A Vitor Fazio, com (pouco) carinho | Bolão GP 2021 – 15ª Etapa

Dono da maior pontuação da semana do GP da Rússia, Vitor Fazio merece poucas homenagens e quase nenhum elogio da minha parte

COMO HAMILTON VENCEU, VERSTAPPEN FOI 2° E NORRIS SÓ 7° NO GP DA RÚSSIA DE F1

Chegar ao GRANDE PRÊMIO, em fevereiro de 2014, foi parte de um processo na minha vida. Com 21 anos de idade, estava no jornalismo profissional há menos de um ano e, apesar de ter feito muitas coisas legais, faltava a vivência do jornalismo de redação. Isso eu ainda não tinha. Pouca experiência, ainda pouco tempo de faculdade e jovem, eu tentava entender os Dos e Don’ts da minha personalidade profissional enquanto ainda me formava enquanto ser humano. Não que a formação tenha acabado, nunca acaba, mas aquele era o tempo da esponja, onde quase tudo é novidade e quase nada já foi visto como exemplo.

O fato de ser um estudante das coisas foi muito mais facilitado ao longo dos meses e anos, até, seguintes, por não ser o único aluno no Jardim Escola Gota de Paz. Não sei se é só aqui no Rio de Janeiro que as escolas das crianças de mais tenra idade recebem nomes meio desconexos que marcam para todo o sempre – eu mesmo estudei no há muito finado Jardim Escola Zé Colméia, ainda com acento agudo nesse tipo de tritongo. Também não existe mais.

Enfim, divago.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O time do GRANDE PRÊMIO no GP do Brasil de 2018, estreia minha, do Vitor e do Gabriel na F1 (Foto: Reprodução)
Paddockast #123: A McLaren já está na ‘F1 A’? O que falta?

Gabriel Curty estava aqui e Vitor Fazio chegou mais tarde. Primeiro como freela, por quase um ano, na verdade, depois como titular. O fato de sermos mais jovens que os demais e com zero experiência no mundo do esporte a motor, ao menos profissionalmente, fez com que a gente tivesse uma ligação forte. Depois, passamos a fazer o Ranking GP juntos, esse que vocês leem todas as quartas-feiras pós-corrida da Fórmula 1. Os três dão nota e arrumam jeito de montar o texto em alguma formação – eu tenho dado cano nos textos recentemente, peço perdão.

Fato é que o Vitor foi morar na Alemanha e vai tocar a vida dele totalmente por lá agora, longe do dia a dia do GRANDE PRÊMIO. O que eu entendo, claro, mas lamento. Lamento que ele não vá mais perguntar se pode ir jantar às 15h do horário de Brasília, as provocações baratas e ofensas inomináveis.

Eu sei que ele abriu esse texto esperando que fosse de comédia, como todos os outros da temporada até agora, mas uma última provocação desta fase é ser um texto-homenagem. Como essa foto aí do header, um desenho feito por um artista de rua, talentoso à beça, na Avenida Paulista, num dia em que a gente procurava algum presente para o Amigo Secreto do site. Na real, eu é que estava procurando e fiz o gaudério andar atrás de mim durante horas, porque enquanto ele ainda estava por aqui nós éramos os dois forasteiros do site e ficávamos sempre separados do restante do pessoal em coberturas de Fórmula 1, Stock, 500 Milhas de Kart e afins. E a caminhada pela Paulista foi merecida. Caminhamos juntos, amigo.

Mas antes de dar linha na pipa proverbial, o Vitor ainda foi capaz de liderar a 14ª semana do bolão. Claro que sim, já que o resultado do GP da Rússia foi tão absurdo quanto a mera existência do protagonista deste texto. Fez 100 pontos, assim como nosso assinante Gabriel Melo. Os dois tiveram exatamente os mesmos acertos: a vitória de Lewis Hamilton, o décimo lugar de George Russell e o primeiro abandono para Mick Schumacher. O terceiro colocado da semana foi Américo Teixeira Júnior, que em breve lança seu mais novo livro: fez 95 pontos.

Lando Norris fez questão de abraçar Lewis Hamilton após a 100ª vitória do heptacampeão (Foto: McLaren)

Na classificação geral, Renato Luz segue liderando com 1.155 pontos contra 1.140 de Renato Ribeiro e 1.125 de Clébio Júnior, que se aproxima. Felipe de Paula (1.095), Janaína Bezerra (1.015), Daniel Dalence (1.010), Hugo Fonseca (995), Rodrigo Berton (985), eu mesmo (965) e José Libório (920) completam o top-10.

Entre os GPês, além de Renato, Berton e eu, Gabriel Curty é o 11º colocado (910). Gabriel Carvalho (14º colocado, 880 pontos), Vitor Fazio (24º, 820), Guilherme Bloisi (27º, 800), Pedro Luís Cuenca (25º, 800), Lucas Couto (30º, 780), Fernando Silva (31º, 765) vêm na sequência. Detalhe para Victor Martins, que tem 680 pontos e ocupa o TRIGÉSIMO TERCEIRO lugar geral. Único membro do GP que está no bolão e é pior é Pedro Prado, que estragou a brincadeira ao não apostar em seis etapas. Mesmo assim, tem 605 pontos e é 37º colocado.

A próxima etapa da Fórmula 1 – e, mais importante, do Bolão – está marcada para o GP da Turquia, em Istambul, entre os dias 8 e 10 de outubro. Você pode apostar, como sempre, até o começo do treino de classificação. Para participar do Bolão GP 2021, basta se tornar um assinante da GPTV, o nosso canal do YouTube. Faça isso aqui.

‘VALTTERI, IT’S MAX!’ RED BULL CUTUCA MERCEDES E HORNER ADMITE QUE CURTE PROVOCAR WOLFF

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

F1 confirma estreia do GP do Catar em novembro e acordo de 10 anos a partir de 2023

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar