Após conterrâneo ser flagrado em exame antidoping na Moto2, Webber cobra mais atenção da FIA

Após caso de doping de Anthony West na Moto2, Mark Webber cobrou que a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) adote a mesma postura da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) e passe a realizar testes mais frequentes

 

Mark Webber cobrou uma postura mais firme da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) em relação ao doping. As declarações do piloto chegam dias após a FIM (Federação Internacional de Motociclismo) suspender Anthony West por um mês por causa do resultado de um exame.
 
O piloto da QMMF na Moto2 testou positivo para Metilhexanamina, um vaso constritor utilizado como descongestionante nasal ou como parte de suplementos nutricionais, principalmente aqueles destinados a aumentar a energia ou ajudar na perda de peso. 
Webber vê doping na F1 como improvável, mas possível (Foto: Red Bull/ Paul Gilham/Getty Images)
Com o resultado positivo, a FIM excluiu o australiano do GP da França de Moto2 – prova onde o exame foi realizado – e o afastou das pistas por um mês.
 
O piloto da Red Bull vê a postura da FIM como positiva e cobrou uma postura mais firme da FIA para garantir um esporte livre de drogas.
 
“Sempre fui favorável à ideia de fazer mais disso, mas a FIA nunca foi realmente muito incisiva nessa área”, comentou Webber. “Os outros pilotos também nunca foram muito exigentes com isso, então nunca foi um grande problema”, continuou. 
 
“Sabe, com o que está em jogo, o dinheiro envolvido e todo esse tipo de coisa, as pessoas fazem essas coisas”, insistiu. “É extremamente improvável, mas você nunca diz nunca”, concluiu. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube