F1

2° na Hungria, Vettel reclama de ritmo da Ferrari, mas comemora “sorte” em toque com Bottas

Sebastian Vettel terminou na “melhor posição possível” em Hungaroring, em sua própria visão. E, mesmo que não tenha conseguido andar no ritmo de Lewis Hamilton, conseguiu celebrar a ultrapassagem em Valtteri Bottas

Warm Up, de Hungaroring / FELIPE NORONHA, de São Paulo
Sebastian Vettel passou perto de ter um domingo (29) desastroso em Hungaroring, mas conseguiu terminar em segundo numa corrida vencida por Lewis Hamilton, seu principal rival na briga pelo título da F1 2018: ou seja, não deixou o piloto da Mercedes abrir tanta vantagem.

E, se não conseguiu andar no ritmo do britânico, o alemão ao menos pôde comemorar a "sorte" de não ter que abandonar, ou parar nos boxes, após o toque com Valtteri Bottas no final do GP da Hungria.

Após a corrida, ele comentou as situações: ser segundo, mas ao menos ter conseguido ir até o fim aoós um momento de suspense.

"Algo estava preso na parte trasiera do carro. Não consegui acompanhar Lewis por causa dos pneus. Não tive chance de andar no mesmo ritmo", disse.

"Tive um bom começo, o que foi surpreendente, por causa dos pneus macios. Depois escapei de Bottas. Ficar em segundo não era o que eu queria, mas vou aceitar", seguiu.
Sebastian Vettel (Foto: pirelli)
Sobre a disputa com Bottas, na qual escapou de um pneu furado, analisou: "Os pneus dele estavam piorando e piorando, então estava confiante de que poderia alcançá-lo."

"Ele me acertou por trás. Não tenho certeza do que aconteceu, mas sei que tive sorte de que o carro não quebrou e eu pude seguir", finalizou Vettel.

Ele foi a 189 pontos, contra 213 de Hamilton, que abre 24 de vantagem na liderança antes das 'férias de verão'.