F1

Após ‘golpe’, Ecclestone fala em mudar regras para introduzir motor alternativo na F1: “Não podemos esperar”

Com mais poder de mudar regras na F1, Bernie Ecclestone já decidiu: mandará às favas o veto das montadoras ao motor alternativo e vai lutar para que a categoria tenha no grid uma opção mais barata. O chefão da F1 é claro ao dizer que não há tempo a perder

Warm Up / Redação GP, de Sumaré

A adoção dos motores alternativos na F1, bandeira levantada por Bernie Ecclestone e Jean Todt e derrubada sobretudo pelas montadoras, virou questão de honra para o chefão da F1. Nesta semana, o Conselho Mundial de Automobilismo e a FIA deram permissão para que Todt e Ecclestone façam as mudanças que desejam na categoria para os próximos anos, furando de vez o bloqueio das maiores equipes do grid, que formam o chamado Grupo de Estratégia.
 
A decisão, tratada como uma grande vitória para a dupla depois do duro revés pela decisão contrária da Comissão de F1 sobre o veto ao motor alternativo, faz com que Bernie tenha caminho livre para colocar em prática sua tão sonhada proposta, tornando novamente o jogo dos poderes favorável a si.
Ecclestone não desistiu do motor alternativo e disse que "vai dar tudo de si" para fazer valer seu projeto (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“Temos de mudar as regras para permitir a introdução de um motor alternativo e mais barato. Os novos motores híbridos simplesmente são muito caros. E não podemos esperar. Ainda acho que nós devemos ter o motor alternativo para 2017. Gostaria que o pessoal envolvido nesse negócio pudesse pensar um pouco mais em longo prazo. Mas vou dar tudo de mim para que a F1 continue a ser o ápice do automobilismo”, garantiu Ecclestone em entrevista ao diário alemão ‘Handelsblatt’.
 
Na mesma entrevista, o chefe supremo do esporte falou que aguarda para breve o desfecho da venda da F1. Na visão do dirigente, tudo depende do desejo de a atual proprietária, a CVC, decidir ou não permanecer como dona do esporte. 
 
“Acho que nós vamos ter uma decisão dentro dos próximos dois meses. Esta minha esperança é de que o começo da temporada 2016 da F1 nós vamos saber se a CVC quer vender ou não”, disse. “Há pessoas que estão muito interessadas em comprar a F1. Mas a CVC ainda não decidiu se eles querem sair ou não”, acrescentou Ecclestone, assegurando que sequer pensa em se aposentar.
 
“Não pensei sobre isso. Mas se alguém comprar a F1 e não me quiser como chefe, então eu teria que me despedir. Mas gosto do que faço, e é por isso que eu ainda faço isso. Não preciso de dinheiro, faço isso porque eu curto”, complementou o todo poderoso chefe da F1.
 
 

E se os carros de F1 forem como este que a McLaren desenhou?http://grandepremio.uol.com.br/f1/noticias/video-mclaren-apresenta-visao-de-f1-do-futuro-com-revolucionario-modelo-conceitual-mp4-x

Posted by Grande Prêmio on Quinta, 3 de dezembro de 2015
PADDOCK GP EDIÇÃO #9: ASSISTA JÁ