.141  
8 ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA POR AGURI +7.000  
9 BRUNO SENNA BRA MAHINDRA +8.433  
10 DANIEL ABT ALE AUDI ABT +9.479  
11 JÉRÔME D'AMBROSIO BEL DRAGON +10.738  
12 NICK HEIDFELD ALE MAHINDRA +12.453  
13 OLIVER TURVEY ING CHINA +13.721  
14 MIKE CONWAY ING VENTURI +14.833  
15 SIMONA DE SILVESTRO SUI ANDRETTI +16.049  
16 NELSINHO PIQUET BRA CHINA +6 voltas NC
17 MA QING HUA CHI AGURI +7 volta NC
18 LOÏC DUVAL FRA DRAGON +41 voltas NC

PADDOCK GP #25 FALA SOBRE F1 NA CHINA, INDY, MOTOGP E F-E