Alonso reafirma motivação no projeto da Honda, mas já indica “tentação de ir a outras categorias”

Fernando Alonso está pensando mesmo em tentar expandir a carreira para fora da F1, e a culpa é da F1. Mas o que o prende e motiva no Mundial no momento é o projeto da Honda com a McLaren, um sonho de menino

Fernando Alonso está, sim, cada vez mais considerando a possibilidade de se aventurar em outras categorias. Quem diz não é um boato, mas o próprio bicampeão mundial de F1. Alonso deixou claro novamente que a F1 o está desanimando, e o projeto do sonho de menino na McLaren-Honda tem sido o fator principal de motivação.
 
O espanhol reafirmou mais de uma vez que é apaixonado pelo automobilismo, mas a F1 mais lenta e sem dar oportunidades para as equipes testarem e mudarem o status quo do grid no decorrer de uma temporada acabam o fazendo pensar em outras possibilidades. E as equipes, segundo eles, estão de mãos atadas.
 
"Eu amo automobilismo, todas as categorias, e é verdade que a F1 não é mais exatamente a mesma ou animadora como era no passado – ao menos para mim, por guiar carros 2s ou 3s mais rápidos que um carro da GP2. Neste momento, há uma grande motivação com a McLaren-Honda. Meu primeiro kart foi uma réplica da McLaren-Honda, agora estou aproveitando esse processo de nos tornarmos competitivos começando do zero", disse.
Fernando Alonso é ajudado pelos fiscais para levar a McLaren aos boxes (Foto: AP)
"Mas sem testes, com esses pneus, com essas limitações, com o calendário do ano passado, por exemplo, há uma tentação para ir a outras categorias, isso é verdade", revelou.
 
"Era mais divertido antes, mas não acho que é por causa de mais sensores ou mais informações. Antes, tínhamos mais liberdade em termos de melhorar o carro. Você vê que o carro não é competitivo no primeiro quarto da temporada, então encontra algumas soluções e talvez fique competitivo. Agora, a Mercedes vai ganhar todas, a Manor vai ser a última em todas com mais ou menos sensores e feedback dos pilotos", seguiu.
 
"O problema não é a quantidade de informação. Nossas mãos estão atadas pela temporada, então quando colocamos o carro em Barcelona ou Jerez para o primeiro teste é uma moeda no ar, se você será competitiva e terá uma boa temporada ou se não será e vai ter um ano ruim", avaliou.
 
No treino classificatório deste sábado (25), Alonso teve uma pane elétrica durante o Q2 e tentou inclusive empurrar o carro para voltar aos boxes sem ajuda e poder retornar à pista. Depois, descobriu que não seria possível, mas já tinha protagonizado a cena do dia.
 
"Eu amo meu esporte. Não importa se você é o último ou o 15º ou pole, você quer pilotar o carro e aproveitar. Mas eu soube quando cheguei na garagem que não era possível pelas regras. O carro precisa chegar sozinho com o motor ligado. Eu não sabia, se eu soubesse acho que teria estacionado o carro antes", encerrou.
 
Ele vai largar na 15ª posição no GP da Hungria deste domingo, que o GRANDE PRÊMIO acompanha AO VIVO e EM TEMPO REAL.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube