Alonso se diz orgulhoso por sair de último para 11º, mas pondera: “Sem nada de anormal na corrida, é difícil pontuar”

Fernando Alonso terminou a corrida no Japão orgulhoso por ganhar nove posições. Os pontos não vieram, por mais que Alonso tenha insistido atrás de Felipe Massa, então resta a expectativa de não perder mais posições por punição

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Com uma McLaren que já não é capaz de fazer grande coisa, largar da última colocação é quase que a garantia de uma corrida no esquecimento. Neste domingo (8), no GP do Japão, Fernando Alonso até buscou uma recuperação interessante após largar em último por conta de uma punição e ficou nos holofotes nos metros finais da etapa, mas não conseguiu chegar aos pontos.

 
De qualquer forma, Alonso terminou orgulhoso por conseguir ganhar nove posições e chegar na 11ª colocação. O bicampeão lembrou, no entanto, que se nada de anormal acontecer durante a corrida a zona de pontos ainda é tarefa bastante árdua para um time limitado.
 
"Hoje não aconteceu nada demais, não teve batida entre Vettel, Verstappen e Räikkönen, de modo que é difícil pontuar em condições normais. Mas é para estar orgulhoso por terminar em 11º depois de largar em último. Espero que não tenhamos mais punições nas próximas corridas", falou.
 
A briga para pontuar foi levada até o final, com uma perseguição que Alonso conduziu para cima de Felipe Massa. Graças ao safety-car virtual e à chegada de Max Verstappen e Lewis Hamilton, a briga pendeu para o lado do brasileiro, que levou o ponto solitário.
 
"Me faltou um pouco de sorte, porque quando tentei passar Massa – que estava com pneus desgastados -, entrou o safety-car virtual e deu uma proteção a ele. Foi falta de sorte porque diminuiu nossa velocidade, mas foi uma remontada espetacular saindo do 20º para o 11º lugar. Quando tivermos mais sorte, iremos pontuar", seguiu.
Fernando Alonso (Foto: McLaren)
A Red Bull terminou a corrida achando que Alonso não se comportou da melhor forma o final e acabou ajudando Hamilton, que escapava de Verstappen. Alonso discorda, mas promete acatar o que a FIA decidir.
 
"Me disseram que há uma investigação, então que decidam o que quiserem. Tentei não atrapalhar ninguém e nem acabe nos pontos. Acredito que isso não foi determinante no resultado da corrida, mas aceitarei o que decidirem", encerrou.

A F1 volta em duas semanas, 22 de outubro, para o GP dos Estados Unidos de F1. GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da F1 em Austin AO VIVO e em TEMPO REAL, com livetiming e gráfico interativo.

HÁ ESPERANÇA?

MESMO COM RESULTADO RUIM, VETTEL GANHA FORÇA NA MALÁSIA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube