1 mês antes de estreia na F1, pista da Arábia Saudita segue longe de estar pronta

Estreia da Arábia Saudita está agendada para acontecer entre os dias 3 e 5 de dezembro, mas imagens revelaram que as obras no circuito de Jedá ainda estão longe de conclusão

F1 CHEGA AO MÉXICO + HAMILTON x VERSTAPPEN É NOVO SENNA x PROST? | Paddock GP #263

O GP da Arábia Saudita está marcado para fazer estrear na Fórmula 1 este ano, com o objetivo ambicioso de se tornar a corrida de rua mais rápida – e longa – da história da categoria. No entanto, existe um problema: restando exatamente um mês para o início do final de semana do evento, as obras ainda estão longe de estarem prontas, como mostrado em vídeo divulgado pela própria organização. O prazo da construção foi de 12 meses, um dos menores da história.

Nas imagens é possível ver diversos pontos longe de estarem concluídos, como, por exemplo, a reta dos boxes e grande parte da extensão do traçado, além da curva 10, um dos destaques do circuito de Jedá. Caminhões de construção aparecem ao redor da pista, assim como operários que trabalham nas obras. Além disso, grandes trechos do circuito ainda não possuem asfalto, processo que leva um pouco mais de tempo para fornecer aos carros de Fórmula 1 a aderência e a temperatura ideais.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Circuito de Jedá mostra obras longe de estarem prontas (Foto: Reprodução/F1)

Da última vez que a Fórmula 1 correu em uma pista inacabada, a história não terminou bem para os promotores. Há pouco mais de 11 anos, a categoria foi ao circuito da Coreia do Sul e, na ocasião, os pilotos correram ainda com operários em meio ao trabalho nos arredores da pista. Além do pouco tempo de construção, a cidade de Yeongnam sofreu com as pesadas chuvas, que foram adiando cada vez mais a data de entrega do autódromo.

A corrida, que também teve chuva pesada e mais de 20 voltas atrás do safety-car, terminou com vitória de Fernando Alonso em ano que Sebastian Vettel conquistou seu primeiro título dos quatro seguidos que viriam até 2013. A temporada de 2013, por sua vez, também representou o último ano de participação da Coreia do Sul no calendário, já que o evento deu um prejuízo milionário aos organizadores, que precisaram romper o contrato – que seria válido até 2016 – e lidar com uma pesada multa.

Mark Weber sofreu acidente e sua Red Bull ficou coberta de lama no GP da Coreia do Sul de 2010, em que obras estavam inacabadas (Foto: Reprodução/Reddit)

O GP da Arábia Saudita será o segundo maior do calendário, atrás apenas de Spa-Francorchamps, na Bélgica. Serão 6,1 km de extensão, o que a transformará na maior pista de rua da história da Fórmula 1. Além das construções ainda em andamento para a estreia de 2021, um novo projeto – ainda maior – está sendo viabilizado para 2023, na cidade de Qiddiya, mais próxima à capital Riad.

Asfalto do GP da Arábia Saudita ainda não foi completamente colocado, restando um mês para a disputa(Foto: Reprodução/F1)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

A etapa no circuito de Jedá está marcada para acontecer entre os dias 3 e 5 de dezembro, logo depois de outra estreia – do Catar – na categoria. Antes, entretanto, a Fórmula 1 vai para a disputa do GP do México, entre os dias 5 e 7 de novembro, no Autódromo Hermanos Rodríguez. Max Verstappen, da Red Bull, é o líder da classificação com 12 pontos a mais do que Lewis Hamilton, da Mercedes.

David Vidales quase decola e acerta Dino Beganovic. Os dois pilotos, da Prema, abandonaram em Monza (Vídeo: FRECA)
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar