Albon vê reviravolta na carreira e tempo na Red Bull: “Inexperiente e vulnerável”

Mesmo com início difícil de carreira, Alexander Albon “nunca sentiu” que seu lugar não era na Fórmula 1. Piloto da Williams fez a sua melhor temporada na categoria em 2023

A Williams teve um início de temporada muito complicado em 2023, sofrendo com a falta de downforce e também com dificuldade de adaptação às diferentes condições de pista. Com o grande pacote de atualizações que foi introduzido no GP do Canadá, a sétima etapa do Mundial, a sorte do time de Grove mudou. Além da melhora no desempenho do FW45, os bons resultados em sequência de Alexander Albon ajudaram a esquadra azul a somar 28 pontos, fechando a tabela de Construtores no top-7. A performance se traduziu num campeonato sólido e talvez o melhor do tailandês até agora na F1, e isso foi lembrando por ele, especialmente após um começo de jornada cheio de reviravoltas.

Após fazer a sua temporada de estreia na F1 em 2019 pela então Toro Rosso (hoje AlphaTauri), Albon imediatamente recebeu uma oportunidade de mostrar o  talento na equipe principal, a Red Bull, em meados do mesmo ano. Escolhido para substituir Pierre Gasly, que foi rapidamente deixado de lado por Helmut Marko após falhar em acompanhar o ritmo de Max Verstappen, Alex tinha uma grande tarefa pela frente. Olhando para trás, o piloto de 27 anos reconhece que era inexperiente demais naquele momento.

Relacionadas


LEIA TAMBÉM
+Stop & Go — Alex Albon: “Com experiência de hoje, anos na Red Bull seriam diferentes”

“Quando olho para a minha carreira, tive um ano [de estreia] muito bom, o que de certa forma me fez ser promovido [para a Red Bull] um pouco rápido demais”, admitiu Albon em entrevista à Autosport. “Eu era inexperiente e estava vulnerável em 2020.”

Na única temporada completa que fez ao lado de Verstappen, em 2020, o dono do carro #25 terminou 109 pontos atrás do neerlandês. Enquanto o companheiro de equipe venceu duas corridas e subiu ao pódio onze vezes naquele ano, Albon só terminou entre os três primeiros em duas oportunidades, sem conquistar nenhuma vitória. O desempenho discreto fez com que Marko optasse por substituí-lo por Sergio Pérez no ano seguinte, deixando o tailandês sem vaga no grid para 2021.

Experiência de Albon foi extremamente importante para a Williams em 2023 (Foto: Williams)

“Tive um ano de folga e logo em seguida surgiu minha segunda oportunidade com a Williams. Mesmo fora do grid, nunca senti que não pertencia à F1. Sinto que à medida que minha confiança ficou mais forte e me tornei mais experiente, eu consegui mostrar o meu talento”, contou Alex.

Mesmo tendo recebido muito destaque pela ótima temporada em 2023, Albon deixa claro que o seu primeiro ano pela escuderia britânica também foi muito bom, embora as pessoas não tenham dado o devido valor aos seus resultados.

“Acho que não existe um bom piloto em uma equipe ruim. Em 2022, eu estava tendo corridas fantásticas e terminando em 16º, mas ninguém falava sobre isso. Em 2023, quando fazia boas corridas, eu ficava entre os dez primeiros e todo mundo comentava. O seu prestígio naturalmente aumenta”, explicou. “Mas isso é F1, você tem que aparecer na hora certa.”

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Quando questionado sobre os motivos de ter feito a sua melhor temporada da carreira no ano passado, o companheiro de Logan Sargeant reconheceu que a experiência e o conforto com a equipe ajudaram nesse processo.

“Acho que, de certa forma, eu estou muito mais experiente e foi meu segundo ano junto com a Williams. Não acho que a velocidade bruta tenha mudado muito, mas consegui fazer com que o carro se adaptasse a mim e, por isso, o explorei um pouco mais. Sinto que estou ficando mais confortável a cada corrida. Eu sei o que o carro precisa para ser rápido. Parece que tudo está se conectando com mais facilidade. E por causa disso, é mais fácil desempenhar bem e não cometer erros. Acho que foi meu melhor ano”, finalizou.

O sétimo lugar no Mundial de Construtores em 2023 foi o melhor resultado da Williams na Fórmula 1 desde 2017. No início deste ano, a equipe de Grove anunciou que vai continuar utilizando as unidades de potência da Mercedes até pelo menos 2030, após um novo acordo firmado entre as duas partes. A escuderia britânica marcou para o dia 5 de fevereiro a apresentação do carro da temporada 2024 da F1.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.