1ª semana de testes no Bahrein acaba com Mercedes inalcançável, Nasr em 4º e mais dramas para Red Bull

Nico Rosberg foi 1s6 mais rápido que Jenson Button no quarto e último dia de atividades da F1 no Bahrein. Red Bull continua com muitas dificuldades, e foi da Lotus o melhor tempo das equipes com motor Renault

 


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Ninguém chegou perto do tempo estabelecido por Nico Rosberg na manhã deste sábado (22), no Bahrein. Com isso, o alemão fechou a primeira das duas baterias de testes de pré-temporada da F1 no Circuito Internacional de Sakhir com a melhor marca da semana – e por muito. A volta completada em 1min33s283 superou em 1s6 a de Jenson Button, segundo colocado da tabela, e é menos de 1s mais lenta que a da pole-position conquistada pelo mesmo Rosberg no GP do Bahrein de 2013.

Nem mesmo o problema que o tirou da hora final de atividades em Sakhir deve ter abalado a Mercedes, que, mais uma vez, atestou a boa confiabilidade de suas unidades de força: Rosberg foi quem mais rodou por Sakhir no sábado, num total de 89 voltas.


Rosberg foi o mais rápido da semana em Sakhir (Foto: Getty Images)


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Reafirmando a boa forma dos times que usam motores Mercedes e também da McLaren, Button foi o segundo, com o finlandês Kimi Räikkönen completando o top-3 de Ferrari.

A novidade do dia em Sakhir foi a presença de um Felipe, cujo sobrenome não é Massa, no carro da Williams. Nasr, oriundo da GP2, foi anunciado ontem como reserva do time britânico na temporada 2014 e estreou na categoria máxima do automobilismo na quarta posição e com 87 voltas completadas. Um bom início.

Pastor Maldonado, de Lotus, foi o quinto colocado. No que foi o primeiro dia mais intenso de trabalho de pista para o time de Enstone, o venezuelano foi capaz de percorrer a melhor de suas quase 60 voltas em 1min38s707. Nenhum outro piloto com motor Renault atingiu tal patamar na semana.

Aliás, a Lotus andou mais que todas as outras equipes parceiras da Renault juntas neste sábado. Somando-se as voltas de Red Bull, Toro Rosso e Caterham, chega-se a um nada impressionante total de 49 passagens.

Confira como foi o quarto e último dia de testes da F1 no Bahrein neste sábado

O período da tarde em Sakhir começou com aquela tradicional sesta, e o povo todo ainda estava em ritmo lento nos primeiros momentos após o almoço. Para falar a verdade, essa sesta foi longa, até, já que os trabalhos não chegaram a ficar intensos. As baixas provocadas pelos vários problemas mecânicos, tão comuns nessa pré-temporada, reduziram ainda mais o número de carros que entraram na pista no Bahrein.

Para começar, a Force India confirmou que, devido a uma quebra da transmissão, Sergio Pérez não entraria mais na pista. O mexicano fora capaz de dar 19 voltas antes de parar pela manhã.


Sergio Pérez andou pouco neste sábado (Foto: Getty Images)


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A Red Bull também não fez muito depois do almoço. Com falhas ainda não reveladas pelo time, o RB10 permitiu duas míseras voltas a Daniel Ricciardo após o almoço; a Sauber, com Adrian Sutil no carro, não sabia o que fazer para colocar o alemão na pista – o C33 esteve bem frágil durante todo o dia; assim como Jules Bianchi, da Marussia, nem marcou tempo – culpa do sistema de combustível; e Marcus Ericsson, coitado, deu quatro voltas e teve que entregar o carro para Kamui Kobayashi, que deu outras 17.

Se somar todo esse povo dos dois últimos parágrafos, a quilometragem não supera a dos dois pilotos que mais andaram neste sábado. Claro, eles tinham motores Mercedes: Nico Rosberg, da equipe de fábrica, e Felipe Nasr, da Williams.

Rosberg deu 89 voltas, a maior parte delas no período da tarde, quando já tinha o melhor tempo do dia: 1min33s283. Dos ponteiros, na realidade, Nasr foi o único que andou mais rápido depois do almoço. Ele melhorou sua melhor marca em mais de 1s, mas ainda sem superar a Ferrari de Kimi Räikkönen.

Daniel Ricciardo ficou mais tempo nos boxes do que na pista (Foto: Getty Images)

Além de Nasr, o outro piloto que acelerou firme à tarde foi Maldonado. O venezuelano fez o que pouco tem feito os times impulsionados por unidades de força da Renault e atingiu o número total de 59 voltas. Seu tempo, 1min38s707, foi o melhor conquistado pela fornecedora francesa nesta semana.

Os treinos vespertinos em Sakhir tiveram de ser interrompidos três vezes. Primeiro, com Rosberg, a cerca de uma hora do fim. 40 minutos mais tarde, numa nova tentativa de fazer Adrian Sutil andar, a Sauber viu seu C33 parado no circuito barenita.

Finalmente, para encerrar os trabalhos, Räikkönen perdeu o controle da Ferrari e bateu a F14T na saída da curva 4. Os danos, não muito extensos, foram notados na porção traseira esquerda do carro.

A F1 volta a realizar treinos de pré-temporada daqui a cinco dias, no mesmo circuito de Sakhir. Entre 27 de fevereiro e 2 de março, os times terão os últimos quatro dias de pista para trabalharem em seus carros antes da abertura do Mundial, no GP da Austrália, em 16 de março.

Dia viu a estreia de Felipe Nasr na Williams (Foto: Getty Images)

F1, Bahrein, Treinos coletivos, dia 4:

1 NICO ROSBERG ALE MERCEDES   1:33.283   89
2 JENSON BUTTON ING McLAREN MERCEDES   1:34.957 +1.674 66
3 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI   1:36.718 +3.435 81
4 Felipe NASR BRA WILLIAMS MERCEDES   1:37.569 +4.286 87
5 PASTOR MALDONADO VEN LOTUS RENAULT   1:38.707 +5.424 59
6 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES   1:39.258 +5.975 19
7 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RENAULT   1:39.837 +6.554 15
8 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TORO ROSSO RENAULT   1:40.472 +7.189 19
9 KAMUI KOBAYASHI JAP CATERHAM RENAULT   1:43.027 +9.744 17
10 MARCUS ERICSSON SUE CATERHAM RENAULT   1:45.094 +11.811 4
11 ADRIAN SUTIL ALE SAUBER FERRARI       7
12 JULES BIANCHI FRA MARUSSIA FERRARI       5

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube