F1

20 anos depois, Rosberg repete Damon Hill e se torna segundo filho de campeão a chegar ao título na F1

Aos 31 anos, Nico Rosberg enfim conquistou o primeiro título mundial de F1 e agora é apenas o segundo filho de campeão a repetir o sucesso do pai, em situação semelhante a de Damon Hill em 1996, quando também levou a taça depois do pai ter sido campeão nos anos 60

Warm Up / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
 

Enfim, Nico Rosberg é campeão mundial de F1. A conquista repete o sucesso de seu pai, Keke Rosberg, que conquistou o título da principal categoria do automobilismo no planeta em 1982, defendendo as cores da Williams. Mais que isso, neste domingo, Nico escreve seu nome da história como o segundo filho de campeão a alcançar a taça do mundo. Antes do alemão da Mercedes, Damon Hill foi o primeiro a igualar o feito de seu pai. 
 
Também andando sob as cores da tradicional equipe britânica, o inglês alcançou a honra máxima da F1 na temporada de 1996, depois de ter perdido para Michael Schumacher nos dois anos anteriores. Dono do melhor carro do grid, Hill disputou a taça naquele ano com o então estreante Jacques Villeneuve, mas a maior experiência fez diferença.
 
Sem cometer erros, o piloto obteve oito vitórias em 16 provas e pontuou em todas as outras que completou, abandonando apenas quatro vezes. No fim, a diferença para o jovem canadense foi de 19 pontos.
Filho do mítico Graham, Damon Hill fez história com título mundial de F1 em 1996 (Foto: Williams)

Já o pai de Damon, Graham, foi um dos maiores pilotos de sua época. Dono de uma tocada elegante, o britânico ficou imortalizado por vencer pela lendária Lotus, equipe com a qual conquistou o segundo de seus dois títulos, em 1968. O primeiro campeonato veio em seis anos antes, quando guiava pela Owen. O piloto também venceu as 500 Milhas de Indianápolis em 1966.
 
Keke Rosberg, por outro lado, alcançou o feito máximo na regularidade, quando se tornou campeão no início dos anos 80. O finlandês teve apenas uma vitória no ano inteiro, no GP da Áustria, mas foi ao pódio seis vezes e sempre que completou uma corrida esteve na zona de pontuação. Por isso, concluiu o campeonato com 44 pontos e uma pole-position.
 
Agora, o filho Nico chega ao triunfo em uma temporada em que impôs um ritmo forte e quase sem erros. Ganhou de um adversário forte, quase sempre dito melhor e mais rápido. Mas a verdade é que Rosberg se tornou campeão com bons números - foram nove vitórias, 16 pódios e oito poles.
Líder do campeonato, Nico Rosberg está muito perto de conquistar seu título na F1 (Foto: Mercedes)
Em Abu Dhabi, Rosberg, seguiu à risca o comportamento apresentado nas últimas corridas. Fez uma prova segura, mas não deixou de arriscar também. Max Verstappen chegou a surgir como um fator de preocupação, mas o #6 não se fez de rogado e encarou o jovem de frente, executando uma bela e atrevida ultrapassagem na metade da prova. A ousadia lhe colocou em segundo – posição em que cruzou a linha de chegada e mais do que suficiente para, enfim, soltar o grito de campeão. 

Outro grande adversário que surgiu durante a prova foi seu próprio companheiro de Mercedes, Lewis Hamilton. O inglês jogou com a estratégia e chegou a diminuir seu ritmo ao longo da prova para que pilotos da Red Bull e Ferrari ameaçassem o mais novo campeão da F1. A atitude chegou, inclusive, a ser questionada pela alta cúpula da equipe, perguntando ao tricampeão o motivo do ritmo apresentado na pista. Ele apenas respondeu que estava confortável.

As voltas finais, então, foram que deram um tom de muita tensão e emoção em Yas Marina. Hamilton em primeiro, Rosberg em segundo e vendo, cada vez mais, Sebastian Vettel se aproximando. Nos metros finais o alemão chegou a tentar o bote em cima do competidor do carro #6, mas com muita atitude, assegurou sua posição, seus pontos e seu primeiro título mundial.