F1

Após ano com 3 equipes disparadas no topo, Grosjean quer F1 mudada no futuro: “Seria bom para o esporte”

Se Red Bull, Mercedes e Ferrari dominam a F1 atual, há esperança de que no futuro o grid esteja mais parelho. Ao menos é o que disse Romain Grosjean ao GRANDE PRÊMIO, ao comentar o que pensa sobre os próximos anos da categoria
Warm Up / FELIPE NORONHA, de São Paulo
Mercedes, Ferrari e Red Bull: é difícil imaginar que o título da F1, seja entre as equipes, seja entre os pilotos, saia desse trio. Aliás, é complicado pensar que qualquer um fora desse tríade consiga ao menos um pódio. Mas o futuro pode trazer mudanças.

Ao menos é o que espera Romain Grosjean. Em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO em Interlagos, quando do GP do Brasil, o francês comentou sobre o que pensa para os próximos anos da principal categoria do automobilismo mundial. 

Quando questionado se brigar pela sétima colocação numa corrida, e pelo quarto lugar no Mundial de Construtores, eram metas aceitáveis, ele concordou, mas foi além.

"É bom porque é o melhor que podemos fazer, quando paramos para pensar o sétimo lugar é o melhor que podemos fazer. Acho que sim, isso pode mudar no futuro. Seria bom para o esporte e bom para todo mundo", afirmou.
Romain Grosjean (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Em seguida, ele resumiu o ano da Haas de forma positiva: "Fizemos um grande trabalho neste ano. Temos um carro muito rápido, mas claro, tirando no México (onde ele foi 16° e seu companheiro Kevin Magnussen, 15°)."

"Conseguimos brigar no meio do grid com equipes que fizeram um ótimo trabalho, como a Sauber, que deu a volta por cima e nos desafiou algumas vezes. Mas ficamos onde queríamos ficar e lutamos para ser os melhores do resto, o que foi bom", finalizou.

Grosjean e Magnussen continuarão a formar a dupla da Haas em 2019, pelo terceiro ano seguido.