Acuada em julgamento, Mercedes aponta para rival: “Se nós estamos errados, a Ferrari também”

Paul Harris, advogado da Mercedes, segue defendendo a inocência da equipe, mas afirma que, se o time de Brackley for condenado, não há razão para que Ferrari saia livre das acusações. Equipe italiana fez um teste com a Pirelli no Bahrein, mas usou o carro de 2011

A Mercedes está sendo julgada nesta quinta-feira (20) por suspeita de ter quebrado o regulamento da F1 com o teste realizado com a Pirelli após o GP da Espanha. O time de Brackley usou o carro de 2013 no exercício feito em Montmeló.
 
Apesar de alegar inocência, a Mercedes afirma que se for considerada culpada, a Ferrari também deveria ser responsabilizada pelo teste que realizou no Bahrein com a fabricante de pneus. Ao contrário do time de Nico Rosberg e Lewis Hamilton, entretanto, a escuderia de Maranello usou o bólido de 2011, guiado por Pedro de la Rosa. 

A FIA julgou que é permitido usar um carro de dois anos atrás, mas para Paul Harris, advogado do time de Brackley, o Artigo 22 do regulamento diz que os carros não podem estar “substancialmente em conformidade” com as regras atuais. 
 
“Nossa posição é a de que, se nós estamos errados na interpretação do que o [Artigo] 22 significa e nós conduzimos o teste, portanto descumprimos o regulamento, acontece que a Ferrari também descumpriu”, apontou. “Eles geriram o carro deles na pista e nós argumentamos que o carro deles está substancialmente em conformidade com o regulamento”, continuou. 
 
“Não é certo dizer que se a Ferrari usou um carro de 2011, então aquele carro 2011 não esta substancialmente em conformidade com as regras de 2012 e 2013”, comentou. “Só tem uma diferença de meio segundo entre os carros de 2011 e de 2013, mostrando que as diferenças entre 2011 e 2013 são minúsculas em termos de performance.”
 
Ainda, a Mercedes revelou que a Ferrari teve outro teste com a Pirelli, ainda em 2012, quando Felipe Massa completou 1000 km antes do GP da Espanha. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube