Alonso encara saída da McLaren como despedida da F1. Mas faz ressalva: “A vida muda muito rápido”

Ainda que diga abertamente que está de saída da F1 por não ter condições de acelerar um carro competitivo e lutar por títulos, Fernando Alonso deixa as portas abertas para um eventual retorno: “Não tenho bola de cristal para saber o que vai acontecer no futuro”

A primeira parte da entrevista coletiva que marca a retomada da temporada 2018 do Mundial de F1, nesta quinta-feira (23), em Spa-Francorchamps, o futuro foi muito mais abordado do que o presente. Na mesa, os quatro protagonistas das movimentações do verão europeu: Pierre Gasly, Daniel Ricciardo, Carlos Sainz e Fernando Alonso. O bicampeão tornou-se o centro das atenções no mundo do esporte depois de anunciar a saída da McLaren na F1 ao fim da atual temporada.
 
No entanto, Alonso deixa as portas abertas para um eventual retorno à categoria rainha do automobilismo, mas deixa claro que tal possibilidade só vai acontecer se puder contar com um carro capaz de lutar por títulos, o que não é o caso neste momento.
 
“Por agora, estou pensando que é uma despedida. Mas a vida muda muito rápido. Não tenho bola de cristal para saber o que vai acontecer no futuro”, ponderou o bicampeão, ciente que lutou muito para ter um carro forte o bastante e à altura do seu potencial, mas que não vai ser possível em 2019, por isso a saída da F1 e da McLaren.

Fernando Alonso decretou sua saída da F1, mas deixa as portas abertas para um eventual retorno (Foto: McLaren)

“Quero dizer adeus a este esporte enquanto me sinto forte, não quando não me sentir competitivo ou não tiver um lugar para ir. Prefiro tomar minha decisão e buscar novos desafios que a F1 não pode me proporcionar no momento”, explicou o espanhol.

 
“Não fiquei porque, como disse na semana passada, para vencer agora só há duas equipes, e elas já têm seus pilotos definidos durante os próximos dois anos. E esta F1 não é a mesma desde quando cheguei, em 2001”, continuou.
 
Questionado pelos jornalistas a respeito, Alonso reforçou que a chance de vencer as 500 Milhas de Indianápolis e confirmar a conquista da Tríplice Coroa é o que mais o atrai. Fernando já tem duas coroas: o GP de Mônaco e as 24 Horas de Le Mans.
 
“A Tríplice Coroa é algo que eu venho mencionando há alguns anos. Para ser o melhor piloto do mundo há duas possibilidades: ser oito vezes campeão na F1 ou, a segunda, conquistar categorias diferentes com carros distintos”, ponderou.
 
A partir deste fim de semana, Alonso inaugura uma nova fase com a McLaren. Além de ainda buscar os melhores resultados, piloto e equipe já começam a trabalhar visando 2019, quando Carlos Sainz vai ocupar seu lugar. Nesta sexta-feira, Fernando já vai dar lugar a Lando Norris no primeiro treino livre do GP da Bélgica.
 
“Nossos objetivos neste momento, para as próximas corridas, estão em poder preparar o carro para a próxima temporada. A equipe é incrível”, destacou o bicampeão, que sonha em ver o compatriota e amigo desfrutando de uma condição melhor do que ele tem neste momento na McLaren. “Espero que Sainz encontre um carro mais competitivo melhor. A McLaren é incrível, a segunda melhor equipe neste esporte, esperamos deixar um carro bom”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube