Após ficar de fora em exibição, Mario Andretti pede para participar de treino livre pela Lotus em Austin

O campeão da temporada 1978 da F1 iria participar de uma exibição pela Lotus em Austin, onde ia dirigir o carro usado pela equipe no último campeonato. No entanto, um problema no motor o impediu de testar

Campeão da F1 em 1978, Mario Andretti foi escalado para estrear o Circuito das Américas, em Austin, pilotando tanto o carro da Lotus com o qual conquistou o título quanto o modelo de 2011 da escuderia britânica. No entanto, por causa de um problema no motor Renault, o ex-piloto não conseguiu guiar o equipamento mais novo. O veterano, porém, não desanimou e sugeriu à Lotus que pudesse participar do primeiro treino livre, marcado para esta sexta-feira.

“Eu realmente gostaria de pilotar esse bebê, talvez possa fazer isso nos treinos livres de sexta-feira. Eu deveria fazer algumas ligações”, disse Andretti. “Pilotar um desses carros era para ser o principal momento desse fim de semana de estreia. Eu já tinha colocado o macacão e estava pronto para ir, mas não tive a oportunidade. Um carro de F1 hoje é uma maravilha da engenharia, e essa é a razão de eu querer pilotá-lo”, justificou.

Andretti andou com o carro da Lotus em Austin (Foto: Lotus/LAT)

Apesar das lamentações, Andretti afirmou que está negociando com a Lotus quando poderá pilotar novamente e disse que a escuderia lhe garantiu uma nova chance. “Eu não tive a oportunidade, e é por isso que estou tão frustrado, mas eles me prometeram uma nova chance, então está tudo bem”, completou.

O ex-piloto também sugeriu que a F1 voltasse a ter uma regra que permitisse aos times inscreverem um terceiro carro para os atletas do país de cada GP. Assim, os fãs teriam uma nova atração, pois também teriam um competidor para qual correr.

“Eu adoraria que a F1 voltasse a ter a regra onde seria possível inscrever um terceiro carro para um piloto convidado. Foi assim que eu comecei. Se você puder ter um piloto para carregar a bandeira do próprio país, isso traria muito mais atenção. Isso sempre dá certo, e quanto mais atenção você tiver, melhor”, sugeriu.

O veterano também não poupou elogios ao circuito de Austin, dizendo que finalmente os EUA têm uma pista com os requisitos necessários para receber a F1. “Demorou para termos uma pista como esta, apropriada para receber corridas de carro. Temos vários circuitos clássicos nos EUA e no Canadá, mas, fora Montreal, muitos deles não conseguiram se manter atualizados em termos de segurança e infraestrutura”, disse.

“E um circuito misto como parte de um oval não funciona. Ele não tem atrativos nem o ambiente que um fã desse tipo de corrida está procurando. Agora nós temos um lugar onde podemos ter o esporte no mais alto nível e acho que cada fã da F1 na América do Norte deve estar contente”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube