Advogado admite que Ecclestone pode fazer acordo financeiro em processo por suborno

Sven Thomas, advogado de Bernie Ecclestone, admitiu que o processo contra o britânico pode ser resolvido com um acordo financeiro. Defensor, entretanto, garantiu que o britânico está “preparado para lutar”

Bernie Ecclestone pode ficar alguns milhões mais pobre para resolver seus problemas com a justiça alemã. A corte de Munique decidiu levar o britânico a julgamento por conta das acusações de suborno ao banqueiro Gerhard Gribkowsky. 
 
Ecclestone e seu fundo familiar Bambino são acusados de pagar em 2006 US$ 44 milhões (cerca de R$ 105,2 milhões) para Gribkowsky, um ex-diretor do banco alemão BayernLB, que tinha uma fatia de 47,2% das ações da F1. 
Se condenado, Ecclestone pode ficar até dez anos atrás das grades (Foto: Getty Images)
Bernie nega que o valor tenha sido suborno e alega que Gribkowsky ameaçou dizer ao HM Revenue & Customs, um departamento do governo britânico responsável pela coleta de impostos, que Ecclestone controlava o fundo, exigindo os US$ 44 milhões por seu silêncio. 
 
Residente no Reino Unido, Bernie teria de pagar impostos sobre os US$ 4 bilhões (aproximadamente R$ 9,5 bilhões) do fundo se estivesse no controle. O dirigente, entretanto, nega veementemente essa acusação. Ecclestone afirma que pagou a Gribkowsky, pois sua falsa acusação resultaria em uma longa e dispendiosa investigação. 
 
O banqueiro foi preso após assumir que recebeu propina enquanto representava o banco alemão BayernLB.
 
Pela primeira vez, Sven Thomas, advogado de Ecclestone, falou aos jornalistas e reconheceu que um acordo financeiro é possível para encerrar o caso, mas reforçou que Bernie está “preparado para lutar”. O britânico pode pegar até dez anos de prisão se for considerado culpado.
 
“Não acho que possamos chegar a um acordo antes do início do julgamento”, disse Thomas em entrevista ao jornalista Christian Sylt. “Durante o julgamento, acordos são sempre possíveis, mas não antes”, explicou. 
 
Um porta-voz da corte de Munique, que vai receber o julgamento do caso de suborno a partir de abril, confirmou ao jornal britânico ‘Daily Mail’ que um acordo é um dos finais possíveis para o caso.
 
“De acordo com o sistema legal alemão, existe a possibilidade de, durante o julgamento, parar os procedimentos em troca do pagamento de uma soma acordada para uma instituição de caridade ou ao tesouro, se o acusado, os promotores públicos e também o tribunal concordarem com isso”, detalhou o porta-voz.
 
De acordo com o jornalista britânico, um acordo poderia custar cerca de € 300 milhões (aproximadamente R$ 983,9 milhões). 
 
Na visão de Ecclestone, o juiz está em uma posição difícil, uma vez que colocou Gerhard Gribkowsky na prisão. De acordo com o agora ex-chefão da F1, o juiz afirmou que está disposto a considerar um acordo, mas o pedido teria de partir dos promotores.
 
“O juiz está em uma posição difícil. Ele prendeu alguém por oito anos e meio”, citou Ecclestone. “Ele disse que, se os promotores quiserem, ele consideraria, mas os promotores não pediram”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar