F1

Análise: quantos pontos a Ferrari realmente fez Massa perder em 2008?

Rob Smedley disse que Felipe Massa poderia ter sido campeão com mais de 20 pontos de vantagem para Lewis Hamilton na temporada 2008 da F1, só não foi por causa da Ferrari. E a conta está: errada, mas para baixo

Warm Up / RENAN DO COUTO, de São Paulo
Felipe Massa poderia ter sido campeão da F1 em 2008 com 20 pontos de vantagem sobre Lewis Hamilton, não fossem os erros cometidos pela Ferrari. Foi o que disse nesta semana Rob Smedley, engenheiro de corrida do brasileiro na equipe italiana e agora engenheiro-chefe da Williams, ao reclamar das críticas que considera injustas à capacidade de Massa como piloto.
 
Mas essa conta realmente bate? O GRANDE PRÊMIO revisitou as corridas de sete anos atrás para calcular quanto os motivos alheios à vontade de Massa – e também de Hamilton – de fato interferiram na definição do campeonato.
Massa e Hamilton, os rivais pelo título de 2008, em Interlagos (Foto: Paul Gilham/Getty Images)
Os erros mais caros: -21 pontos
 
Foram três as vezes em que Massa foi claramente deixado na mão pela Ferrari e perdeu pontos em relação a Hamilton.
SISTEMA DE PONTUAÇÃO DA TEMPORADA 2008
1º) 10 pontos; 2º) 8 pontos; 3º) 6 pontos; 4º) 5 pontos; 5º) 4 pontos; 6º) 3 pontos; 7º) 2 pontos; 8º) 1 ponto
GP da Austrália: embora tivesse se envolvido em um acidente na largada e em um toque com David Coulthard brigando pela décima posição, Massa seguia na pista na sétima posição quando se viu obrigado a abandonar com o motor quebrado. Assim, deixou de marcar os dois pontos que faria se chegasse ao fim naquela colocação. Hamilton venceu.
 
GP da Hungria: Massa fez uma aguerrida ultrapassagem sobre as duas McLaren na largada para assumir a ponta e dominar a corrida. Mas, a três voltas do fim, o motor Ferrari quebrou outra vez. Ele anotaria em Budapeste sete pontos a mais que Hamilton, que seria só sexto, porém acabou zerando e vendo o inglês somar quatro tentos ao cruzar em quinto. Portanto, 11 pontos de prejuízo: o que seria uma vantagem de três, na realidade, ficou como uma desvantagem de oito.
 
GP de Cingapura: Massa, de novo, liderava a prova, desta vez com Hamilton em segundo. Até que, na rodada de pit-stops em bandeira amarela por causa do acidente de Nelsinho Piquet, ficou com a mangueira de combustível presa no carro e viu a prova jogada no lixo. Em vez de somar dois pontos a mais que Hamilton, viu o rival marcar seis a mais ao chegar em terceiro. Mais oito pontos.

Tanto da Hungria quanto de Cingapura, Massa sairia como líder.
Esta se tornou uma das cenas mais famosas da F1 dos anos 2000 (Foto: Getty Images)
Os erros menores
 
Mas a equipe ainda cometeu outros erros menores com Massa. “Operacionalmente, fomos muito mal”, reconhece Smedley ao lembrar daquele ano. “A equipe falhou com ele.”
 
Outros exemplos de equívocos foram uma estratégia ruim na chuva em Mônaco, que fez Massa perder o segundo lugar para Robert Kubica, e a torre de reabastecimento que não encheu o tanque do carro #2 no primeiro pit-stop no Canadá, tornando necessária outra parada.
 
No primeiro caso, foram mais dois pontos perdidos para Hamilton em uma corrida em que o britânico errou e bateu sozinho, mas deu sorte e voltou para a prova para vencer graças a um safety-car. No segundo, é difícil quantificar quanto exatamente Massa poderia ter ganhado, mas provavelmente ele terminaria à frente da quinta colocação.
 
