6º, Pérez fala em “corrida mais difícil da carreira” na Malásia por virose e admite: “Pensei que fosse ter de desistir”

A Force India voltou a marcar pontos com seus dois pilotos na etapa da Malásia da F1. Sergio Pérez venceu uma virose e chegou em sexto, enquanto Esteban Ocon se envolveu em dois toques, mas completou a prova em décimo

Sergio Pérez precisou vencer uma adversária complicada neste final de semana na Malásia: a falta de disposição física. Com virose, o mexicano falou que teve uma das provas mais difíceis da carreira neste domingo (1) e valorizou bastante a sexta colocação, destacando a largada e a ultrapassagem em cima de Stoffel Vandoorne como os pontos altos que garantiram os oito pontos para a Force India. A equipe indiana, aliás, voltou a pontuar com os dois carros, já que Esteban Ocon salvou um décimo lugar em um dia complicado.

 
Checo agradeceu os médicos que cuidaram de sua saúde e admitiu que chegou a pensar em desistir de tão mal que estava.
 
"Provavelmente foi a corrida mais difícil da minha carreira, em um final de semana em que eu verdadeiramente temi que fosse precisar desistir. Foi um grande resultado, um grande feito conseguir chegar ao final do jeito que eu estava. Preciso agradecer aos médicos que me ajudaram nesses dias", disse o mexicano.
Sergio Pérez chegou em sexto com virose e tudo (Foto: Force India)
Para o mexicano, a corrida até conseguiu ser tranquila, mas só transcorreu desta forma pela ótima largada e pela manobra para tirar Vandoorne da sexta posição.
 
"As duas chaves para o resultado foram a boa largada que eu tive e a ultrapassagem em cima do Vandoorne ainda nas primeiras voltas. Depois disso consegui controlar bem o que ia acontecendo na minha corrida. Soubemos cuidar bem do desgaste de pneus e a única pressão que recebi foi do Vettel, mas aquela, definitivamente, não era a minha briga. Marcamos bons pontos para a equipe e estou feliz de ter obtido esse resultado em um fim de semana tão duro. Espero voltar a ficar 100% no Japão", completou.
 
Se Pérez era só alegria pela superação, Ocon era tristeza e decepção puras. Apesar de ter marcado ponto novamente, o francês ficou com a sensação de que poderia ter ido bem além do décimo lugar, especialmente por ter largado em quinto.
Esteban Ocon queria um resultado melhor em Sepang (Foto: Force India)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Foi uma corrida bem decepcionante, não estou feliz. O toque com Massa na primeira volta furou meu pneu e acabou com a minha prova. Precisei parar nos boxes na volta 2 e fiz basicamente a corrida inteira com os pneus macios. Considerando a condição como meus pneus chegaram no fim, até que marcar ponto foi algo a ser exaltado", comentou.
 
Ocon também reclamou do jeito que Carlos Sainz se defendeu em uma briga no meio da prova. Para o francês, a Force India podia mais do que o décimo posto.
 
"O outro momento muito ruim da minha prova foi quando eu tentei passar o Sainz e ele me bateu. Eu não deveria estar brigando com ele, mas estava fora da minha posição normal pelo furo de pneu e precisava me recuperar. Não sei o que ele fez, mas travou tudo e me acertou em cheio. Enfim, é uma corrida que eu quero esquecer porque tínhamos ritmo forte e eu não aproveitei", seguiu.

TORO ROSSO DEMOROU DEMAIS

REBAIXAMENTO SEGUIDO DE AFASTAMENTO DE KVYAT É TUDO, MENOS INJUSTO  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube