F1

Após críticas e punição a Rosberg em Silverstone, FIA endurece restrições para comunicação por rádio na F1

O fim de semana do GP da Hungria vai marcar uma nova série de diretrizes estabelecidas pela FIA a respeito das restrições nas comunicações por rádio entre pilotos e equipes da F1. A partir de agora, se uma equipe advertir um piloto de que há um problema no carro, deverá haver a instrução para que este entre nos boxes para fazer os reparos necessários ou mesmo abandonar a prova
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Christian Horner (Foto: Getty Images)

A FIA (Federação Internacional de Automobilismo), na esteira da polêmica punição imposta a Nico Rosberg no GP da Inglaterra e das críticas sofridas por pilotos e equipes da F1, endureceu as regras que dizem respeito às restrições de comunicação por rádio durante as corridas. A partir do fim de semana do GP da Hungria, 11ª etapa da temporada 2016, que acontece neste fim de semana, se uma equipe advertir um piloto que há um problema no carro, então deve haver a instrução para que este entre nos boxes para fazer os reparos necessários ou mesmo abandonar a prova.
 
Na ocasião, Rosberg foi punido em 10s no seu tempo de prova e caiu de segundo para terceiro lugar, fazendo com que a vantagem para Lewis Hamilton caísse para apenas um ponto no Mundial de Pilotos. A Mercedes, por exemplo, pediu uma revisão nas regras, enquanto Christian Horner, chefe da Red Bull, foi mais duro e afirmou que o regulamento atual de restrição nas comunicações por rádio é um lixo.
Após a polêmica sobre a punição imposta a Rosberg, a FIA endureceu as regras de restrição de comunicação por rádio na F1 (Foto: Reprodução)
“A indicação de um problema com o carro está permitida, mas essa mensagem deve incluir uma instrução de cumprimento obrigatório de entrada nos boxes para resolver o problema ou para retirar o carro”, diz a FIA em novo dispositivo do regulamento técnico.
 
Desta forma, a entidade que determina o regulamento da F1 entende que a mudança poderá fazer com que equipes e pilotos pensem duas vezes em fazer alguma transmissão de informação do tipo, restringindo ainda mais a comunicação sobre problemas do carro ao longo da corrida.
 
Há, contudo, permissões na regra de restrições de comunicação por rádio na F1. “As instruções para selecionar padrões são permitidas se elas tiverem o único propósito de reduzir uma falha de um sensor, transmissor ou outra avaria que o software do carro não detectou.”
 
“Será responsabilidade da equipe que tal instrução satisfaça o delegado técnico da FIA e lhe convença de que a mensagem deveria solucionar um problema e não a melhorar o rendimento do carro, além de evitar que ele deixe de funcionar”, diz o regulamento.
 

A FIA também determina que as restrições só passam a contar quando o carro estiver fora do pit-lane, diferente do regulamento anterior, quando tudo passava a valer desde quando o carro estivesse fora dos boxes. Assim, caso os pilotos deixem os boxes com um problema crítico no carro, há a possibilidade de troca de informações para solucionar o problema durante o pit-lane, sem a necessidade de parar novamente nos boxes.
 
Outra restrição imposta pela FIA diz que as equipes só podem avisar aos pilotos que o chassi está danificado, enquanto outros danos não podem ser comunicados. Desta forma, times e competidores ficam ainda mais limitados no que diz respeito ao que falar ou não durante as corridas. A entidade busca assim que os pilotos usem a capacidade de improviso para lidar com problemas que antes seriam facilmente resolvidos em um contato com o time nos boxes.
PADDOCK GP #38 VAI A PIRACICABA PARA LANÇAMENTO DA F-INTER