Ainda, na classificação em Silverstone, a Ferrari se complicou na escolha dos pneus e deixou Massa apenas em nono no grid.
Hamilton não sofreu nenhuma falha mecânica nas corridas de 2008 (Foto: Getty Images)
O erro da McLaren
 
A primeira corrida que Hamilton abandonou na carreira com problemas mecânicos foi no GP de Abu Dhabi de 2009. Portanto, em 2008, falhas na McLaren não atormentaram a vida do inglês.
 
Houve apenas um grande erro cometido pela equipe contra ele naquele ano, que foi no GP da Alemanha. O time bobeou na estratégia e não o chamou para fazer um pit-stop no momento em que o safety-car entrou na pista. Hamilton perdeu cinco posições ao fazer seu reabastecimento com bandeira verde, mas com pneus mais novos e um carro que já vinha rendendo muito mais em Hockenheim, abriu caminho na pista e foi ao alto de um pódio que ainda teve Piquet e Massa.
 
Logo, ele não pode se queixar por ter perdido pontos por culpa da equipe.
Trapalhada no GP do Canadá de 2008 foi a mais marcante da carreira de Hamilton (Foto: Reprodução)
Os erros dos pilotos
 
É injusto, no entanto, comparar apenas os trabalhos das equipes para dizer que um ou outro deveria ter sido campeão se ambos os pilotos também cometeram erros. E não foram poucos os pontos perdidos por Massa e Hamilton por conta própria.
 
A maioria dos GPs daquele ano foi equilibrada, e o que se viu foi um campeonato que oscilou bastante entre as duas principais forças. Ferrari e McLaren, por uma série de fatores, se alternavam no topo. O normal era ter os carros sempre próximos na pista.
 
Com relação ao brasileiro, duas corridas chamam a atenção. Na Malásia, depois de largar na pole, ele rodou sozinho quando estava na segunda posição, atrás de Kimi Räikkönen. Dá para dizer que ele perdeu nove pontos para Hamilton em Sepang. E, claro, o GP da Inglaterra, em que Massa rodou cinco vezes e terminou em último. Hamilton venceu e colocou mais dez pontos no bolso.
 
Já Hamilton foi muito mal no GP do Bahrein, vencido por Massa, e cometeu no Canadá a maior trapalhada de sua vida: acertou a Ferrari de Räikkönen nos boxes. Até então sobrando em Montreal, teve de abandonar.
 
Por causa daquilo, perdeu dez pontos para Massa no Canadá. Mas o lance ainda rendeu uma punição de dez posições no grid do travado circuito de Magny-Cours, na França, onde Massa também venceu. Assim se chega à conclusão de que Hamilton perdeu 30 pontos para o brasileiro por causa de erros próprios. E o saldo é de 11 a favor do brasileiro.
 
Para não passar sem a menção: Massa ganhou seis pontos sobre Hamilton após a bandeirada no GP da Bélgica por uma controversa punição aplicada pelos comissários ao britânico.

Tudo isso contribuiu para o mais espetacular desfecho de um campeonato na história da F1, com a ultrapassagem de Hamilton sobre Timo Glock na última volta em Interlagos, frustrando a torcida brasileira e fazendo a festa da inglesa. O placar de 2008 terminou com 98 a 97 a favor de Lewis.
A comemoração de Hamilton pelo título de 2008 (Foto: Getty Images)
Nunca reclamou
 
Apesar dos pesares, ao menos em público, Massa jamais condenou a Ferrari ou acusou a equipe de tê-lo impedido de ser campeão. Ele sempre adotou o discurso do ganha-se junto, perde-se junto.
 
“Para você vencer o campeonato, não é só você. É o que vem do grupo. É uma coisa que não funcionou direito e em que você perdeu ponto, você pode perder o campeonato. E foi o que aconteceu”, diz.
 
Em 2013, ao fazer em Interlagos a última corrida pela Ferrari, foi reverenciado como campeão pelo então chefe da equipe, Stefano Domenicali. “Nós te amamos. Você sempre estará no nosso coração. E não se esqueça de uma coisa importante: você é um campeão mundial para nós. Obrigado, Feli”, falou o italiano pelo rádio.