F1

Após confirmação para 2021, Hamilton e Verstappen se mostram contrários ao “band-aid” DRS

O DRS, famosa asa móvel, está em seu nono ano da F1 e já está confirmado para o novo pacote de regras, que estreia em 2021. Em compensação, ainda não conta com a simpatia de Max Verstappen e Lewis Hamilton. Os dois acham artificial demais

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Em meio ao desenvolvimento do que vão ser as regras da F1 a partir da temporada 2021, o que já foi definido é que a asa móvel, ou DRS, segue para aumentar o fluxo de ultrapassagens no Mundial. Entretanto, dois dos principais nomes da ultrapassagem na F1 dos últimos anos se colocaram contrários ao sistema.
 
Max Verstappen foi um dos que se pôs favorável ao fim da artificialidade em algum momento nos próximos anos. 
 
"De alguma forma, talvez você não queira as ultrapassagens do DRS. Eu seria um fã de tentar afastar [a F1] das ultrapassagens com DRS, mas no momento é uma boa solução, acho, em algumas pistas em que você normalmente não pode passar", afirmou.
 
Verstappen se opôs também à adição de uma nova zona de DRS no Bahrein em comparação aos últimos anos. Especialmente agora que o efeito da asa móvel é mais poderosa e implacável.
Max Verstappen (Foto: Gertty Images/Red Bull Content Pool)
"Dá sempre para encurtar as zonas. Acredito que com o passar dos anos nós aumentamos, então talvez possamos agora diminuir", seguiu.
 
O pentacampeão Lewis Hamilton foi junto de Verstappen. Fossem os carros bem projetados pensando em ultrapassagens, ele avalia, o DRS seria dispensável.
 
"No fim das contas, o DRS é um band-aid para a corrida de qualidade pobre que nós temos com a forma como os carros são projetados. Mas é o que é, não dá para mudar a estrutura fundamental de como esses carros são e o arrasto que eles criam, então eles precisam encontrar uma forma de tornar as corridas mais simples", afirmou.
O carro de Lewis Hamilton (Foto: Beto Issa)
Hamilton, porém, gosta da mudança para o Bahrein. "Acho que vai ser mais tática, mais próxima. Aqui [no Bahrein] sempre há um grande tempo de delta que você tem para o carro na sua frente para ter a chance de ultrapassar. O DRS reduz isso por volta, o que eu considera algo positivo" encerrou.
 
O GP do Bahrein acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades EM TEMPO REAL. O TL1 começa às 8h (de Brasília) desta sexta-feira, 29 de março.