F1

Alonso diz que halo “fez o que tinha de fazer” em acidente em Spa: “Todos deveriam ficar contentes”

Após levantar voo e passar por cima do carro de Charles Leclerc, Fernando Alonso avaliou que o halo cumpriu seu papel em Spa-Francorchamps. Asturiano contou que teve dores nas costas após o acidente
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Fernando Alonso (Foto: AFP)
Envolvido em um acidente nos primeiros metros do GP da Bélgica, Fernando Alonso avaliou que o halo cumpriu seu papel ao proteger Charles Leclerc.
 
Na largada em Spa, Hülkenberg errou a freada e atingiu Fernando Alonso por trás. O espanhol, então, levantou voo e passou por cima da Sauber de Charles Leclerc na La Source, primeira curva do circuito belga.
 
Hülkenberg, Alonso e Leclerc escaparam ilesos, mas os carros ficaram destruídos. Para o monegasco, a situação foi particularmente dramática: o carro do espanhol tocou o halo da Sauber #16, indicando que a cabeça do piloto ficaria em risco sem a proteção.
Fernando Alonso contou ter ficado com dores após o acidente (Foto: McLaren)
“É difícil estarmos 100% seguros de onde meu pneu dianteiro aterrissaria no cockpit de Charles. Prefiro não pensar nisso, se na cabeça, nas mãos, no volante...”, comentou Alonso. “É bom ter o halo e ter essa dúvida, porque é uma parte bastante frágil do carro, o cockpit. O halo fez o que tinha de fazer”, frisou.
 
“Acho que todos deveriam ficar contentes e não se preocupar com o halo”, falou.
 
Ainda, Fernando contou que sentiu algumas dures ao longo da semana em decorrência do acidente, mas afirmou que já está bem novamente.
 
“O único dia difícil foi a terça-feira”, contou Alonso. “No domingo, eu estava bem. Na segunda-feira, mais ou menos. Mas, quando levantei na terça, tinha um pouco de dor na coluna”, relatou.
 
“Ontem estava bem e hoje também. Tudo bem depois disso”, destacou. “Também noto um pouco de calor aqui [nas mãos], pois creio que estava com as luvas no volante quando toquei Leclerc. Mas cada dia menos. Deve ficar tudo bem”, completou.